Fundo azul, com uma chamada para um PlayStation 5 no centro. À esquerda, a frase “Ofertas de verdade, lojas seguras e os melhores preços da internet.” À direita, “Baixe o app do Promobit”.

Fundadores do Substack mergulham de cabeça na guerra cultural

“É preciso haver um limite”: Fundadores do Substack mergulham de cabeça na guerra cultural (em inglês), por Joe Pompeo na Variety:

No post inaugural do Substack, de 17 de julho de 2017, explicando uma visão em que “publicações de notícias e conteúdos similares podem ser lucrativos com pagamentos diretos dos leitores”, Best e McKenzie [co-fundadores do Substack] evocaram a estreia em 1833 do New York Sun de Benjamin Day, que introduziu o modelo sustentado por anúncios à imprensa combinando circulação em massa e um preço baixíssimo. “Benjamin Day alterou radicalmente o futuro do jornalismo com um ajuste no seu modelo de financiamento”, escreveram Best e McKenzie. “Quase dois séculos depois, a indústria jornalística está pronta para outra reinvenção.”

Até certo ponto, o Substack cumpriu essa promessa, pelo menos para um grupo privilegiado de usuários com bases de seguidores substanciais. O serviço se tornou um paraíso para escritores que descobrem, por um motivo ou outro, que os meios de comunicação tradicionais já não funcionam para eles. O Substack nunca poderá oferecer o profundo apoio institucional e a musculatura editorial que vêm com o trabalho num local como o New York Times. Mas é capaz de prestar assistência limitada em apoio de edição, jurídico, em design, bancos de imagens e plano de saúde, sem falar em recursos de bastidores como um sistema de gestão de conteúdos e apoio técnico.

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Dúvidas? Consulte a documentação dos comentários.

Compre dos parceiros do Manual:

Manual do Usuário