Pessoa de sexo não identificado, com cabelo roxo e pele azul, segurando uma xícara de café com vários ícones em alusão ao Manual do Usuário na fumaça e um celular na outra mão. Embaixo, o texto: “Apoie o Manual pelo preço de um cafezinho”.
terça-feira, 17 de maio de 2022

Assinaturas na App Store poderão aumentar o preço uma vez por ano automaticamente

A Apple fez uma alteração no sistema de assinaturas de aplicativos da App Store. A partir de agora, desenvolvedores poderão aumentar os preços sem precisar da confirmação do assinante para manter a assinatura valendo.

Parece ruim, mas… não é tão ruim quanto parece?

Segundo a Apple, a renovação automática com aumento de preço só poderá ser feita uma vez por ano e não deverá exceder US$ 5 ou 50% do valor (ou US$ 50 ou 50%, no caso de assinaturas anuais). A prática, obviamente, deve ser legalmente permitida no país do assinante. Antes do aumento passar a valer, a Apple notificará o usuário via e-mail, notificação e com uma mensagem dentro do aplicativo. Também serão enviadas notificações ensinando o assinante a acessar, gerenciar e cancelar assinaturas.

Até agora, quando um aplicativo aumentava o preço da assinatura vigente, o assinante precisava confirmar (“opt-in”) o aumento, ou seja, a renovação de acontecer automaticamente. A Apple alega que esse sistema “levava alguns serviços a serem interrompidos sem que os usuários assim desejassem e eles tinham que refazer a assinatura”. Via Apple (em inglês).

Empresas chinesas de tecnologia estão saindo da Rússia na maciota por causa da invasão da Ucrânia

Segundo reportagem do Wall Street Journal, grandes companhias como Lenovo e Xiaomi estão interrompendo entregas para o mercado russo para não sofrerem as penalidades das sanções impostas pelos EUA contra Moscou.

A limitação dos negócios com a Rússia, no entanto, não é acompanhada por declarações que condenem a guerra, uma vez que Pequim se opõe abertamente às sanções estadunidenses.

As exportações chinesas de produtos de tecnologia para a Rússia caíram significativamente desde o início do conflito. Fornecedores estadunidenses estariam pressionando compradores chineses a obedecerem às sanções.

Vale notar que até agora Pequim ainda não usou a Lei Antissanções para advertir as empresas chinesas que estão seguindo as regras impostas pelos EUA.

Entretanto, outros laços comerciais entre China e Rússia se intensificaram nos últimos meses. Uma matéria da Reuters conta como os bancos russos estão contratando empresas chinesas capazes de fornecer chips para cartões bancários, os quais estão em falta na Rússia desde a imposição de sanções por EUA e União Europeia. Já o SCMP relata que as exportações russas de gás natural para a China aumentaram 60% nos primeiros quatro meses de 2022.

No meio do imbróglio diplomático enfrentado pela China desde a invasão russa da Ucrânia, a classe política do país asiático parece estar sofrendo consequências também. Segundo análise de Logan Wright para o The Wire China, tecnocratas e políticos estariam em rota de colisão sobre o que fazer com relação à guerra na Europa.


A Shūmiàn 书面 é uma plataforma independente, que publica notícias e análises de política, economia, relações exteriores e sociedade da China. Receba a newsletter semanal, sem custo.

Apple corrige dezenas de falhas no iOS 15.5 e macOS 12.4

A Apple liberou as versões finais do iOS/iPadOS 15.5 e do macOS 12.4. De novidades, pouca coisa: melhorias no problemático aplicativo Podcasts para o iOS/iPadOS e ajustes na webcam do Studio Display no macOS.

O mais importante dessas atualizações incrementais são os remendos. No iOS/iPadOS, são quase 30 correções; no macOS, mais de 50.

Parece até atualização do Windows nos anos 2000. É o preço que se paga pela popularidade? Ou está rolando um desleixo por parte da Apple? Via Apple, 9to5Mac (ambos em inglês).

segunda-feira, 16 de maio de 2022

Twitter suspende meio milhão de contas de spam por dia

Parag Agrawal, CEO do Twitter, foi à rede explicar como a empresa lida com perfis falsos/de spam. Praticamente uma indireta bem direta a Musk, que na sexta (13) suspendeu temporariamente a compra da empresa para averiguar a situação desse tipo de perfil.

A explicação de Agrawal (em inglês) é bem interessante e, dentro do que um fio no Twitter permite, detalhada. Chama a atenção o fato de que, todos os dias, o Twitter suspende mais de meio milhão de contas e bloqueia preventivamente outras tantas para verificar se são legítimas ou não.

Provando-se detentor de elevado nível de maturidade, Musk respondeu o CEO do Twitter com um emoji de cocozinho (“💩”). Em seguida, prosseguiu: “Então como os anunciantes sabem o que estão recebendo pelo seu dinheiro? Isso é fundamental para a saúde financeira do Twitter.” Via @paraga/Twitter, @elonmusk/Twitter (ambos em inglês).

YouTube vai expandir transcrições, legendas e capítulos automáticos em vídeos

O Google anunciou, durante o Google I/O, seu evento anual para desenvolvedores, algumas novidades para o YouTube com foco em acessibilidade.

O poder do DeepMind, a startup de inteligência artificial britânica que o Google comprou em 2014, será empregado para gerar mais transcrições, criação de capítulos e legendas traduzidas automaticamente.

O Google parece ter ouvido o pessoal que prefere tutorial em texto em vez de ter que ver vídeos de 10 minutos em que mais da metade é gasto com groselhas — “curta o canal, ative o sininho” etc. Via Android Central (em inglês).

🔗 Bolhas de tecnologia estão estourando em todos os lugares

Bolhas de tecnologia estão estourando em todos os lugares (em inglês), Na The Economist:

Um passatempo favorito no Vale do Silício, atrás apenas de inventar a próxima tendência, é detectar bolhas. Mesmo “insiders” da indústria tendem a dar opiniões espetacularmente erradas. “Você verá alguns unicórnios mortos este ano”, previu Bill Gurley, um conhecido capitalista de risco, em 2015, o ano em que a incubação dessas startups que valem mais de US$ 1 bilhão realmente disparou.

O jogo ficou muito mais fácil: o barulho de bolhas estourando pode ser ouvido em todos os lugares. Ações de tecnologia, ofertas iniciais públicas de ações (IPOs), empresas de cheques em branco (conhecidas como SPACs), “valuations” de startups e até criptomoedas: todos esses ativos que alcançaram altas estonteantes nos últimos anos estão voltando à terra. É difícil dizem quão barulhento será o estouro — e quais podem inflar novamente.

Brasil tem 1,5 milhão de entregadores e motoristas autônomos

Saíram os resultados de uma pesquisa do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) que analisou a situação de motoristas e entregadores que trabalhavam sem vínculo empregatício entre 2016 e o final de 2021.

Destacam-se a queda acentuada no número de motoristas de aplicativos e taxistas na pandemia (que começa a se recuperar) e o aumento dos entregadores de moto, também reflexo da crise sanitária causada pela covid-19.

Quanto à remuneração:

De todos os autônomos do setor de transporte, os motoristas de aplicativo e taxistas são os que têm a maior renda média: R$ 1,9 mil. O valor se refere ao fim de 2021 e está abaixo do recebido, em média, no 1º trimestre de 2016: R$ 2,7 mil.

Via Poder360.

Como deixar o YouTube menos viciante

Sites e aplicativos como o YouTube são projetados para nos manter o maior tempo possível neles. O que está em jogo ali é a nossa atenção, então é do jogo que o Google, a empresa dona do YouTube, empregue todos os artifícios possíveis para nos prender o maior tempo possível ali dentro — vendo vídeos e, claro, anúncios.

(Apenas a título de exemplo, em fevereiro de 2017 o YouTube comemorou a marca de 1 bilhão de horas gastas assistindo a vídeos por dia. A meta fora estipulada em 2014 e alcançada graças ao uso pesado de vídeos recomendados, incluindo extremistas e mentirosos.)

Apesar disso, o YouTube é basicamente o repositório de vídeos na internet. É possível usá-lo sem se deixar levar pelo canto da sereia, digo, do algoritmo? É sim! Essa é a dica da semana no Manual.

Continue lendo “Como deixar o YouTube menos viciante”

sábado, 14 de maio de 2022
sexta-feira, 13 de maio de 2022

Assaltos de celulares para limpar contas bancárias, com Fabio Assolini

No programa de hoje, Rodrigo Ghedin e Jacqueline Lafloufa recebem Fabio Assolini, analista sênior de segurança da Kaspersky no Brasil, para uma conversa que tomou o Brasil na última semana: os assaltos a celulares para limpar contas bancárias. Onde está o elo frágil dos sistemas de segurança do Android/iOS e dos bancos/fintechs? Android ou iOS, qual é mais seguro? E o que fazer, minimamente, para se proteger caso você se veja nessa situação? Ouça e descubra.

Continue lendo “Assaltos de celulares para limpar contas bancárias, com Fabio Assolini”

“Stablecoin” TerraUSD (UST) derrete após perder paridade com o dólar

A “stablecoin” TerraUSD (ou UST), que supostamente acompanhava o valor do dólar e estava condicionada à criptomoeda Luna, derreteu e não vale mais nada. Na quinta (12), por volta das 23h (horário de Brasília), a blockchain da UST parou de funcionar pela segunda vez em menos de 24 horas.

A ideia de uma stablecoin, ou moeda estável, é manter a paridade com o dólar. No caso da UST, isso era garantido por um “smart contract” na blockchain que ajustava automaticamente o valor da moeda de acordo com as negociações entre ela e a Luna, a outra moeda do mesmo grupo empresarial, Terraform Labs, fundado e controlado pelo sul-coreano Do Kwon. O valor da Luna flutuava, mas o da UST era sempre mantido em US$ 1.

A coisa saiu de controle dentro das regras da blockchain. Faltou combinar com os investidores. Resumidamente, acabou a confiança da maior parte deles, o que levou a UST a entrar em uma “espiral da morte”, um círculo vicioso financeiro que a transformou em pó digital. Matt Levine, colunista da Bloomberg, explica didaticamente (em inglês).

Na Coreia do Sul, Kwon pediu proteção da polícia depois que investidores frustrados com o prejuízo começaram a rondar sua casa.

Agora pela manhã (13), a Terraform Labs informou que a blockchain voltou a operar com algumas mudanças para tentar a UST.

Outras “stablecoins” sentiram o baque e também perderam a paridade com o dólar, à exceção das duas maiores, tether e USDC. Até quando? Ninguém sabe. Via @terra_money/Twitter (2), Bloomberg, Coindesk (todos em inglês); mt.co.kr (em coreano).

O que chamou a atenção no Google I/O 2022

Em software:

Em hardware:

Musk “suspende temporariamente” compra do Twitter para verificar presença de robôs na plataforma

Elon Musk “suspendeu temporariamente” o acordo de compra do Twitter para, aparentemente, verificar a incidência de contas de spam/falsas na plataforma. No aviso, publicado no Twitter, Musk se referiu a uma notícia da Reuters de 2 de maio em que o Twitter afirma ter menos de 5% de contas de spam/robôs.

Apesar da manifestação de surpresa de Musk, analistas apontam que esse percentual já era conhecido do mercado e que Musk provavelmente o conhecia.

Há quem diga que o argumento das contas falsas pode estar sendo usado por Musk para melar o negócio ou conseguir um desconto no valor de US$44 bilhões que prometeu pagar pelo Twitter. Caso desista do negócio, ele teria que pagar uma multa de US$ 1 bilhão.

O efeito nas bolsas foi imediato. O papel do Twitter desabou quase 20% no pré-mercado (as negociações antes de o balcão da Nasdaq abrir).

Já as ações da Tesla, que vêm sofrendo com o próprio negócio envolvendo Musk e o Twitter somado à queda generalizada dos papéis de tecnologia nos EUA, subiam ~6%. Via @elonmusk/Twitter, Reuters (2), New York Times (todos em inglês).

Compre dos parceiros do Manual:

Manual do Usuário