Fundo azul, com uma chamada para um PlayStation 5 no centro. À esquerda, a frase “Ofertas de verdade, lojas seguras e os melhores preços da internet.” À direita, “Baixe o app do Promobit”.

Firefox torna Proteção Total de Cookies padrão no mundo todo

A partir desta terça (14), a Proteção Total de Cookies do Firefox passa a vir ativada por padrão no mundo inteiro. O recurso, lançado de maneira limitada no Firefox 86, em fevereiro de 2021, confina cookies de terceiros ao domínio/site que o carregou, impedindo que esses dados sejam cruzados para rastrear o usuário em suas andanças pela web.

Com a Proteção Total de Cookies, diz a Mozilla, “as pessoas podem se beneficiar de mais privacidade e ter as ótimas experiências de navegação que elas esperam”. Via Mozilla (em inglês).

iPhone de botão

Eu adoro o meme do iPhone de botão. Ele brinca com a ideia de que os modelos de iPhone com o design antigo, com o botão Home/Touch ID, seriam hoje sinal de pobreza — o oposto do que o iPhone, bem ou mal, ainda representa para muita gente.

Adoro o botão e irei defendê-lo, mas sempre esboço um sorriso (com respeito) quando topo com uma piada de iPhone de botão por aí. Via Terra, Núcleo.

WordPress 6.0 “Arturo”

O WordPress 6.0 “Arturo”, ambiciosa atualização do CMS que move 42% da web, foi lançada oficialmente. Sem surpresa, o foco dos desenvolvedores continua nos blocos. Esta versão expande os blocos para a edição completa do site, aproximando o WordPress de soluções como Squarespace e Wix.

Para quem segue ignorando os blocos, ainda assim é uma atualização é importante: há muitas melhorias em desempenho, mais de 50 ajustes em acessibilidade e centenas de correções.

Por que alguém ignoraria os blocos? Entre outros motivos, porque a experiência para quem escreve, ou seja, para blogs e publicações como o Manual do Usuário, é melhor com o editor clássico. Vide, por exemplo, este destaque da versão 6.0: seleção parcial de múltiplos parágrafos, algo básico em qualquer editor de texto, coisa que o Bloco de notas faz desde 1900 e bolinha:

Veja todas as novidades no link ao lado. Via WordPress (em inglês).

Ghost 5.0

O Ghost 5.0 foi lançado nesta segunda (23). Trata-se de um publicador para a web (CMS) focado em sites profissionais.

As novidades da nova versão são aperfeiçoamentos, na realidade: planos pagos personalizáveis, múltiplas newsletters, ofertas especiais, segmentação detalhada da audiência e analytics expandido.

O Manual do Usuário usa WordPress, que nos últimos anos tem expandido sua área de abrangência e deixado meio de lado os usuários interessados no formato blog/texto.

A proposta do Ghost, que segue independente, sem investidores externos e abrindo todo o seu código, é atraente e parece que está funcionando: a receita gerada por gente usando o Ghost quase quintuplicou em 2021. Via Ghost (em inglês).

O futuro da web é texto de marketing criado por algoritmos

O futuro da web é texto de marketing criado por algoritmos (em inglês), por Tom Simonite na Wired:

A Jasper também pode gerar conteúdo ideal para anúncios no Facebook, e-mails de marketing e descrições de produtos. Ela faz parte de um grupo de startups que adaptaram uma tecnologia de geração de texto conhecida como GPT-3, da empresa de inteligência artificial OpenAI, para satisfazer uma das demandas mais antigas da internet — criar texto de marketing que gere cliques e apareça na primeira página do Google.

A criação de textos de marketing provou-se um dos primeiros casos de uso em larga escala da tecnologia de geração de textos, que deu um salto em 2020 quando a OpenAI anunciou a versão comercial do GPT-3. Só a Jasper afirma ter mais de 55 mil assinantes pagantes, e a OpenAI diz que um concorrente tem mais de 1 milhão de usuários. A Wired contou 14 empresas que oferecem abertamente ferramentas de marketing que podem gerar conteúdos como posts em blogs, manchetes e comunicados de imprensa usando a tecnologia da OpenAI. Seus usuários falam da escrita potencializada pelo algoritmo como se ela fosse se tornar tão ubíqua quanto a verificação ortográfica automática.

“Sou um péssimo escritor e isso facilita muito criar conteúdos relevantes para o Google”, diz Chris Chen, fundador da Instapainting, que usa uma rede de artistas para transformar fotografias em pinturas de baixo custo.

Brave e DuckDuckGo bloquearão páginas no formato AMP do Google

Parece que todo mundo resolveu virar as costas ao AMP, o cavalo de Troia do Google para dominar a web. Brave e DuckDuckGo anunciaram que vão bloquear páginas AMP e redirecionar os usuários às versões convencionais dos sites que ainda usam a tecnologia.

É uma boa medida, ainda que tardia. O próprio Google meio que desistiu do AMP no final de 2020, quando o formato deixou de ser condição para um site ter destaque nos resultados do buscador. Desde então, várias grandes publicações abandonaram o barco.

Para quem usa Firefox ou Safari, existem extensões para ignorar as páginas AMP — Redirect AMP to HTML (gratuito) para o Firefox, e Amplosion (R$ 16,90) e Overamped (R$ 10,90) para o Safari. Se você usa Chrome, deveria considerar outro navegador. Via WP Tavern (em inglês).

Sumiço de sites piratas está relacionado a falha em recurso da pesquisa, diz CEO do DuckDuckGo

O fundador e CEO do DuckDuckGo, Gabriel Weinberg, foi ao Twitter desmentir relatos — repercutidos neste Manual — de que o buscador estaria suprimindo sites de pirataria e do youtube-dl do seu índice.

Segundo Gabriel, “nosso operador site: (que quase ninguém usa) está com problemas, e estamos cuidando disso”.

O operador site: restringe os resultados da pesquisa a um domínio. Se você pesquisar por site:manualdousuario.net duckduckgo, por exemplo, verá apenas resultados relacionados ao termo “duckduckgo” no site manualdousuario.net.

No momento, a busca acima não retorna resultados, sinal de que o operador está mesmo quebrado. Via @yegg/Twitter (em inglês).

DuckDuckGo remove sites piratas e o do youtube-dl de seu índice

Atualização (17/4, às 9h15): O CEO do DuckDuckGo foi ao Twitter explicar o problema. Veja o que ele disse.

Ainda não se sabe o motivo, mas o DuckDuckGo removeu do seu índice diversos sites de pirataria e o site oficial do youtube-dl, um popular aplicativo de linha de comando para baixar conteúdo do YouTube.

O TorrentFreak, que deu a notícia em primeira mão, cogita que tais remoções possam estar relacionadas a direitos autorais — mesmo no caso do youtube-dl, que não é, em essência, uma ferramenta destinada à pirataria. Eles tentaram contato com o DuckDuckGo, mas não tiveram resposta até o momento.

Tal prática é comum em buscadores, mas costuma ser motivada. O Google, por exemplo, remove sites de seu índice a pedido da Justiça e, quase sempre, de modo regionalizado. As remoções do DuckDuckGo afetam o mundo todo e não foram justificadas até o momento. Via TorrentFreak (em inglês).

Automattic reverte algumas pioras no plano gratuito do WordPress.com

A Automattic, dona do WordPress.com, entrou em modo de contenção de danos e promoveu alterações no novo plano gratuito, um dos dois remanescentes da nova estrutura simplificada de planos do serviço:

  • O espaço de armazenamento subiu, de 500 MB para 1 GB;
  • O teto para acessos, de 10 mil/mês para o gratuito e de 100 mil/mês no Pro, foi abolido.

Um post/anúncio da nova estrutura de planos foi publicado só nesta terça (5), depois da péssima repercussão da notícia nos últimos dias.

A Automattic manteve, porém, um único plano pago (“WordPress Pro”), de R$ 75/mês, e que só pode ser pago anualmente, o que se traduz numa fatura de R$ 900. Via WordPress.com (em inglês).

WordPress.com muda estrutura de planos, impõe restrições ao gratuito e cobra caro no único pago

O WordPress.com da Automattic, braço comercial do WordPress, CMS de código aberto muito popular (e que faz funcionar este Manual do Usuário), simplificou a estrutura de planos pagos e deixou muita gente emparedada, como Anders Norén, que chamou a atenção para o problema em seu blog.

Antes, o WordPress.com oferecia cinco planos com preços e recursos variados. Agora, numa mudança abrupta e não comunicada previamente, tem apenas dois, o gratuito e o WordPress Pro (pago).

Problema: o preço do plano Pro é maior que o dos planos mais básicos, e o gratuito sofreu cortes significativos:

  • O espaço de armazenamento caiu de 3 GB para 500 MB; e
  • Foi imposto um teto para acessos mensais, de 10 mil visitas. (O plano Pro também tem um teto, de 100 mil visitas/mês.)

No Brasil, o plano Pro custa R$ 75 por mês e, o que é pior, é pago anualmente, o que significa que alguém interessado nos recursos precisa desembolsar R$ 900 de uma vez só. Pior ainda:

Dave Martin, CEO do WordPress.com, desculpou-se no Hacker News pelo que chamou de “péssimo trabalho” ao comunicar as mudanças.

Dave prometeu que usuários em planos não antigos não serão afetados pela mudança; que a Automattic tem por hábito ajustar preços por país, para que os valores sejam acessíveis dependendo do local; e que em breve o serviço terá “add-ons” pagos para recursos específicos, como mais espaço ou mais tráfego.

Mesmo com as promessas, fica um gostinho de retrocesso. Via Root Privilegies, Hacker News (ambos em inglês).

O futuro que nos prometeram no SXSW 2022

Nesta semana, debatemos as tendências e promessas de futuro apresentadas no South by Southwest, evento anual de tecnologia, música e cultura que acontece em Austin, no Texas, Estados Unidos, e que a Jacqueline Lafloufa cobriu remotamente. Os assuntos mais quentes da edição 2022, a primeira com a presença de público desde 2019, já estão na […]

Compre dos parceiros do Manual:

Manual do Usuário