Fundo azul, com uma chamada para um PlayStation 5 no centro. À esquerda, a frase “Ofertas de verdade, lojas seguras e os melhores preços da internet.” À direita, “Baixe o app do Promobit”.

iPhone de botão

Eu adoro o meme do iPhone de botão. Ele brinca com a ideia de que os modelos de iPhone com o design antigo, com o botão Home/Touch ID, seriam hoje sinal de pobreza — o oposto do que o iPhone, bem ou mal, ainda representa para muita gente.

Adoro o botão e irei defendê-lo, mas sempre esboço um sorriso (com respeito) quando topo com uma piada de iPhone de botão por aí. Via Terra, Núcleo.

Roteiro da Boca Rosa para o dia a dia no Instagram

Recorte de um story, mostrando uma mulher de costas (aparece somente parte da cabeça) olhando para uma TV com um slide sendo exibido, título “Conteúdo Stories”, seguido de uma lista de situações cotidianas que serão transformados em stories. A TV é segurada por uma mão estranha que parece sair da parede.
Imagem: @centralreality/Twitter.

Há muito o que analisar neste roteiro de dia a dia no Instagram da influenciadora Bianca “Boca Rosa” Andrade.

Em primeiro lugar, é a síntese da capitalização da vida. Nada é espontâneo, mesmo aquilo que parece ser e é apresentado como espontâneo. Nem o “nenein” escapa da espetacularização que a “mamain” promove da própria vida.

Nesse sentido, é praticamente uma demolição da quarta parede: vemos, desnudado, que aquilo a que milhões de pessoas aspiram é uma ilusão, é um produto meticulosamente fabricado. Não que isso seja surpresa ou novidade, mas encarar o “script básico do dia a dia” é similar a assistir aos vídeos do Mister M.

O mais perturbador da cena, porém, é aquela mãozinha assustadora saindo da parede para segurar a TV. O que é aquilo? (E por que ela exibe esse roteiro numa TV? Quem tem uma TV para isso?) Via @centralreality/Twitter.

Leitura biônica?

Dois parágrafos em inglês, lado a lado, um com formatação normal, outro com “Bionic Reading” (a primeira metade das palavras em negrito).
Imagem: Jiffy Reader/Reprodução.

A “leitura biônica” está causando um burburinho lá fora. A ideia é destacar, em negrito, a primeira metade da palavra para acelerar a leitura (veja o comparativo acima). Do site da Jiffy Reader, uma extensão para Chrome que “bionifica” qualquer site:

Ao direcionar sua atenção seletivamente a certas partes de uma sentença, nós criamos uma lacuna que nossa psicologia é programada para preencher. Assim, precisamos de menos e podemos ler mais rápido. É quase como se a leitura tivesse um botão de acelerar 1,5 vez.

Segundo o iMore, a técnica (?) foi desenvolvida pelo desenvolvedor suíço Renato Casutt. Aplicativos como Reeder 5 e Fiery Feeds já adicionaram a funcionalidade.

Se funciona mesmo ou é só placebo, não me arrisco a dizer — porém sempre fico com um pé atrás com esse lance de leitura dinâmica/acelerada. Via iMore, Bionic Reading (ambos em inglês).

Sei que tem muitas conversas e propostas legislativas sobre desinformação ocorrendo por aí neste momento. Então, vamos investir muito no Brasil.

— Sundar Pichai, CEO do Google. O Estadão foi um dos 11 veículos que entrevistaram Sundar por videochamada. A frase é genérica, mas fica a esperança de que o Google esteja mais atento às tentativas de manipulação eleitoral em suas plataformas, como o YouTube. Via Estadão.

Os ícones dos aplicativos no Android 13 estão esquisitos

O Android 13, oficializado pelo Google nesta quarta (10), será uma versão contida, sem grandes novidades, provavelmente para aparar as arestas que ficaram da anterior.

Entre essas poucas novidades está o suporte a aplicativos de terceiros nos ícones padronizados, uma opção que faz com que todos os ícones sigam o esquema de cores da interface “Material You”. Assim:

Foto de um celular com Android 13, usando um tela salmão, com todos os 12 ícones da tela inicial em formato redondo e com as mesmas cores de fundo e no contorno dos desenhos internos.
Imagem: Google/Divulgação.

Beleza é algo subjetivo, e não é no que gostaria de focar aqui. O que me chama a atenção é a usabilidade, ou falta dela. Ícones assim, idênticos, não são mais “difíceis de usar”?

A gente já havia perdido o contorno/formato dos ícones graças à influência do iOS.

No macOS da Apple, que sempre teve ícones em formatos variados, a versão Big Sur, de 2020, impôs (ou passou a recomendar) que eles adotassem o mesmo formato quadrado com bordas arredondadas do iOS.

Gosto é subjetivo, repito, mas compare um antes (Catalina) e depois (Monterey):

Duas fileiras de ícones na Dock do macOS, a de cima do Catalina, com ícones de formatos variados, a de baixo do Monterey, com todos os ícones quadrados.
Imagem: Apple/Divulgação.

Talvez o Google tenha ido longe demais?

Compre dos parceiros do Manual:

Manual do Usuário