Trump desativa blog menos de um mês depois de lançá-lo

O blog do ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, saiu do ar nesta quarta (2). Nesse aspecto, Trump é gente como a gente e também abandona blogs dias depois de lançá-lo — o From the Desk of Donald J. Trump foi ao ar em 4 de maio. Um porta-voz explicou que o blog “era apenas um auxílio aos esforços mais amplos em que estamos trabalhando”. Acredita quem quiser. Via CNBC (em inglês).

Brincadeiras à parte, esse episódio reforça o papel que as redes sociais têm na amplificação de discursos extremistas. A relação de Trump e de outros populistas com redes como o Twitter é simbiótica. Em um blog, sem a atenção do equivalente a transeuntes digitais e sem as ferramentas embutidas de amplificação, é muito mais difícil ter o mesmo desempenho e, por consequência, manter a empolgação.

Facebook libera conteúdo que sugere que o coronavírus foi criado pelo homem

O Facebook removeu a proibição de postar conteúdo sugerindo que o SARS-CoV-2, o coronavírus causador da COVID-19, tenha sido criado pelo homem. (O tópico ainda consta na versão em português do Brasil, porém; veja um comparativo.) Em nota enviada ao site Politico, um porta-voz da empresa justificou a mudança “à luz das investigações em andamento da origem da COVID-19 e em consulta a especialistas em saúde pública”. Via Politico (em inglês).

De fato, nesta quinta (26), o presidente norte-americano Joe Biden pediu à inteligência do país para que “redobre os esforços” a fim de determinar a origem do coronavírus. Só que, ao contrário do que a regra agora derrubada do Facebook sugere, nenhuma das hipóteses consideradas é a de que o vírus foi criado pelo homem. A nova suspeita é de que ele teria vazado de um laboratório chinês, e não pulado de um animal selvagem para os seres humanos, teoria mais aceita até o momento. O New York Times tem um bom “explainer” (em inglês).

Conforme explica o Politico, “estudos genéticos do vírus encontraram falhas na proteína que ele usa para se conectar a células humanas”, característica que certamente seria evitada por alguém que estivesse criando uma arma biológica.

A vasta lista de tópicos proibidos sobre a pandemia, o vai-e-vem das regras e, agora, este erro conceitual grave do Facebook, demonstram a complexidade que existe na moderação de conteúdo pelas grandes plataformas. Lá vem (mais) uma onda de teorias da conspiração.

Alphabet, Amazon, Apple e Facebook lucraram US$ 154,6 bilhões em 2020

Gráfico em barras, com divisórias, mostrando a lucratividade de Alphabet, Amazon, Apple e Facebook de 2007 até 2020.
Dados: FactSet, documentos das empresas. Gráfico: Axios/Reprodução.

Desde 2018, a preocupação com o poder crescente e aparentemente sem limites da big tech tem aumentado. Apesar disso, o chamado “techlash” não se nota nos balanços trimestrais dessas empresas, como se nota por este levantamento da lucratividade das quatro mais criticadas — Alphabet, Amazon, Apple e Facebook. Em 2020, primeiro ano da pandemia, elas lucraram juntas US$ 154,6 bilhões. Via Axios (em inglês).

Em paralelo, a OCDE discute um imposto mínimo global para multinacionais, a fim de evitar uma corrida ao fundo do poço entre os países, que baixam os impostos locais do tipo a fim de atraírem as maiores empresas estrangeiras. Na última quinta (20), os Estados Unidos propuseram que a taxa seja de no mínimo 15% — lá, a taxa é de 21%, mas o presidente Joe Biden quer aumentá-la para 28%. A notícia foi bem recebida por outros países, como a Alemanha. Via Associated Press (em inglês), CNBC (em inglês).

Juntas, WarnerMedia e Discovery formarão novo gigante do streaming

A AT&T, operadora norte-americana, separou a sua unidade de mídia, a WarnerMedia, e anunciou uma fusão dela com a Discovery, criando a segunda maior empresa do tipo dos Estados Unidos, com valor de mercado estimado em US$ 150 bilhões. Nesse guarda-chuva estão marcas como HBO, HBO Max, os estúdios Warner, a CNN e canais da Discovery.

A previsão é de que o negócio seja finalizado até meados de 2022. Lá fora, a fusão gera um conglomerado capaz de fazer frente a Netflix e Disney. Aqui, segundo analistas, o impacto deverá ser menor. “[…] O brasileiro não dá conta de arcar financeiramente com isso”, disse uma analista. Via Folha de S.Paulo (2).

  • O HBO Max estreia no Brasil em junho (ainda sem dia definido).
  • A AT&T segue um caminho parecido ao da Verizon, que vendeu a Aol e o Yahoo no início do mês, e se livra do negócio de mídia/conteúdo para focar no seu “core business”. Nessa, vai levar US$ 43 bilhões entre dinheiro, débitos e retenção de débitos da WarnerMedia. Via CNBC (em inglês).

Comitê de Supervisão do Facebook ratifica suspensão de Trump; no Brasil, Bolsonaro ameaça (de novo) radicalizar

Saiu a decisão do Comitê de Supervisão do Facebook sobre a suspensão por tempo indefinido do ex-presidente norte-americano Donald Trump das redes sociais do grupo — Facebook e Instagram. Em linhas gerais, o Comitê ratificou a decisão de suspender os direitos de publicação de Trump, mas cobrou do Facebook uma posição definitiva em relação ao caso em até seis meses, pois a pena aplicada não é prevista em lugar algum. Via Comitê de Supervisão (em inglês).

Nesta segunda, Trump revelou sua nova “plataforma social”, que é… bem, um blog. Além da suspensão por tempo indefinido do Facebook, ele foi banido do YouTube, do Twitter, do Snapchat e de outras redes sociais. Como disse John Gruber, “isto demonstra que ser banido do Twitter e suspenso do Facebook não silenciou ou censurou Trump, da mesma maneira que ser banido de um restaurante não leva ninguém à fome”.  Via Daring Fireball (em inglês).

Enquanto isso, no Brasil, Jair Bolsonaro (sem partido) ameaçou publicar um decreto que alteraria o Marco Civil da Internet a fim de proibir as plataformas digitais de banirem ele próprio. Via @caffsouza/Twitter.

Medium oferece programa de demissão voluntária a jornalistas após minar tentativa de sindicalização

Ev Williams anunciou um “pivot” no Medium. A empresa dará menos ênfase às suas nove publicações próprias e os jornalistas que trabalham nelas, e passará a dar apoio a “vozes independentes da plataforma” com “acordos, suporte, edição e feedback”. Em outras palavras, tentará emular o Substack.

A guinada deixará estragos e vítimas, como sempre acontece quando Ev acorda indisposto e decide mudar tudo no Medium, algo um tanto frequente. Siobhan O’Connor, VP responsável pelo editorial do Medium, se desligou da empresa, e o Medium está oferecendo uma espécie de programa de demissão voluntária aos funcionários do editorial, ou seja, convidando jornalistas a se demitirem.

Segundo a Vice, suspeita-se que o desmantelamento da unidade editorial do Medium seja uma retaliação à tentativa dos funcionários (todos eles) de se sindicalizarem. A direção do Medium, incluindo Ev, trabalhou ativamente para minar o processo, e conseguiu: a tentativa foi malfadada por apenas um voto de diferença. Via Vice (em inglês).

Novo Google Pay repete os mesmos erros do Google Allo

A bagunça em produtos do Google não está restrita aos apps de mensagens. Além da migração do Google Play Music para o YouTube Music, a empresa resolveu agora migrar a base do Google Pay para para uma nova versão que mantém o nome, mas exige um recadastro vinculado ao número do celular e passa a cobrar por transferências a partir do cartão de débito.

Por ora, o novo app só vale para Índia, onde foi gestado e estreou com o nome Tez em 2017, e Estados Unidos, onde chegou em novembro passado e passará a ser obrigatório para transferências a partir de 5 de abril (o recurso sumirá da versão web/desktop). Via Ars Technica (em inglês).

Bônus: a nova versão traz um serviço de troca de mensagens (!) embutido.

Policial toca “Santeria” enquanto é filmado para que Instagram derrube o vídeo

Em Beverly Hills, um policial ligou em volume alto a música Santeria, hit do Sublime dos anos 1990, enquanto era filmado por um ativista. Suspeita-se que o policial estava tentando alavancar o sistema de detecção de direitos autorais de plataformas como YouTube e Instagram para que o vídeo fosse derrubado. Nem William Gibson conseguiria prever esse tipo de distopia. Via Vice (em inglês).

Nos EUA, às vezes sai mais barato reembolsar e deixar o produto indesejado com o consumidor

Grandes lojas virtuais nos Estados Unidos, como Amazon, Walmart e Target, estão usando inteligência artificial para determinar quando vale a pena receber de volta um produto comprado online que o consumidor não quis ficar. Em muitos casos, sai mais barato reembolsar a compra e deixar o produto indesejado/errado com o consumidor do que fazer a logística reversa. Via Wall Street Journal (em inglês, com paywall).

 

Ações do Twitter caem 7% após banimento de Trump

A Bolsa de Nova York abriu nesta segunda (11) com as ações Twitter desvalorizadas em ~7% devido ao banimento de Donald Trump da plataforma. (Neste momento, a queda foi amenizada e o papel é negociado a -4,2% em relação a sexta.) O mercado entendeu o movimento como uma decisão eleitoral, o que pode atrair mais regulação à empresa. Não foi à toa que o Twitter anunciou o banimento numa noite de sexta-feira, dia e horário preferido das empresas de capital aberto para dar más notícias ao mercado. Via Reuters (em inglês).

Acreditamos que os riscos de permitir que o Presidente [Donald Trump] continue usando o nosso serviço durante este período são simplesmente grandes demais. Portanto, vamos prolongar o bloqueio que fizemos de suas contas no Facebook e no Instagram por tempo indeterminado e durante pelo menos as próximas duas semanas até que a transição pacífica do poder esteja concluída.

— Mark Zuckerberg Fácil depois que o cara deixou o poder e, portanto, não tem mais a influência que poria em risco seu negócio. Via Facebook. Mais cedo, o Snapchat havia anunciado a suspensão por tempo indefinido de Trump. Facebook copiando outra vez. Via Engadget (em inglês).

O site recebe uma comissão quando você clica nos links abaixo antes de fazer suas compras. Você não paga nada a mais por isso.

Nossas indicações literárias »

Manual do Usuário