Do Orkut ao WhatsApp, como a música brasileira retrata os apps e redes sociais que todos usamos

Desde que os primeiros batuques foram ouvidos a música tem sido usada para, entre outras coisas, exaltar as paixões humanas. Traduzimos em ritmo e poesia as maravilhas naturais do mundo, nossas musas, os grandes heróis e seus feitos; descrevemos épocas, histórias e comportamentos dos mais diversos. Muita gente não vive sem música; não seria exagero dizer que o contrário também é verdadeiro.

Se estendermos o conceito de “tecnologia” para além de bits e pastilhas de silício, o barulho (com o perdão do trocadilho) da sua participação na música é ouvido de longe. Do aprimoramento dos primeiros tambores aos sintetizadores e editores digitais de hoje, essas áreas sempre foram indissociáveis. Não há música sem a tecnologia garantindo a execução, captação e reprodução nos bastidores.

Capa do álbum Leandor & Leonardo Vol. 4, de 1990.
Leandro & Leonardo.

Eventualmente os papéis se misturam e de um suporte ou auxílio, a tecnologia passou a ser o motivo da arte, a temática da narrativa. Isso nos remete ao início do texto: cantamos sobre tudo. É algo tão óbvio que não raramente nos escapa. Quando Leandro & Leonardo cantaram pela primeira vez “Pense em mim, chore por mim, liga pra, não, não liga pra ele”, em 1990, eles colocaram no cancioneiro popular brasileiro uma tecnologia super avançada que, de tão massificada, passou despercebida: o telefone. Àquela altura, fazer ligações já era algo trivial e tal papel coadjuvante, apesar do grande avanço que essa tecnologia representou, se repetiu na letra da música.

A tecnologia de consumo, essa embarcada em smartphones, tablets e outros gadgets contemporâneos, evoluiu a passos largos nas últimas décadas. Nos anos recentes, sua popularidade teve uma guinada sem precedentes. Embora quase 1/3 da população mundial já use smartphones, ele ainda não está tão enraizado como o telefone estava na época em que Pense em mim foi composta. Esse detalhe, porém, não impediu que os compositores começassem a explorar essa nova realidade criando músicas sobre os apps e redes sociais que tanto usamos. Continue lendo “Do Orkut ao WhatsApp, como a música brasileira retrata os apps e redes sociais que todos usamos”

5 coisas sobre o Orkut, a rede social mais brasileira que já existiu

O fim chega para todos, amigo. Hoje é a vez do Orkut, a primeira rede social do Google e de muitos de nós, brasileiros, dar adeus ao ciberespaço.

Criado em janeiro de 2004 pelo engenheiro turco Orkut Büyükkökten, não demorou muito para a rede ser invadida por brasileiros. Qual o motivo? Até hoje não se sabe muito bem o porquê. Certo mesmo é que apesar da ostracismo em que afundou nos últimos anos, primeiro eclipsado pelo Facebook, depois rejeitado pelo próprio pai, o Google, o Orkut ficará para sempre marcado na história digital do Brasil.

Hoje, muita gente compra smartphone para usar WhatsApp; em 2004, o Orkut teve o mesmo efeito no comércio de computadores. Ele foi a iniciação de muita gente à Internet e daquele jeito meio desengonçado, politicamente incorreto e cheio de tretas e piadas internas, ganhou os nossos corações e navegadores.

Para celebrar esta data, separei cinco coisas muito “Orkut”. Engula o choro, prepare o coração e venha comigo. Continue lendo “5 coisas sobre o Orkut, a rede social mais brasileira que já existiu”

O Grupia quer ocupar o espaço que será deixado pelas comunidades do Orkut

O Orkut foi um fenômeno no Brasil por muito tempo. Há quase três anos, porém, o Facebook o superou por aqui. De lá para cá a rede social do Google caiu no underground da Internet e resistiu como piada ou reduto daqueles mais apegados às comunidades, o trunfo ainda inigualado por outras redes sociais. Para ocupar essa lacuna, surge o Grupia.

A ideia de criar uma versão modernizada das comunidades do Orkut precede o anúncio do fim da rede, feito pelo Google no final do mês passado. Conversei com Felipe Felisberto, um dos quatro fundadores do Grupia, que revelou essa e outras curiosidades sobre o projeto: Continue lendo “O Grupia quer ocupar o espaço que será deixado pelas comunidades do Orkut”

Sobreviventes do Orkut migram para a rede russa VK

“O número de inscrições do Brasil nos últimos dois dias aumentou em 2.000% e continua a crescer rapidamente” escreveu George Lobushkin, relações públicas da VK, em postagem no serviço russo.

A VK já tem quase 200 mil brasileiros e cerca de 20 comunidades em português –a maioria sobre futebol ou que fazem menção à condenada rede do Google, como a “Sobreviventes do Orkut”.

Correndo o risco de ser espionado pelos asseclas de Putin, fiz um perfil na VK. Visualmente, lembra mais o Orkut que o Facebook mesmo, ou esse último nos tempos pré-Linha do Tempo.

A VK é a maior rede social da Europa, com mais de 100 milhões de usuários. Um detalhe interessante é o player de música: dá para ouvir qualquer (ok, muita) coisa gratuitamente; basta usar a pesquisa e dar play.

Não seria a hora de olharmos a Mirtesnet com mais atenção? Não? Ok.

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!