Os dispositivos da Apple que deixarão de receber atualizações em 2023.

Virou uma espécie de tradição mórbida anual, após a abertura de uma WWDC, listar os dispositivos da Apple fadados ao ostracismo — aqueles que, mesmo ainda capazes, não receberão as novas versões recém-anunciadas dos sistemas operacionais da empresa.

Em 2023, as vítimas foram as seguintes:

  • iPhone 8, iPhone 8 Plus e iPhone X ficarão sem o iOS 17.
  • Todos os Macs lançados em 2017 (com exceção do iMac Pro) não receberão o macOS 14 Sonoma.
  • iPad Pro (1ª geração) e iPad de 5ª geração ficarão sem o iPadOS 17.
  • O Apple Watch passou incólume e todas as versões que rodam o watchOS 9 receberão o watchOS 10.

A Apple liberou, nesta terça (6), as primeiras versões beta dos novos sistemas para desenvolvedores. Elas não são recomendadas para uso no dia a dia. As versões finais, para uso geral, chegam no “outono” (do hemisfério Norte, primavera aqui), provavelmente em setembro. Via Apple (2) (3) (4) (todos em inglês).

O que chamou a atenção no Google I/O 2022

Em software:

Em hardware:


Pinguins Móveis é uma newsletter semanal documentando e analisando a marcha do Linux por todos os cantos da eletrônica de consumo — e, portanto, das nossas vidas. Inscreva-se aqui.

O marketing macabro do Apple Watch

Quando a Apple revelou o oxímetro presente no Apple Watch Série 6, em setembro de 2020, o fez de maneira elegante (ou precavida), sem mencionar em momento algum a pandemia de Covid-19. Um dos sintomas mais graves da doença é o comprometimento dos pulmões. A evolução do quadro é feita com o auxílio do oxímetro, um pequeno dispositivo preso ao dedo do paciente capaz de detectar o nível de oxigenação no sangue.

(mais…)

Apple anuncia iPhone 13, novo iPad mini e Apple Watch Series 7.

A Apple anunciou um monte de novos produtos na tarde desta terça-feira (14):

  • iPhone 13, com entalhe menor, bateria maior, novo chip A15 Bionic, armazenamento mínimo de 128 GB e posicionamento de câmeras diferente apenas porque sim.
  • iPhone 13 Pro, com as mesmas novidades da linha “simples”, mas câmeras melhores (e uma extra) e opção de 1 TB. É o primeiro iPhone com tela de 120 Hz.
  • iPad mini, com novo design similar ao do iPad Pro, tela de 8,3 polegadas e porta USB-C.
  • iPad de 9ª geração, com visual antigo, Touch ID, agora com o chip A13 Bionic e o mesmo preço do anterior (lá fora).
  • Apple Watch Series 7, que visual novo que não tem nada a ver com os dos “vazamentos”.
  • Apple Fitness+ chega ao Brasil, mas os vídeos não serão dublados, só terão legendas. Mindfulness com legenda, baita conceito.

Fotos bonitas e mais detalhes na sala de imprensa, link ao lado. Via Apple (em inglês).

Huawei lança oficialmente o HarmonyOS, seu novo sistema operacional.

A Huawei anunciou nesta quarta (2) o HarmonyOS, seu novo sistema operacional para celulares, tablets e outros dispositivos conectados. Gestado desde 2016, o projeto ganhou uma importância maior depois que a empresa foi proibida de fazer negócios com parceiros norte-americanos em maio de 2019. A medida unilateral do governo dos Estados Unidos impede até hoje que a Huawei use o Android do Google, o que freou o movimento de expansão global da marca. Via Bloomberg (em inglês, com paywall).

Veja os destaques da apresentação da Huawei (em inglês).

O HarmonyOS chega primeiro no tablet Mate Pad Pro e no relógio inteligente Watch 3, ambos anunciados junto ao sistema. Cerca de 100 dispositivos já lançados serão atualizados para o HarmonyOS. A previsão da Huawei é de que o sistema esteja em 200 milhões de aparelhos até o final de 2022.

O visual do HarmonyOS é bastante familiar — lembra o Android, mas com elementos visuais do iOS. Embora a Huawei afirme que se trata de um sistema totalmente novo, análises independentes apontam que o HarmonyOS é baseado no Android. Via Ars Technica (em inglês).

Usando o Apple Watch com um braço

A Apple anunciou, nesta quinta (20), diversos novos recursos em acessibilidade para seus produtos. O mais impressionante é o AssistiveTouch para Apple Watch: uma nova maneira de interagir com o relógio usando apenas um braço/uma mão. Veja o vídeo acima para entender. Chega “até o fim do ano”. Via Apple (em inglês).

Curiosidade: nos prints do iOS desse comunicado, aparece um novo layout das telas de configurações, com leves diferenças. Primeiro vislumbre do iOS 15? Via @sdw/Twitter (em inglês).

Google e Samsung fundem seus sistemas para relógios — Wear OS e Tizen.

Talvez a maior surpresa neste Google I/O tenha sido o anúncio de que Google e Samsung se uniram e fundiram seus sistemas para relógios inteligentes, Wear OS e Tizen. As duas empresas estão trabalhando junto e já mostraram alguns avanços. E o sistema final não será exclusivo delas, qualquer fabricante poderá adotar.

O novo sistema (será chamado Wear OS? Tizen? Ambos?) também tem a Fitbit na mistura, empresa de gadgets vestíveis comprada pelo Google. E conta com a promessa de melhorias drásticas a apps básicos do Google — Mapas, Pay, YouTube Music e Assistente.

A barreira estava bem baixa com o antigo WearOS, mas parece que temos avanços significativos nessa frente após anos de negligência. Se vai colar com os consumidores e gerar relógios competitivos no nível do Apple Watch, aí é outra história. Via Google (em inglês).

No futuro, Apple Watch poderá ter medidores de glicose e álcool no sangue.

O caminho é longo, mas venha comigo. A Rockley Photonics, uma startup do Reino Unido, enviou a papelada à SEC, nos Estados Unidos, para abrir seu capital em Nova York. No material, a Rockley revelou que sua maior cliente é a Apple. A startup é especializada em desenvolver “sensores ópticos não-invasivos”, aqueles usados no Apple Watch para aferir dados biométricos do usuário.

Dito isso, e considerando a escala do Apple Watch e a importância da Apple nos balanços da Rockley, já se especula que o relógio da Apple deva ganhar, no futuro próximo, recursos como medidores de pressão sanguínea e dos níveis de glicose e álcool no sangue. O Apple Watch se torna cada vez mais um robusto auxiliar de saúde preventiva àqueles que podem comprar um — o mais barato no Brasil neste momento, o Series 3, sai por R$ 2,6 mil (e precisa de um iPhone para funcionar) . Via MacRumors (em inglês).

Relógios inteligentes podem detectar COVID-19 no período pré-sintomático.

Pesquisas independentes descobriram que relógios inteligentes, como o Apple Watch, conseguem detectar a COVID-19 no período pré-sintomático, ou seja, antes do infectado apresentar sintomas. A variabilidade da frequência cardíaca é o que aponta a infecção: variações muito elevadas coincidem com o dia da infecção. Não confundir com frequência cardíaca acelerada; são duas métricas distintas. Nos aplicativos, a variabilidade da frequência cardíaca costuma ser indicada pela sigla HRV. Via CBS News (em inglês).

Os muitos entraves que dificultam o avanço do Android Wear — digo, Wear OS

Em março, o Google mudou o nome do Android Wear, seu sistema operacional para relógios inteligentes — ou smartwatches. Agora, ele se chama Wear OS. Se você só está sabendo disso agora, não se culpe: por uma série de fatores, a iniciativa do Google em smartwatches não ganhou a mesma tração que a de smartphones. Continue lendo “Os muitos entraves que dificultam o avanço do Android Wear — digo, Wear OS”

Gear Sport, o relógio inteligente para esportistas da Samsung

Em 2013, quando smartwatches (ou relógios inteligentes) surgiram, eles prometiam nos livrar do vício do smartphone e, quando fosse impossível ignorar as notificações, tornar o ato de olhá-las menos rude. A categoria falhou nesses dois objetivos, mas encontrou utilidades mais humildes e virou um acessório considerado por uma pequena parcela dos consumidores — o que já é um grande mérito se lembrarmos de outras investidas recentes da indústria de tecnologia que tiveram um final pior, como o Google Glass e as TVs 3D.

Continue lendo “Gear Sport, o relógio inteligente para esportistas da Samsung”

Smartwatches e a busca pela próxima grande tendência

O smartphone moderno está prestes a completar dez anos. Desde esse início, muito se fala sobre qual será a próxima grande tendência da tecnologia. Afinal, a curva em “S” do smartphone está quase completa e é do interesse da indústria, inclusive das empresas que mais lucraram nesse segmento (ou das poucas que lucraram), encontrar um produto alternativo que a fim de manter o crescimento. Mas como é difícil… Continue lendo “Smartwatches e a busca pela próxima grande tendência”

IFA 2016: As coletivas de imprensa que antecedem a feira

Como bem sabemos, 31 de agosto de 2016 não foi um dia fácil no Brasil. Longe, em uma ensolarada Berlim, ele não foi exatamente difícil, porém bastante longo. Como ocorre em todo grande evento de tecnologia, os dias que antecedem a abertura da IFA, maior feira de tecnologia da Europa, foram preenchidos por coletivas de imprensa. O dia 31 foi marcado por coletivas espalhadas pela cidade; no dia seguinte, tivemos uma atrás da outra, todas já no local onde que acontece a IFA, o Messe Berlim.

A feira abre oficialmente hoje (2/9) e vai até o dia 7, mas as maiores novidades preparadas pelas empresas participantes já foram reveladas através daquelas coletivas e por visitas aos estandes, que também serviram de palco nas apresentações aos jornalistas. O Manual do Usuário participou de várias delas, transitou pelos espaços da IFA antes da sua abertura ao público e traz, agora, os principais destaques da feira. Continue lendo “IFA 2016: As coletivas de imprensa que antecedem a feira”

[Review] Android Wear e Moto 360, o smartwatch da Motorola

Demorou, mas finalmente um smartwatch passou por aqui. Foi o Moto 360, da Motorola, que usei por quase um mês pareado a um Moto X (2014). Como o Android Wear praticamente não varia, diferentemente do Android para smartphones, aproveitei os testes para tentar entender, também, o que a indústria promete (e entrega) em troca de um espaço no nosso pulso. Continue lendo “[Review] Android Wear e Moto 360, o smartwatch da Motorola”