Post livre #297

Toda semana, o Manual do Usuário publica o post livre, um post sem conteúdo, apenas para abrir os comentários e conversarmos sobre quaisquer assuntos. Ele fecha na segunda-feira ao meio-dia.

sexta-feira, 3 de dezembro de 2021

Samsung presenteia jornalistas, blogueiros e youtubers com celulares de até R$ 12,8 mil — de novo

Print de dois stories lado a lado, com os nomes dos autores ocultados, mostrando a cartinha da Samsung. Destaque para os trechos: “[…] a Samsung te presenteia” e “Aproveite tudo em seu novo Galaxy Z Flip 3.”
Imagens: Instagram/Reprodução.
O Natal chegou mais cedo para um grupo de jornalistas, blogueiros e youtubers brasileiros que cobrem tecnologia. Mais uma vez, a Samsung enviou um celular caríssimo de presente — prática vexatória denunciada pelo Manual do Usuário em 2020.

Desta vez, o presente é um Galaxy Z Flip 3, celular dobrável vendido na loja da Samsung por R$ 7 mil, ou um Galaxy Z Fold 3, de R$ 12,8 mil. O Manual encontrou posts nas redes sociais de quatro agraciados com o mimo da Samsung. Dois deles publicaram uma carta que acompanha o produto, em que a Samsung explicita que se trata de um presente (imagens acima).

É provável que outros pipoquem a partir de amanhã, quando muitos que estavam no Havaí, cobrindo o Snapdragon Summit, evento da Qualcomm, retornam ao Brasil.

Receber um presente tão caro de uma empresa que está (ou deveria estar) sob escrutínio, em reviews de produtos e na cobertura do dia a dia, põe em xeque a isenção do jornalista/blogueiro/youtuber. A única coisa a se fazer nessa situação é recusar o presente. Ano passado, apenas 1 (um) de 54 presenteados devolveu o Galaxy S20 Ultra de R$ 8 mil.

Para entender como a Samsung gasta quase meio milhão de reais por ano para comprar a simpatia da imprensa, leia a reportagem.

quinta-feira, 2 de dezembro de 2021

Signal lança programa de assinatura

O Signal lançou um programa de apoio recorrente (assinatura) para se sustentar. São três planos e, ao se tornar um apoiador, o(a) usuário(a) ganha um distintivo para exibir no app. Em reais, os planos custam R$ 15, 50 e 100 por mês. Via Signal (em inglês).

O grande espelho de software livre e outros projetos do C3SL

Se você está no Brasil e usa Linux, é bem provável que já tenha se deparado com um domínio da Universidade Federal do Paraná (UFPR), o c3sl.ufpr.br, ao atualizar seu sistema ou aplicativos. Trata-se do espelho do Centro de Computação Científica e Software Livre (C3SL), um grupo de pesquisa do pessoal da Informática da UFPR.

Continue lendo “O grande espelho de software livre e outros projetos do C3SL”

O Twitter de Jack Dorsey

Jack Dorsey estava lá quando tudo começou. Um dos quatro co-fundadores do Twitter, reza a lenda que a ideia embrionária do que viria a ser o Twitter saiu da sua cabeça. De qualquer modo, coube a ele a honra de publicar o primeiro post da rede social, 15 anos atrás. “just setting up my twttr”, ou “configurando meu twttr”, ainda usando a marca esquisita, sem vogais, dos primórdios do Twitter.

Nesta segunda (29), em outro post no Twitter, Jack anunciou seu afastamento do cargo de CEO, com efeito imediato, e sua saída do conselho administrativo da empresa que criou a partir de maio de 2022, quando seu mandato vence.

Continue lendo “O Twitter de Jack Dorsey”

Square vira Block

A Square, empresa de pagamentos do Jack Dorsey, ex-CEO do Twitter, mudou de nome e agora se chama Block, de “blockchain”, para refletir suas ambições, hoje maiores que as maquininhas de cartão de crédito. Semana cheia para Jack. Via Square/Block (em inglês).

Mas o que mais me chamou a atenção foi a presença do Tidal no rol de apps da Square/Block, o streaming musical que já foi um dia do Jay-Z. A aquisição se deu em março deste ano, por ~US$ 300 milhões. Via New York Times (em inglês).

De olho em eleições, Facebook lança no Brasil proteção a alvos de hackers

O Facebook lança no Brasil, nesta quinta (2), o Facebook Protect, programa de proteção adicional a usuários e administradores de páginas mais suscetíveis a ataques — em especial, gente envolvida com eleições.

Os principais aspectos do programa são:

  • Forçar a adoção da autenticação em dois fatores;
  • Dar maior atenção a tentativas de invasão dessas contas; e
  • Garantir a autenticidade de quem posta em páginas.

Não tem como se candidatar a ele; é o Facebook quem determina perfis elegíveis e envia uma notificação/convite para o Facebook Protect. Via Uol Tilt, Facebook.

Lembrete: autenticação em dois fatores não é exclusividade dessa iniciativa, está disponível para todos os usuários. É, de longe, a melhor medida que alguém pode fazer para proteger sua conta. Veja como ativá-la no Facebook.

Os melhores apps e jogos de 2021, segundo a Apple

Depois do Google/Android, hoje é a vez da Apple revelar os melhores apps das suas plataformas em 2021. O ganhador na categoria apps é Toca Life: World, uma espécie de ~metaverso infantil da desenvolvedora Toca Boca — que, lembra o TechCrunch, acabou de completar 10 anos de vida. O jogo do ano no celular da Apple foi League of Legends: Wild Rift. Na página da premiação estão os apps e jogos do ano para iPad, Apple Watch e macOS, e apps da “tendência do ano”: aqueles que nos unem. Via Apple, TechCrunch (em inglês).

Veja, também, as listas de apps mais populares (dois chineses no topo da de gratuitos) e a dos jogos (Free Fire segue líder).

A nova câmera sempre ligada da Qualcomm é um pesadelo de privacidade

O Snapdragon 8 Gen 1, novo chip topo de linha da Qualcomm para celulares Android, tem um recurso no mínimo controverso: câmera sempre ligada. A empresa diz que isso traz vantagens, como (des)bloquear o celular de acordo com a presença do usuário no enquadramento da câmera, mas é de se questionar se essa suposta vantagem compensa os riscos e a paranoia que uma câmera sempre ligada implica. Felizmente, o recurso pode ser desativado pelas fabricantes que adotarem o chip. Curioso para ver qual será a primeira que não fará isso. Via The Verge (em inglês).

quarta-feira, 1 de dezembro de 2021

Tomar crédito pelo navegador web

O Edge, navegador web da Microsoft, ganhou um recurso pra lá de esquisito nos Estados Unidos: crédito para compras online. Quando alguém está prestes a realizar um pagamento, o Edge oferece um parcelamento de até quatro vezes em seis semanas, de valores que variam de US$ 35 a 1 mil. O serviço é oferecido por uma parceira da Microsoft, a Zip. Via Microsoft (em inglês).

Tudo bem que hoje navegadores fazem muito mais do que apenas renderizar páginas web, mas isso aqui é um pouco demais? O que vem depois? Carteiras de criptomoedas embuti… ops.

O que você leu de bom?

Toda quinta, na newsletter do Manual (cadastre-se gratuitamente), indico leituras longas/de fôlego (artigos, reportagens, ensaios) publicadas em outros sites.

Seria o máximo se esse trabalho fosse colaborativo, feito com a sua ajuda.

Indique nos comentários uma leitura longa da última semana, relacionada aos temas que costumam aparecer aqui no site, que você acha que deveria ser lida por mais gente. Vale em português ou inglês.

É possível “piratear” NFTs com o botão direito do mouse?

“É possível ‘piratear’ NFTs com o botão direito do mouse?”, pergunta Bruno Ignácio no Tecnoblog. Ele mesmo responde depois que, não, não é possível, porque embora as obras sejam arquivos digitais reproduzíveis por qualquer pessoa (expliquei aqui), “esse arquivo não possui nenhum valor e tampouco configura um ativo digital, com autenticidade garantida por um registro em rede blockchain”.

A resposta parte da premissa de que a rede blockchain é uma garantia absoluta e inquestionável de autenticidade apenas por registrar, de modo público, imutável e insubstituível, um certificado de autenticidade — que, sabemos, é um emaranhado de códigos que não tem muito a ver com a obra em si e que está sujeito à manutenção do servidor/da blockchain onde foi registrado.

Em momento algum essa premissa extremamente frágil é questionada, ainda que sejam dadas algumas pistas ao(à) leitor(a) mais atento. Por exemplo, Bruno reconhece que NFTs não têm respaldo legal e que podem ser exploradas por qualquer um, ou seja, a falta de regras dos criptoativas permite que alguém se aproprie do trabalho alheio e o venda como NFT. Parece maluco, mas já aconteceu.

“Se um caso desses chegar a justiça, por mais confuso que seja, o autor terá mais chances de provar a posse e autoria do arquivo, algo que não muda por um simples segundo clique do mouse”, escreve ele, sem explicar a parte “confusa”. Há jurisprudência nesse sentido? De que modo, juridicamente falando, a posse de um NFT ajudaria num caso desses?

Aqui, na minha ignorância (porque custo a entender essa bobagem), a pergunta a ser feita não seria a do título do artigo, mas sim por que alguém iria querer piratear um NFT — NFT que, reforço, não tem nada a ver com a obra em si, mas se trata apenas de um emaranhado de código colocado numa blockchain e que, só por isso, atribui “propriedade” e tem “valor”, segundo as pessoas que acreditam em NFTs. Sigo sem resposta. Via Tecnoblog.

terça-feira, 30 de novembro de 2021

Twitter removerá fotos e vídeos de pessoas postados sem o consentimento delas

O Twitter atualizou sua política de informações privadas* para coibir o compartilhamento de fotos e vídeos de indivíduos sem o consentimento deles. Quando posts do tipo forem reportados, eles serão removidos. A medida começa a valer nesta terça (30.nov) no mundo inteiro.

No anúncio, o Twitter explica que a medida é parte do esforço contínuo de atender a padrões de direitos humanos. Além disso, cita diversos “poréns”, ou exceções à regra, como figuras públicas, em posts de interesse público ou como parte de eventos noticiosos. E, mesmo nessas situações, há exceções às exceções — postar fotos de figuras públicas para assediá-las, intimidá-las ou silenciá-las infringe a política contra comportamento abusivo.

Embora as exceções à primeira vista pareçam equilibradas, o grande desafio será aplicar a nova regra. O Twitter “meio que” se garante ao tornar a aplicação reativa, ou seja, uma foto ou vídeo de alguém só será retirada da plataforma se a pessoa ou um representante legal solicitar a remoção. A conferir, na prática, como isso se dará. Via Twitter (em inglês).

* Até a publicação desta nota, a tradução para o português da política não havia sido atualizada. Leia a versão em inglês.

O site recebe uma comissão quando você clica nos links abaixo antes de fazer suas compras. Você não paga nada a mais por isso.

Nossas indicações literárias »

Manual do Usuário