O novo Winamp vem aí

Mencionei o retorno do Winamp na última Achados e perdidos, e acho que vale retomar o assunto antes da ~revelação para comentar o site institucional do app.

O site é a antítese do que o Winamp era e o motivo da sua adoração. O app clássico era rápido, ágil, direto ao ponto. Esse site é lento e sequestra a rolagem do mouse. A primeira impressão é péssima. Pelo menos ainda dá para baixar a última versão do Winamp clássico (5.8).

Flickr cria fundação para preservar fotos públicas

O Flickr lançou uma fundação a fim de preservar seu acervo de fotos públicas. “A Fundação Flickr representa o nosso compromisso em gerir este tesouro cultural e digital para garantir sua existência para as futuras gerações”, diz o texto no site da fundação. A ideia surgiu após a empresa reavaliar a iniciativa Flickr Commons, lançada em 2008, que cataloga e arquiva fotografias de fontes públicas diversas. Dica do leitor gabriel.

O Manual tem um grupo de fotografia no Flickr. Apareça!

O que foi a quebra do sistema Telebrás

Em outubro de 1861, um sujeito conseguiu criar uma máquina que registrava a voz humana, convertia ela em impulsos elétricos e a repassava a outro terminal por meio de um fio de cobre. No outro terminal, os impulsos eram reconvertidos em voz para chegar aos ouvidos de alguém fisicamente distante do locutor. Era um protótipo […]

O metaverso original

O Facebook acena que o metaverso será a próxima parada para os seus mais de dois bilhões de usuários. No jogo Fortnite, milhões de adolescentes se reúnem todos os dias e, entre um tiroteio e outro, ficam à toa e assistem a shows de artistas como Ariana Grande e Lil Nas X. No Axie Infinity, […]

Jardineiros digitais

Quando Tim Berners-Lee inventou a World Wide Web, em 1990, criou junto um navegador web chamado WorldWideWeb, assim mesmo, sem espaços. Ele tinha duas funções: exibir sites e editá-los em tempo real, direto na página, como se fosse um documento do Word.

10 anos do Nokia N9

Mão segurando um Nokia N9, ligado, mostrando a grade de apps.
Foto: Rodrigo Ghedin.

Cesar Cardoso lembrou hoje, na newsletter Pinguins Móveis, o décimo aniversário do Nokia N9, “talvez o ápice do design da Nokia clássica, um nível de polimento que não se encontra em outro telefone Linux”, nas palavras dele.

Em 2012, por breves dias, eu tive um N9. O MeeGo, nome do sistema operacional que o equipava e fruto de uma parceria entre Nokia e Intel, era diferente de todos os outros, com interface baseada em gestos, uma central de comunicação que englobava apps de mensagens e redes sociais e outras boas ideias, umas esquecidas, outras incorporadas pelos sistemas sobreviventes. O N9 foi, também, a prova viva de que é possível fazer celulares de plástico (policarboneto, que seja) elegantes e de alta qualidade e o último suspiro antes dos finlandeses abraçarem a Microsoft e pularem no precipício.

Acabei devolvendo a minha unidade porque ela tinha vindo com os botões de volume meio frouxos e porque, a despeito da qualidade do sistema, a situação dos apps da plataforma já era ruim e a tendência, que se confirmou, era só piorar. Fui para o Android da Samsung, que tinhas os apps, mas em troca de uma interface feia e deselegante. Do N9, sobraram estas poucas e mal tiradas fotos.

Aleksandar Mandic

Como eu faço o Tecnocracia? Tenho um arquivo no Google Docs onde elenco alguns assuntos que me chamam a atenção e eu acho que, em algum momento, poderíamos falar a respeito. De vez em quando, eu leio algo que acho que se encaixa em um dos assuntos, abro o arquivo, colo lá e sigo minha […]

Vivendo o bastante para cair no ostracismo

No filme O cavaleiro das trevas, um raro bom filme de super-herói, o personagem Harvey Dent/Duas Caras profere uma frase memorável quando debate o papel do Batman com o próprio, só que à paisana: “Ou você morre como um herói, ou vive o bastante para se tornar o vilão.” É difícil atribuir tais qualidades a […]

O FeedBurner vive

O Google, famoso por “matar” produtos e serviços sem cerimônia, anunciou que está “reformulando” o FeedBurner, um serviço que antes de ler esta notícia eu podia jurar que já tinha uma cova no cemitério do Google.

O FeedBurner, caso você não se recorde (e tudo bem se não), foi criado em 2004 e comprado pelo Google em 2007. Ele é uma central de utilidades para feeds RSS — gerava estatísticas de uso de um feed, que leitores recebessem novos posts por e-mail e permitia o encapsulamento de arquivos MP3, criando assim podcasts.

Em julho, o Google migrará o FeedBurner para “uma infraestrutura mais estável e moderna”, o que garantirá que ele continue funcionando, mas eliminará alguns recursos, como o envio de novos posts por e-mail. Via Google.

De curioso, abri a minha conta no FeedBurner. Um dos meus feeds lá, o mais antigo, com 15 anos (!), sempre aponta para o site onde estou escrevendo — atualmente, ele entrega os posts do Manual do Usuário. Surpreendi-me: quase 700 (!!!) endereços de e-mail marcados como “ativos”, registrados entre 2008 e 2012.

O que foi a bolha da internet

No começo do século XVII, não existia uma economia mais pujante e sofisticada que a holandesa. Enclausurada num pedaço de terra do tamanho do Espírito Santo, a Holanda tinha sido forçada a desenvolver tecnologia para escapar das limitações geográficas. Para tanto, os holandeses conquistaram as águas, fosse para a construção de diques que possibilitassem o […]

O site recebe uma comissão quando você clica nos links abaixo antes de fazer suas compras. Você não paga nada a mais por isso.

Nossas indicações literárias »

Manual do Usuário