A incrível estupidez da geração que glamourizou o excesso de trabalho

Existe um mito na física chamado “máquina do movimento perpétuo”. Uma máquina do movimento perpétuo seria capaz de, após começar, criar sem ajuda externa uma quantidade de energia suficiente não apenas para garantir seu funcionamento, mas também para fornecer o extra para consumo externo. Em outras palavras: uma fonte de energia infinita que não precisa de nenhum estímulo além daquele no começo.

Continue lendo “A incrível estupidez da geração que glamourizou o excesso de trabalho”

Como o Vale do Silício criou o conto de fadas para adultos

Qual é a música mais bonita já escrita no Brasil? Você pode até chutar um monte, mas a minha eu já escolhi. É uma música escrita em parte por um dos maiores brasileiros a ter pisado nessa vida. Paulo Emílio Vanzolini fez uma carreira de enorme sucesso na biologia — médico formado pela USP com doutorado em Harvard e décadas como diretor do Museu de Zoologia da USP, o mais importante do país. Mas você não conhece Paulo Vanzolini por sua carreira de inegável sucesso na biologia. Fora da expediente, Vanzolini compunha músicas baseadas no que observava quando estava em São Paulo ou mergulhado no Pantanal por semanas fazendo seus estudos. Você provavelmente já ouviu Ronda e Volta por cima. (Se não está lembrado, pare de ler este Tecnocracia e vá ouvi-las, de preferência nas interpretações da Maria Bethânia. Uma regra de vida: se a Maria Bethânia cantou, é improvável que você ache uma interpretação melhor.)

Continue lendo “Como o Vale do Silício criou o conto de fadas para adultos”

Pessoas ouvem o que você diz ao celular; Startups que abrem capital sem dar lucro

Neste Guia Prático, Rodrigo Ghedin e Guilherme Tagiaroli e Giovanni Santa Rosa, ambos do Gizmodo Brasil, falam da sucessão de revelações de que basicamente todas as empresas com assistentes de voz inteligentes empregavam seres humanos para ouvirem uma fatia mínima das frases que dizemos a eles e a sinuca de bico que startups bilionárias, mas que não dão lucro, enfrentam quando resolvem abrir capital, casos recentes de Uber e WeWork.

Mande o seu recado para o podcast! Pode ser pelo e-mail podcast@manualdousuario.net ou enviando um áudio no Telegram para @ghedin.

Continue lendo “Pessoas ouvem o que você diz ao celular; Startups que abrem capital sem dar lucro”

A falácia da sustentabilidade nas startups de patinetes elétricos de aluguel

Após trabalhar quase um ano para uma das empresas originais do Vale do Silício que operam patinetes elétricos de aluguel, tenho algumas reflexões para compartilhar sobre o modelo de uso e as premissas vendidas por Lime, Bird e tantas outras do ramo.

Os principais pontos de venda dessas empresas é que o patinete elétrico alugado é um produto verde e que traz soluções de trânsito para as cidades. Vamos explorar as premissas uma a uma.

Continue lendo “A falácia da sustentabilidade nas startups de patinetes elétricos de aluguel”

Migração 2.0: Os profissionais que mudam de cidade para trabalhar nas empresas mais modernas do país

Oferecimento:
Logo da Bcredi.

Não está fácil conseguir um emprego no Brasil. O último dado do Instituo Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), referente ao trimestre encerrado em abril, apontou 13,2 milhões de desempregados no país. A economia não engrena e, com isso, novos postos não são criados. Alguns setores, porém, remam contra a maré e sofrem para preencherem vagas.

Esses bolsões, onde sobra emprego, se encontram em setores em franca expansão e onde boa qualificação é pré-requisito — embora este nem sempre seja o fator mais importante para a contratação. O de tecnologia, por exemplo: em 2018, as empresas do setor fizeram 28 mil contratações e, de acordo com a Associação Brasileira de Empresas de Tecnologia (Brasscom), esse número só não dobrará este ano por falta de pessoal qualificado.

Continue lendo “Migração 2.0: Os profissionais que mudam de cidade para trabalhar nas empresas mais modernas do país”

Os bancos estão sob ameaça, mas não pelas fintechs que você imagina

Você já leu a Bíblia? Eu ainda não. Independentemente da sua religião e das barbaridades que muitos religiosos tenham cometido — e continuem cometendo — em seu nome, é inegável o impacto que o livro ainda tem na nossa vida. Se você for à Itália, por exemplo, e visitar os museus de Florença, Roma e do Vaticano, é sempre bom ter em mente que os maiores mecenas de artistas como Michelangelo Buonarotti, Leonardo da Vinci, Rafael Sanzio e Caravaggio foi a Igreja Católica e que os temas das obras de arte eram, majoritariamente, histórias bíblicas.

Alguns deles, inclusive, eram contratados exclusivamente por papas ou pelo Vaticano. Rafael, por exemplo, dedicou quase a carreira toda para dois papas, Júlio II e o Leão X, e Michelangelo foi perseguido até o fim da vida por ter recebido uma encomenda também do Júlio II e não ter entregue as estátuas do seu túmulo.

Continue lendo “Os bancos estão sob ameaça, mas não pelas fintechs que você imagina”

A internet brasileira é feita de ciclos — e estamos saindo de um

Sístole, diástole. Se você faltou na aula de biologia, esses são os dois movimentos mecânicos do seu coração, repetidos milhões de vezes de quando ele começa a bater, entre a terceira e sexta semanas de gestação, a quando seu corpo é acomodado nem tão confortavelmente na sepultura. É um processo extremamente repetitivo e é ótimo que assim seja. Quando ele perde essa repetitividade, meu amigo… eu tenho más notícias.

Sístole é quando os músculos cardíacos se apertam para mandar o sangue pelo corpo.

Diástole, quando eles relaxam para que as cavidades se encham de sangue.

Continue lendo “A internet brasileira é feita de ciclos — e estamos saindo de um”

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!