Vídeos de unha encravada no TikTok, curso de Threads e Tumblr sem gente pelada

Neste podcast eu falei do experimento de redes sociais que estou fazendo no Manual, de vídeos de unhas encravadas no TikTok, do curso de Threads e do futuro do Tumblr.

Desde o √ļltimo epis√≥dio, quatro leitores/ouvintes assinaram o projeto: Ricardo Zanlorenzi, Marco Soledade Jr., Xen√≥crates Amon Mello e Caio Henrique. Obrigado!

Quer assinar também? Nesta página tem os planos, benefícios e valores.

O futuro do Tumblr

A Automattic quer tornar o Tumblr relevante outra vez. Para isso, a empresa anunciou um plano ambicioso ‚ÄĒ ainda que meio abstrato ‚ÄĒ para atrair criadores de conte√ļdo e tornar a plataforma mais f√°cil de usar.

Se conseguir, ser√° a primeira reviravolta do tipo. Nenhuma plataforma decadente que j√° tentou um retorno ‚ÄĒ Flickr, MySpace, Fotolog ‚ÄĒ alcan√ßou √™xito.

O primeiro desafio foi fazer-se entender. Usuários acharam que parte do plano era transformar o feed cronológico em algoritmo. A direção fez uma live de perguntas e respostas para afirmar que o cronológico sempre será uma opção.

A compra do Tumblr pela Automattic em 2019, por US$ 3 milh√Ķes, foi uma b√™n√ß√£o √† plataforma. Os novos donos reverteram o banimento a pornografia dos tempos de Yahoo, medida √† √©poca tomada para adequar o Tumblr √† publicidade, mas que, para muita gente, foi sua senten√ßa de morte.

Al√©m do trabalho, recolocar o Tumblr em forma n√£o √© barato. A sangria √© de US$ 30 milh√Ķes por ano, ou dez vezes o valor que pagou pela plataforma, segundo Matt Mullenweg, CEO da Automattic.

O Tumblr √© meio blog, meio rede social, com duas partes dissociadas (o painel/app e o leiaute para a web) e uma cultura pr√≥pria, esquisita, ca√≥tica e dif√≠cil de penetrar. S√£o caracter√≠sticas √ļnicas entre as grandes plataformas sociais comerciais, o que diz muito do seu apelo restrito e dificuldades de se pagar.

Ah, eu/o Manual estou lá. Se você ainda usa o Tumblr, vamos ser amigos.

Medium, Flipboard e até Meta se aventuram no Mastodon/fediverso.

O Medium abriu sua inst√Ęncia ao p√ļblico, me.dm. O ingresso √© um benef√≠cio da assinatura do pr√≥prio Medium, de US$ 5/m√™s.

Dias atr√°s, o Flipboard abra√ßou o Mastodon: deu suporte √† integra√ß√£o com a rede descentralizada em seu aplicativo e lan√ßou uma inst√Ęncia pr√≥pria.

O Manual tem uma revista no Flipboard.

Antes deles, o navegador Vivaldi havia lan√ßado uma inst√Ęncia pr√≥pria, aberta a todos os usu√°rios cadastrados.

Nesta quinta (9), a Meta, do Facebook, Instagram e WhatsApp, confirmou estar trabalhando em uma nova rede social baseada em posts de texto, codinome P92, e compat√≠vel com o ActivityPub ‚ÄĒ o protocolo por tr√°s do Mastodon.

E ainda tem o Bluesky, gestado dentro do Twitter, que usa outro protocolo, mas a mesma abordagem do ActivityPub/Mastodon. E Flickr e Tumblr, que prometeram compatibilidade com o ActivityPub em algum momento futuro. A Mozilla, do Firefox, tamb√©m vai lan√ßar sua inst√Ęncia pr√≥pria.

O cenário é promissor para redes sociais descentralizadas. Só é preciso cuidado para que nenhuma dessas empresas, em especial a Meta, se torne dominante num espaço que é, por definição, plural. Via Medium, Flipboard, Platformer (todos em inglês).

Tumblr será compatível com protocolo Mastodon, promete CEO.

Como quem não quer nada, em uma resposta no Twitter, Matt Mullenweg, CEO da Automattic, prometeu que o Tumblr ganhará suporte ao protocolo ActivityPub, o mesmo usado pelo Mastodon e que lhe garante descentralização e federação.

Isso √© muito promissor. Embora seja uma rede social pequena para os padr√Ķes comerciais, o Tumblr √© maior que qualquer inst√Ęncia e a Automattic, que comprou o que sobrou do Tumblr com um troco de pinga em 2021, tem grana, pessoal e expertise para aproveitar o momento.

O Tumblr pode se tornar a principal porta de entrada para quem deseja conhecer o fediverso, mas se frustrou com a experi√™ncia complicada de escolher (ou mesmo saber o que √©) uma inst√Ęncia do Mastodon. N√£o h√° prazo para essa novidade ser implementada, mas Mullenweg disse que ser√° ‚Äúo quanto antes‚ÄĚ. Via @photomatt/Twitter (em ingl√™s).

O plano do Tumblr para deixar de ser puritano ‚ÄĒ sem irritar a Apple.

O Tumblr¬†anunciou uma mudan√ßa no sistema de classifica√ß√£o de posts para devolver o conte√ļdo adulto √† sua comunidade de usu√°rios.

Matt Mullenweg, CEO da Automattic, empresa que adquiriu o Tumblr em 2019, anunciou que criadores de conte√ļdo e usu√°rios/leitores agora podem classificar posts como¬†‚Äúv√≠cio em drogas e √°lcool‚ÄĚ, ‚Äúviol√™ncia‚ÄĚ ou ‚Äútem√°ticas sexuais‚ÄĚ.

O sistema de classifica√ß√£o √© chamado de ‚Äúr√≥tulos da comunidade‚ÄĚ e, segundo Mullenweg, √© um primeiro passo no sentido de tornar as diretrizes de uso do Tumblr ‚Äúmais abertas e compreens√≠veis‚ÄĚ ‚ÄĒ em outras palavras, viabilizar conte√ļdo sens√≠vel sem irritar a Apple.

O Tumblr surgiu em 2007 com diretrizes bem folgadas, o que atraiu √† plataforma criadores de conte√ļdo mais‚Ķ digamos‚Ķ quente. Ou pornogr√°fico, para sermos diretos.

N√£o √© √† toa que as redes sociais comerciais evitam pornografia. O CEO da Automattic listou as dores de cabe√ßa que esse tipo de conte√ļdo atrai, desde dificuldades em processar pagamentos por cart√£o de cr√©dito at√© a necessidade de que o conte√ļdo publicado n√£o seja produto de abusos.

Mullenweg tamb√©m citou o puritanismo da Apple. Em 2018, quando o Tumblr pertencia √† Verizon, a Apple suspendeu o aplicativo da App Store alegando a presen√ßa de conte√ļdo irregular, segundo suas diretrizes.

A pol√≠tica de toler√Ęncia zero com pornografia foi baixada pela Verizon como um rem√©dio para restabelecer a presen√ßa do aplicativo do Tumblr no iPhone.

Os r√≥tulos da comunidade e outras melhorias nesse sentido que est√£o sendo implementadas n√£o visam restabelecer a ‚Äúterra sem lei‚ÄĚ que o Tumblr costumava ser.

Para Mullenweg, a ‚Äúera amig√°vel ao porn√ī dos prim√≥rdios da internet √© imposs√≠vel hoje‚ÄĚ. Ele espera, por√©m, reconquistar artistas e usu√°rios que exploram temas ligeiramente mais sens√≠veis que abandonaram o Tumblr em 2018. Via @photomatt/Tumblr (em ingl√™s).

Parado no tempo, Tumblr vira destino da nova geração desiludida com outras redes sociais

No final da década de 2000, o Tumblr desfrutava de um status similar ao que o TikTok tem hoje (ainda que numa escala exponencialmente menor): era o destino virtual descolado onde os jovens se encontravam.

O Tumblr deu o azar de ser comprado pelo Yahoo por US$ 1,1 bilh√£o em 2013, empresa que era uma esp√©cie de abatedouro de servi√ßos digitais promissores (Flickr e Delicious foram outros obliterados ap√≥s serem adquiridos). L√°, caiu no ostracismo e perdeu um dos seus trunfos, a permissividade com conte√ļdo pornogr√°fico leve, numa tentativa frustrada de atrair anunciantes e aquiescer ao moralismo da Apple na App Store.

Ap√≥s idas e vindas, o Tumblr acabou no colo da Automattic, o bra√ßo comercial dos criadores do WordPress. Foi comprado em agosto de 2019 por menos de US$ 3 milh√Ķes, uma desvaloriza√ß√£o 99,7% em rela√ß√£o ao valor pago pelo Yahoo seis anos antes.

Curiosamente, o fato de o Tumblr ter ‚Äúparado no tempo‚ÄĚ o torna atraente hoje, segundo esta mat√©ria de Kyle Chayka na New Yorker. De acordo com Jeff D‚ÄôOnofrio, CEO do Tumblr, 48% dos usu√°rios ativos e 61% dos novos usu√°rios s√£o da faixa et√°ria que os norte-americanos classificam como gera√ß√£o Z, ou seja, gente jovem, o fil√© mignon da publicidade. O que os atrai, aparentemente, s√£o linhas do tempo cronol√≥gicas e livres do conte√ļdo incendi√°rio e opressivo ‚Äúgood vibes‚ÄĚ que domina as outras mais populares.

Aos n√£o iniciados, o Tumblr √© uma esp√©cie de blog misturado com rede social. Tem uma face p√ļblica com visual de blog, mas permite que os usu√°rios sigam uns aos outros, curtam e repostem o conte√ļdo, tudo isso por um painel/feed que tem cara de rede social. A din√Ęmica de postagem √© mais livre que em lugares como o Twitter ‚ÄĒ o Tumblr oferece seis formatos de posts, por exemplo. O servi√ßo √© gratuito.