Samsung bloqueou remotamente TVs roubadas na África do Sul

Todas as TVs da Samsung têm um sistema de bloqueio remoto que a fabricante sul-coreana pode usar para inutilizar aparelhos roubados. No início de agosto, o sistema foi ativado em TVs de um lote saqueado na província de KwaZulu-Natal, no leste da África do Sul.

Segundo a Samsung, “o objetivo da tecnologia é mitigar a criação de mercados secundários conectados à venda de bens ilegais, na África do Sul e além das suas fronteiras”. Falsos positivos podem ser desfeitos mediante o envio de um comprovante de compra a um e-mail da Samsung.

O sistema depende de conexão à internet para ser ativado e, em essência, não é muito diferente do bloqueio de celulares via IMEI, amplamente usado no mundo todo — inclusive no Brasil. Ainda assim, tal tecnologia suscita debates relacionados a direitos de propriedade, privacidade e poder das empresas. Via Samsung (em inglês).

Samsung anuncia nova geração de celulares dobráveis — Galaxy Z Flip 3 e Galaxy Z Fold 3

Foto promocional de três Galaxy Z Flip 3 em diferntes posições: totalmente aberto, em “L” e totalmente fechado.
Foto: Samsung/Divulgação.

A Samsung anunciou, nesta quarta (11), a nova geração dos seus celulares dobráveis, Galaxy Z Flip 3 e Galaxy Z Fold 3. São iterações, ou seja, nenhuma mudança drástica, mas algumas melhorias interessantes:

  • A tela externa do Galaxy Z Flip 3 (na foto acima) cresceu bastante, a interna agora trabalha a 120 Hz e o aparelho ganhou certificação IPX8, ou seja, é resistente à água. A linguagem visual mudou, com um ar meio “retrô futurista”.
  • O Galazy Z Fold 3 também traz certificação IPX8 e telas (no plural) a 120 Hz, e a câmera de selfie interna passou para baixo da tela — primeiro celular da Samsung com essa tecnologia.
  • Os outros anúncios do dia são os Galaxy Buds 2 e os Galaxy Watch 4 e Watch 4 Classic, os primeiros a trazerem o novo Wear OS fruto da “fusão” de sistemas para relógios da Samsung e do Google.

Lá fora, eles ficaram ligeiramente mais baratos — US$ 999 no Galaxy Z Flip 3, US$ 1,8 mil no Z Fold 3. Segundo a Samsung, “a disponibilidade no mercado brasileiro será comunicada em breve”. Via Samsung (2).

Google e Samsung fundem seus sistemas para relógios — Wear OS e Tizen

Talvez a maior surpresa neste Google I/O tenha sido o anúncio de que Google e Samsung se uniram e fundiram seus sistemas para relógios inteligentes, Wear OS e Tizen. As duas empresas estão trabalhando junto e já mostraram alguns avanços. E o sistema final não será exclusivo delas, qualquer fabricante poderá adotar.

O novo sistema (será chamado Wear OS? Tizen? Ambos?) também tem a Fitbit na mistura, empresa de gadgets vestíveis comprada pelo Google. E conta com a promessa de melhorias drásticas a apps básicos do Google — Mapas, Pay, YouTube Music e Assistente.

A barreira estava bem baixa com o antigo WearOS, mas parece que temos avanços significativos nessa frente após anos de negligência. Se vai colar com os consumidores e gerar relógios competitivos no nível do Apple Watch, aí é outra história. Via Google (em inglês).

Cuide bem do seu celular

A menos que você seja rico ou jornalista/blogueiro/youtuber de tecnologia, celular é um custo considerável e, preferencialmente, esporádico em sua vida. Por ser um objeto útil, até essencial, e ao mesmo tempo caro, a gente economiza, compra e cuida, faz ele durar. No Brasil de 2021, os “incentivos” para cuidar do celular ou de qualquer […]

Samsung não lançará um novo Galaxy Note em 2021

Em conferência com acionistas em Seul, o co-CEO da Samsung, DJ Koh, sinalizou que a empresa não lançará um novo Galaxy Note em 2021. Embora a empresa esteja sofrendo com a escassez de chips — um problema multisetorial, que afeta de celulares à fabricação de automóveis —, essa não seria a única explicação para a ausência de novo Galaxy Note este ano. Segundo Koh, o objetivo é “simplificar a linha de produtos”, mesmo não se falando (ainda?) em eliminar de vez a linha Note. A princípio, ela deverá voltar em 2022.

Lembrando que o Galaxy S21 Ultra, lançado em janeiro deste ano, trouxe suporte à S Pen, o até então grande diferencial da linha Galaxy Note. Via Bloomberg (em inglês, com paywall), Android Authority (em inglês).

Os preços do Galaxy S21 no Brasil

A Samsung anunciou a linha Galaxy S21 no Brasil nesta terça (9). Os três celulares vêm sem o carregador de parede na caixa, mas quem comprar qualquer um deles na pré-venda (entre 10/2 e 7/3) e se cadastrar no site Samsung Para Você entre 5/3 e 4/4, terá 30 dias para solicitar o acessório sem custo adicional. (Fones de ouvido também sumiram e, esses, só comprando à parte mesmo.) Outro mimo da pré-venda é uma Galaxy SmartTag grátis e um voucher para comprar mais produtos Samsung. Preços e valores dos vouchers.

  • Galaxy S21 (128 GB): R$ 5.999 (voucher de R$ 1 mil);
  • Galaxy S21+ (128 GB): R$ 6.999 (voucher de R$ 1,5 mil);
  • Galaxy S21+ (256 GB): R$ 7.399 (voucher de R$ 1,5 mil);
  • Galaxy S21 Ultra (256 GB): R$ 9.499 (voucher de R$ 2 mil); e
  • Galaxy S21 Ultra (512 GB): R$ 10.499 (voucher de R$ 2 mil).

Aparentemente, o dólar pesou e em vez de cair o preço, como aconteceu nos Estados Unidos, o modelo mais barato encareceu em relação ao Galaxy S20 (R$ 500).

A Galaxy SmartTag também poderá ser comprada separadamente, por R$ 199. A Samsung também anunciou os fones de ouvido sem fios Galaxy Buds Pro por R$ 1.399.

Todos os produtos começam a ser vendidos em 5 de março; quem comprar na pré-venda, porém, poderá retirá-los antes, no dia 1º de março, para evitar aglomerações nas lojas. Via Samsung, Uol Tilt.

Samsung anuncia linha Galaxy S21

Lado a lado, de costas, Galaxy S21 Ultra (preto), Galaxy S21 Plus (lilás e dourado) e Galaxy S21 (rosa).
Foto: Samsung/Divulgação.

A Samsung antecipou em um mês o anúncio do Galaxy S de 2021 e, nesta quinta (14), mostrou os Galaxy S21, S21 Plus e S21 Ultra em um evento online. No geral, são leves atualizações dos modelos lançados ano passado. Do que vi, destaco:

  • O novo desenho do calombo das câmeras, que escorre da borda de metal, tem um efeito legal e pelas fotos e vídeos parece menos feio que os calombos da linha S20.
  • O Galaxy S21, modelo de entrada, usa plástico na parte de trás. Os demais, vidro.
  • O Galaxy S21 Ultra tem curiosas duas lentes teleobjetivas, uma com zoom de 3x e outra de 10x. É o primeiro celular da linha S que suporta a S Pen, ainda que ela seja vendida separadamente e precise de uma capinha para ser levada junto ao celular. E só está disponível em duas cores: preto ou branco.
  • Todos os três usam chips atualizados: Snapdragon 888 nos Estados Unidos, e Exynos 2100, alardeado pela Samsung por ser o primeiro da empresa feito em processo de 5 nanômetros, no resto do mundo. Os Galaxy S21 e S21 Plus têm 8 GB de RAM, enquanto o S21 Ultra começa em 12 GB e a versão de 512 GB de armazenamento traz 16 GB de RAM. Haja RAM!
  • Todos os três têm telas de alta definição e taxa de atualização dinâmica, que varia automaticamente de 48 a 120 Hz. Não precisa mais escolher um ou outro.
  • Todos os aparelhos vêm sem carregador de parede e sem fones de ouvido na caixa — pelo meio ambiente! A Samsung Brasil disse ao Interfaces que ainda não sabe se as caixas vendidas no Brasil virão magrinhas aqui também, mas muito me surpreenderá se aparecem recheadas.
  • A Samsung também anunciou os Galaxy Buds Pro (fones de ouvido sem fios) e as Galaxy SmartTag em duas versões — a Plus é mais precisa e tem um esquema de realidade aumentada para ajudar o usuário a encontrar a bugiganga perdida.

A pandemia afetou bastante as vendas do Galaxy S20. A consultoria Counterpoint Research estima que a linha Galaxy S21 as recuperará, ainda que a antecipação do seu lançamento somada ao atraso no do iPhone 12, que está vendendo feito pãozinho quente, possa colocar pressão na Samsung. Um fator que ajudará a Samsung a vender mais este ano é o preço inicial do Galaxy S21, de US$ 799, ou US$ 200 mais barato que o Galaxy S20.

Ainda não há preços nem data de lançamento no Brasil, mas os interessados podem fazer um “pré-registro” no site da Samsung. Via Samsung (2) (3), Counterpoint Research (em inglês).

CES 2021: As novidades mais curiosas e/ou importantes

A CES, maior evento anual do setor de tecnologia, está toda virtual e com menos expositores em 2021. Apesar das baixas, ainda é parada obrigatória para o setor e quem se interessa por tecnologia de consumo. Via Folha.

As novas tecnologias apresentadas lá são tão interessantes quanto os novos produtos. Elas antecipam o que estará nas lojas daqui a alguns (ou muitos) meses. Às vezes são só vaporware, mas vale a menção. O que vi de legal nesta edição, até agora:

  • O tablet NXTPAPER, da TCL, que usa uma tela que combina as características de um bom LCD com as do e-ink. Já tem preço (€ 349) e previsão de lançamento no mundo inteiro, menos Estados Unidos (abril deste ano). Via The Verge (em inglês).
  • Telas que enrolam, como esta da LG. Partes móveis em celulares ainda me deixam apreensivos, mas esse formato, que “esconde” a tela estendida melhor que o dos atuais dobráveis já no mercado, é algo que eu toparia comprar. Via Android Authority (em inglês).
  • MiniLED, nova tecnologia de painéis de TV que aproxima o LCD das OLED, chegando a produtos comerciais. As nomenclaturas não ajudam (Neo QLED na Samsung, QNED na LG, OD Zero na TCL) e os preços não deverão ser baratos na primeira leva, mas vale ficar de olho porque não levará muito tempo para baratearem. O salto do microLED será ainda maior (LEDs individuais para cada pixel, em vez de áreas de pixels), mas ainda falta muito chão para chegar a nós, meros mortais. Via Samsung, Gizmodo e Uol.
  • Nova geração do sensor de impressão digital sob a tela da Qualcomm, com uma área 77% maior e 50% mais rápido que a anterior. Seria legal, nessa época de máscaras, a volta do Touch ID no iPhone. Via 9to5Mac (em inglês).
  • A Intel sentiu o bafo quente da Apple e da ARM no cangote e trouxe um “teaser” da 12ª geração de processadores Core ao lado de novas variantes da 11ª e em meio a uma enxurrada de notebooks equipados com essa geração. Via The Verge (em inglês).

TVs Samsung com controle remoto solar em 2021

Ser verde está na moda, então a Samsung anunciou um controle remoto para TVs que usa bateria interna em vez de um par de pilhas palito (AAA). No material de marketing a Samsung destaca a presença de um mini painel nas costas do controle para recarregar a bateria por energia solar, mas o controle também tem uma porta USB-C para… você sabe, uma recarga tradicional. A vida útil da bateria do controle é estimada em sete anos, alinhada à da própria TV.

A linha 2021 de TVs Samsung traz ao varejão a tecnologia Mini LED, que promete aproximar o LCD tradicional das caríssimas OLED em qualidade de imagem expandindo significativamente o número de LEDs por trás do painel. Via Samsung.

Galaxy S21 deve vir sem carregador e fones de ouvido na caixa

Trecho da documentação da Anatel indicando que o Galaxy S21 virá sem fones de ouvido e carregador de parede.
Imagem: Tecnoblog/Reprodução.

A documentação do Galaxy S21 submetida à Anatel revela que o celular, que deve ser anunciado em janeiro, virá sem carregador de parede e fones de ouvido na caixa, a exemplo dos iPhones. Desta vez, pelo menos, apenas uma página local da Samsung, a do Caribe, tirou sarro da situação. Anteriormente, comerciais globais da Samsung caçoaram do entalhe do iPhone X e do fim do conector de fones de ouvido de 3,5 mm, apenas para, meses depois, seguir a tendência e repetir ela mesma as decisões antes criticadas da Apple. Via Tecnoblog.

Galaxy Z Fold 2 5G entra em pré-venda por R$ 14 mil

A Samsung colocou o Galaxy Z Fold 2 5G, segunda geração do seu celular com tela dobrável que vira um tablet quando desdobrado, em pré-venda no Brasil. Custa R$ 14 mil. Além do celular, o comprador leva de brindes um par de Galaxy Buds (R$ 1,3 mil no varejo) e um relógio Galaxy Watch 3 (R$ 3 mil), acesso a suporte personalizado 24/7 e uma troca gratuita de tela (tem que pagar uma franquia de R$ 800; o reparo em “avaria na tela” do Z Fold original, fora da garantia, tem preço de tabela de R$ 4.866). O lançamento é no dia 13 de novembro. Via Samsung.

Lee Kun-hee, presidente da Samsung, morre aos 78 anos

Kun-hee assumiu a Samsung no final dos anos 1980, herdando o cargo de seu pai. Em 1993, iniciou uma reviravolta na empresa que a transformou no titã global que é hoje, responsável por 20% do PIB sul-coreano. Pelo caminho, teve condenações por suborno e sonegação fiscal. Em 2014, Kun-hee sofreu um infarto que o incapacitou para as atividades do dia a dia; desde então, seu filho Jay Y. Lee tem liderado o conglomerado.

alguma apreensão sobre a herança deixada por Kun-hee (de 50–65%), que deverá render alguns bilhões de dólares ao governo da Coreia do Sul. Esse imposto sobre a herança e o papel da Samsung na economia do país são tão relevantes que havia até uma teoria da conspiração acerca da saúde de Kun-hee. O cargo deverá ser ocupado por Jay Y. Lee, mantendo a tradição dos chaebols do país, um tipo de conglomerado empresarial de grande porte, mas controlado por uma família. Via Folha, The Verge (em inglês).

O site recebe uma comissão quando você clica nos links abaixo antes de fazer suas compras. Você não paga nada a mais por isso.

Nossas indicações literárias »

Manual do Usuário