Fundo azul, com uma chamada para um PlayStation 5 no centro. À esquerda, a frase “Ofertas de verdade, lojas seguras e os melhores preços da internet.” À direita, “Baixe o app do Promobit”.

Elon Musk quer o Twitter

Deve ser monótona a vida da pessoa mais rica do mundo. O que fazer quando se pode fazer tudo? Serve de indício a que leva Elon Musk, o empresário sul-africano radicado nos Estados Unidos que ocupa o posto no momento, com uma fortuna estimada pela revista Forbes em US$ 260 bilhões (~R$ 1 trilhão).

Elon Musk quer comprar o Twitter por US$ 43 bilhões

O empresário Elon Musk fez uma proposta de aquisição hostil da totalidade das ações do Twitter por US$ 54,20/ação, um negócio de US$ 43 bilhões.

O valor representa um prêmio de 54% sobre o preço das ações da empresa no dia 28 de janeiro, véspera da primeira compra de ações feita por ele.

Após o anúncio, as ações do Twitter sobem 11% no pré-mercado.

Em documento enviado à Securities and Exchange Commission (SEC, espécie de CVM dos Estados Unidos), Musk disse que o Twitter “não irá prosperar nem servir ao imperativo social [da liberdade de expressão] em sua forma atual. O Twitter precisa ser transformado como uma empresa privada”.

E deu um ultimato: “Se o negócio [aquisição] não funcionar, visto que não tenho confiança na diretoria nem acredito que consiga fazer as mudanças necessárias no mercado aberto, precisaria reconsiderar minha posição como acionista.”

“O Twitter tem um potencial extraordinário. Eu o liberarei”, finalizou Musk. Via SEC, Bloomberg (ambos em inglês).

Musk, Thiel, Andreessen e a “current thing”

Musk, Thiel, Andreessen e a “current thing” (em inglês), por Brad Stone na Bloomberg:

Quinta-feira passada, em uma conferência de criptomoedas em Miami, Peter Thiel disparou contra os inimigos percebidos do bitcoin. Em um discurso sinuoso, chamou Warren Buffett de “vovô sociopata de Omaha” e apelidou os CEOs do JPMorgan Chase, Jamie Dimon, e da BlackRock, Larry Fink, de “gerontocracia financeira” que reprime a ascensão de jovens cripto-inflamados. Ele também se opôs ao ESG — a lógica de investir com base em critérios socialmente conscientes como impacto ambiental, justiça social e boa governança.

[…]

Nas últimas duas semanas, [Marc Andreessen,] o co-fundador da Netscape e da empresa de capital de risco Andreessen Horowitz, postou surpreendentes 350 vezes ou mais no Twitter. Os posts são enquadrados principalmente em termos elípticos, mas condenatórios, que se referem à “the current thing”, um meme popular entre os membros da direita extremamente virtual.

[…]

O que se passa? Aqui estão três tecnólogos de alto nível, exorbitantemente ricos, que parecem buscar uma satisfação da meia-idade no shitposting — o ato de escrever “comentários deliberadamente provocativos ou fora do assunto nas redes sociais, geralmente para perturbar os demais ou divergir do debate principal”, segundo o dicionário Oxford.

Elon Musk desiste de assento no conselho do Twitter

O empresário Elon Musk não terá mais um assento no conselho de administração do Twitter. A notícia foi dada por Parag Agrawal, CEO da empresa, na madrugada desta segunda (11).

A desistência teria ocorrido a pedido do próprio Musk.

Musk foi apontado para o conselho no início da semana (5), um dia depois de comunicar ao mercado que havia comprado 9,2% das ações do Twitter, tornando-se seu maior acionista.

O assento no conselho de administração impunha um teto ao total de ações com direito a voto que Musk poderia ter, de 14,9%, o que impediria Musk de tentar controlar a empresa. Fora do conselho, Musk pode comprar quantas ações quiser. E dinheiro é algo que não falta à pessoa mais rica do planeta. Vi TechCrunch, @paraga/Twitter (ambos em inglês).

Twitter está testando edição de posts

O Twitter está testando edição de posts. De todas as redes sociais populares, o Twitter é uma das poucas que não têm o recurso que, a bem da verdade, não é tão simples quanto parece — é preciso cuidado para mitigar tentativas de manipulação, como alterar um post de grande alcance com conteúdo totalmente diferente do original.

Chama a atenção a edição de posts estar dentro do Twitter Blue, a assinatura paga do Twitter. Desconheço outro canto da internet em que a edição do seu próprio conteúdo está condicionada a um pagamento. Via @TwitterComms/Twitter (em inglês).

Elon Musk é indicado ao conselho de administração do Twitter

Um dia depois de anunciar ter comprado 9,2% do Twitter, o empresário Elon Musk foi indicado como novo membro do conselho da empresa. Essa foi rápida.

O lado mais ou menos positivo é que, enquanto estiver no conselho, Musk só pode possuir até 14,9% das ações com direito a voto da empresa, o que impossibilita uma aquisição hostil, algo que se especulava desde ontem.

Parag Agrawal, CEO do Twitter, se disse empolgado com o novo conselheiro. “Pelas conversas com Elon nas últimas semanas, ficou claro que ele traria muito valor ao nosso Conselho”, escreveu no Twitter. Já Musk disse que espera, ao lado do CEO e do restante do conselho, “fazer melhorias significativas no Twitter nos próximos meses”.

Segundo fontes da Reuters, Musk procurou Parag e Jack Dorsey, o co-fundador arrependido, logo após comprar as ações, em 14 de março, com o pedido explícito de um assento no conselho de administração. Via Reuters, @paraga/Twitter, @elonmusk/Twitter (todos em inglês).

Twitter detalha iniciativas para as eleições brasileiras de 2022

Exemplo de post no Twitter de um candidato a presidente do Brasil, com um rótulo embaixo do nome indicando o cargo a que ele concorre.
Imagem: Twitter/Divulgação.

O Twitter detalhou as iniciativas para as eleições deste ano no Brasil. Candidatos terão rótulos identificando-os (como na imagem acima), haverá uma aba específica para o pleito na seção “Explorar” e a política de integridade cívica passará a valer no país.

O foco dessa última iniciativa, diz o Twitter, está em “prevenir informações enganosas que possam prejudicar o andamento, a participação popular e a consumação do processo eleitoral democrático”, e que ela “não prevê atuação sobre todo tipo de conteúdo político, incluindo declarações enganosas, imprecisas ou polarizadas sobre candidatos e partidos”. Via Blog do Twitter.

o tempo da usenet, irc, da web…mesmo do e-mail (c/ PGP)…era fantástico. centralizar a descoberta e a identidade em empresas danificou de verdade a internet. Entendo que parte da culpa é minha, e me arrependo.

— Jack Dorsey, ex-CEO e co-fundador do Twitter. Livrar-se do comando do Twitter deixou Jack Dorsey mais confortável em tecer críticas à sua criação. Será que ele já ouviu a palavra do Mastodon? Via @jack/Twitter (em inglês).

Elon Musk compra 9,2% do Twitter

Elon Musk, a pessoa mais rica do mundo, adquiriu 73,5 milhões de ações do Twitter e agora é dono de 9,2% da empresa. A aquisição foi feita no dia 14 de março e divulgada pela SEC nesta segunda (4.abr).

As ações do Twitter na Nasdaq subiam 26% no pré-mercado após o anúncio da compra de Musk.

O Twitter é a rede social preferida do executivo, onde ele vocifera várias das suas maluquices e provocações. O uso da rede já lhe custou um puxão de orelha da SEC em 2018, quando ele postou que pensava em fechar o capital da Tesla e causou tumulto no mercado.

Nas últimas semanas, Musk vem questionando o compromisso do Twitter com a “liberdade de expressão”. Ele havia manifestado interesse em ter sua própria empresa de mídia, mas, pelo visto, optou pelo caminho mais curto — comprar uma. Via Valor, G1.

Twitter reverte mudança que impedia usuários de terem a timeline cronológica como padrão

O Twitter reverteu uma mudança no aplicativo para iOS liberada na última sexta (11) que tirou o poder do usuário de definir a cronológica como padrão.

“Nós ouvimos vocês”, disse a empresa ao anunciar a reversão nesta segunda (14). Com isso, o aplicativo para iOS volta a se comportar como antes, podendo ter a versão cronológica como padrão no lugar da algorítmica — basta tocar no ícone do brilho (✨) e escolhê-la —, e os do Android e web não serão afetados.

Isso não significa, porém, que o Twitter desistiu de mexer na experiência da timeline. Na mesma mensagem, a empresa disse que segue “explorando outras opções”. Via @TwitterSupport/Twitter (em inglês).

Twitter dificulta a vida de quem prefere a timeline cronológica

O Twitter alterou o funcionamento da tela inicial do seu app para iOS, tornando impossível definir a timeline cronológica como padrão. Agora, o botão das estrelinhas (✨) ativa uma nova aba de “Últimos posts” (cronológica), que fica ao lado da “Home” (algorítmica), que continua sendo a padrão. Antes, o botão alternava entre elas e mantinha a seleção do usuário. A novidade chegará em breve ao Android e web.

Para quem prefere a timeline cronológica (e/ou manter a sanidade), aplicativos de terceiros são uma boa alternativa, como o TweetDeck(web/computadores), Tweetbot (iOS), Harpy e Fenix 2 (Android). Via @TwitterSupport/Twitter (em inglês).

Facebook/Meta, Google, Mercado Livre e Twitter manifestam preocupação com PL das fake news

Facebook/Meta, Google, Mercado Livre e Twitter divulgaram, nesta quarta (24), uma carta aberta criticando o projeto de lei 2630/2020, o chamado PL das Fake News. No texto, as quatro empresas dizem que o PL deixou de tratar de fake news e que “passou a representar uma potencial ameaça para a Internet livre, democrática e aberta que conhecemos hoje”.

O PL das fake news deve ser votado em breve na Câmara dos Deputados, no que depender da vontade do presidente da casa, Arthur Lira (PP-AL). No dia 15 de fevereiro, ele afirmou que o Plenário poderá votar o requerimento de urgência a qualquer momento. Via G1, Propmark, Câmara dos Deputados/YouTube.

Twitter erra e suspende perfis que compartilham vídeos da Ucrânia

O Twitter suspendeu diversos perfis de pesquisadores que compartilham imagens e vídeos das regiões de Donbas e Luhansk, na Ucrânia, ambas centrais na guerra que o presidente russo Vladimir Putin começou nesta quinta (24). Esse tipo de perfil é conhecido como OSINT (de “open source intelligence”) e acaba sendo útil a outros pesquisadores e jornalistas.

Em nota ao site The Verge, o Twitter afirmou que as suspensões decorreram de erro (sem especificar qual) e negou tratar-se de uma campanha coordenada de robôs russos, que teriam denunciado os perfis por violação aos termos de uso da rede disparando respostas automáticas do sistema de moderação. Esta hipótese aventada pelos prejudicados.

Apesar da justificativa oficial, o evento causou estranhamento — por pior que sejam as ferramentas automatizadas do Twitter, falhas do tipo, nessa escala, são incomuns.

No Brasil, o perfil do Sleeping Giants também foi suspenso por uma hora nesta quarta (23.fev), logo após o lançamento da #YouTubeApoiaFakeNews, campanha que bota mais pressão contra a postura permissiva do YouTube com conteúdo que viola seus termos de uso. Via The Verge, @tatikmd/Twitter.

Contas de robôs agora podem ser identificadas como tais no Twitter

O Twitter liberou a marcação de contas automatizadas, mantidas por robôs, para todos os usuários. Perfis que publicam de maneira autônoma que forem marcadas como tais exibirão um selo indicativo. A identificação é opcional e foca nos robôs benignos, aqueles que não tentam se passar por seres humanos para tumultuar o debate público.

O Twitter espera que o selo ajude os usuários a tomarem decisões melhores a respeito de quem seguir e, em consequência, aumentar a transparência e confiança da plataforma. Via @TwitterSafety/Twitter, Engadget (ambos em inglês).

Compre dos parceiros do Manual:

Manual do Usuário