TikTok paga menos de um salário para brasileiros transcreverem vídeos

Algumas estimativas dão conta de que até 75% dos usuários do TikTok acessam o aplicativo sem som, o que pode ser um problema para um de vídeos. A ByteDance, dona do TikTok, contornou esse obstáculo oferecendo legendas automáticas – ou assim se pensava.

Reportagem do The Intercept Brasil publicada neste domingo (3) revelou que as legendas dos vídeos em português brasileiro são feitas por um exército de trabalhadores precarizados, contratados por empresas subcontradas pela ByteDance. Recrutadores gerenciam os trabalhadores em grupos de WhatsApp, exercendo pressão para que eles aumentem a produção.

Havia a promessa de pagar até US$ 14 por hora trabalhada, mas apenas aos trabalhadores que alcançcassem uma meta diária que, realisticamente, exigiria que eles se dedicassem 20 horas por dia. Na prática, ganhavam menos de meio salário mínimo.

Não é a primeira, nem a segunda – e provavelmente não será a última vez – em que “inteligência artificial” é usado como eufemismo para trabalho precarizado. Via The Intercept Brasil.

Foi a coisa mais estranha em que já trabalhei.

— Satya Nadella, CEO da Microsoft Na Code Conference, nos Estados Unidos, Satya comentou a ocasião em que a Microsoft quase comprou a operação norte-americana do TikTok para satisfazer os caprichos do então presidente Donald Trump, em agosto de 2020. Via GeekWire (em inglês).

TikTok alcança 1 bilhão de usuários

Nesta segunda (27), o TikTok anunciou ter alcançado a marca de 1 bilhão de usuários ativos mensais (MAUs, na sigla em inglês; a métrica é padrão para mensurar usuários em redes sociais).

É o primeiro aplicativo criado por outra empresa que não Facebook e Google a atingir essa marca. E dos mais rápidos: levou apenas 5 anos.

Para contexto, o Facebook demorou 8 anos para chegar a 1 bilhão de usuários. Foi em 2012 e, de lá para cá, a empresa de Mark Zuckerberg mais que dobrou esse número. Via TikTok (em inglês).

Versão chinesa do TikTok limita uso por crianças a 40 minutos diários

Na China, a ByteDance, dona do TikTok, estabeleceu limites severos de tempo de uso para usuários com menos de 14 anos do Douyin, versão chinesa do TikTok. As crianças de lá só poderão usar a rede social 40 minutos por dia, entre 6h e 22h.

A China está em uma cruzada contra o vício infantil em celulares e internet. Desde 2019, uma diretriz governamental limita o tempo diário que menores de 18 anos podem passar jogando video game.

Em agosto de 2021, a janela de permissão foi revista e agora os chineses menores de idade só podem jogar entre as 20h e 21h das sextas-feiras, fins de semana e feriados.

O problema, com video games e com o Douyin, é como garantir a aplicabilidade das restrições. Se para nós, adultos, não é difícil imaginar formas de burlá-las, imagine para os inventivos adolescentes? Via South China Morning Post (em inglês).

Caminhando para um mundo pós-Facebook

Um(a) anônimo(a) deixou este comentário na última newsletter, a respeito do suicídio de Lucas Santos após ele receber comentários homofóbicos no TikTok (leia a coluna). Achei a reflexão pertinente o bastante para trazê-la para cá. Ah, autor(a) anônimo(a), se quiser o crédito, me mande um e-mail. O texto é de autoria do Thiago Sant’Anna:

“‘(…) cabe ao menos considerar que este talvez seja um problema sem solução.’ No alvo. Enquanto isso não for entendido de verdade, não poderemos caminhar para um mundo pós-Facebook — pelo contrário, vamos mergulhar no mundo do Facebook, o tal metaverso. Principalmente porque a solução ‘saudável’ no contexto atual é parar de se importar com a opinião dos outros, e isso é desastroso para uma sociedade.

Se é importante não deixar a opinião alheia nos dominar, é ainda mais importante valorizar como impactamos o outro, entender como o outro nos impacta, trabalhar as relações humanas, porque isso faz parte de uma vida rica de significado. Só que ser assim num contexto facebookiano, em que podemos ser bombardeados de ódio, é potencialmente fatal.”

Todos os vídeos do YouTube podem ser remixados em vídeos curtos do Shorts

Nova opção no YouTube. Lê-se: Permissões dos Shorts Permite que pessoas criem Shorts usando partes do vídeo. Desativar esta opção excluirá permanentemente todos os Shorts que usam este conteúdo. Não é possível desativar essa permissão em todos os vídeos. Saiba mais.
Imagem: YouTube/Reprodução.

O YouTube anunciou uma forte investida para barrar o crescimento do TikTok usando seus Shorts, vídeos na plataforma de até um minuto e filmados na vertical. Para isso, a empresa criou um fundo de US$ 100 milhões para distribuir a quem cria conteúdo do tipo e tornou todos os vídeos da plataforma aptos a serem “remixados” em Shorts. Essa última é, no mínimo, controversa.

O item “Permissões dos Shorts” (na imagem acima), cujo seletor está marcado por padrão em todos os vídeos públicos hospedados no YouTube, permite que qualquer pessoa pegue trechos de um vídeo e o utilize na criação de um Short. Além dos vídeos que já estão no YouTube, esse seletor vem marcado por padrão nos novos, durante o envio, e fica escondido atrás de um link “Mostrar mais”.

No anúncio oficial, o YouTube se limita a dizer que “criadores e artistas estão no controle e poderão rejeitar a opção [‘opt-out’] caso não queiram que seus vídeos longos sejam remixados”. O problema é que não existe um botão geral, que desligue essa função em todos os vídeos. É necessário entrar em cada um e desmarcar a opção, o que seria um trabalho enorme, quiçá inviável, para quem tem centenas ou milhares de vídeos hospedados no YouTube.

Mais uma vez, uma grande plataforma coloca os seus interesses acima do respeito aos participantes. Esse assunto ainda vai render. Via Search Engine Journal (em inglês), YouTube (em inglês).

O legado de Jeff Bezos na Amazon / Os últimos lugares legais na internet

Apoie o Manual do Usuário: https://manualdousuario.net/apoie/ Edição 21#2 do Manual: https://manualdousuario.net/21-2/ Manual do Usuário em vídeo: https://www.youtube.com/c/manualusuariobr Nesta semana, Rodrigo Ghedin e Jacqueline Lafloufa começam o podcast falando de Jeff Bezos. O fundador da Amazon anunciou que em 2021 deixará o cargo de CEO para se dedicar às suas outras empreitadas, como a Blue Origin […]

O site recebe uma comissão quando você clica nos links abaixo antes de fazer suas compras. Você não paga nada a mais por isso.

Nossas indicações literárias »

Manual do Usuário