Três imagens de pessoas, sem mostrar o rosto, com roupas básicas/essenciais, com os escritos (um em cada imagem) “Esporte”, “Dia a dia” e “Underwear”. À direita, as frases “O básico que você precisa tem na Insider” e “Clique aqui e use o cupom de 12% off: MANUALDOUSUARIO12”.

Como Juliette chegou ao 1º lugar no iTunes em 63 países graças a plano de fãs e doações via Pix

Como Juliette chegou ao 1º lugar no iTunes em 63 países graças a plano de fãs e doações via Pix, por Braulio Lorentz no G1:

O G1 conversou com a equipe do Juliette Charts, o principal perfil responsável pelas ações que levam músicas da cantora ao topo do iTunes.

No Twitter e no Instagram, eles pedem doações por Pix e fãs da cantora enviam entre R$ 1 e R$ 10. Toda quantia arrecada, cerca de R$ 3 mil para cada música escolhida, é transferida para pessoas que vivem fora do Brasil, membros de fã-clubes parceiros ou fãs da própria Juliette.

Fascinante.

Diz a Lei de Goodhart: “Quando uma medida torna-se uma meta, ela deixa de ser uma boa medida.”

Apple descontinua a linha iPod

A Apple decretou o fim do iPod nesta terça (10). Em um comunicado à imprensa, a empresa disse que o iPod Touch de 7ª geração será vendido enquanto durarem os estoques. Depois disso, só restará “o espírito do iPod” nos demais produtos da empresa, o eufemismo poético que Greg Joswiak, VP de marketing global da Apple, usou para se referir ao fim da linha.

O iPod foi importante no renascimento da Apple no início dos anos 2000, porém acabou eclipsado pelo iPhone, lançado em 2007 — o celular foi apresentado como um “3-em-1” que unia telefone, navegador web e o iPod em um dispositivo.

O iPod Touch de 7ª geração foi anunciado em 2019, quatro anos depois da sexta geração. Já chegou defasado, com o chip A10 Bionic, o mesmo do iPhone 7 de três anos antes. Era uma relíquia que, à exceção de alguns poucos aficionados, não fará falta.

A esses, a loja brasileira da Apple ainda tem estoque de iPod Touch. Os preços começam em R$ 1,6 mil para o modelo de 32 GB. Via Apple (em inglês).

A cultura pop virou um oligopólio

A cultura pop virou um oligopólio [em inglês], por Adam Mastroianni na newsletter Experimental History:

Sou inerentemente cético em relação a grandes alegações a respeito de mudanças históricas. Publiquei recentemente um artigo mostrando que as pessoas superestimam o quanto a opinião pública mudou nos últimos 50 anos, por isso, naturalmente, estou atento a vieses similares aqui. Mas esta mudança não é ilusória. É grande, está acontecendo há décadas e em todos os lugares que se olha. Portanto, vamos ao fundo da questão.

[…]

O problema não é que a média tenha diminuído. O problema é que a diversidade diminuiu. Filmes, TV, música, livros e video games deveriam expandir a nossa consciência, levar a nossa imaginação a dar saltos e nos introduzir a novos mundos, histórias e sentimentos. Deveriam nos alienar às vezes, ou nos irritar, ou nos fazer pensar. Mas não são capazes de nada disso se apenas nos alimentam de sequências e “spinoffs”. É como comer miojo toda noites, para sempre: pode ser confortável, mas uma hora ou outra você ficará desnutrido(a).

Em 2021, Spotify aumentou em 40% dinheiro revertido a artistas

O Spotify atualizou seu site Loud & Clear com dados de pagamentos a artistas referentes a 2021. O total pago aumento 40% em relação a 2020, chegando a US$ 7 bilhões, e pela primeira vez mais de 1 mil artistas bateram a marca de US$ 1 milhão em receita no ano, um salto de 20,9% em relação ao ano anterior. Via Spotify (em inglês).

Todos esses dados devem ser encarados com um pé atrás. Afinal, o Spotify é parte interessada em dar a eles uma interpretação favorável e, como sabemos, tem muito artista por aí desanimado com o que recebe das plataformas de streaming

Do arquivo: O árduo caminho entre o meu dinheiro e os músicos em um mundo dominado pelo streaming (4/2021).

A parte de perguntas e respostas traz um debate interessante: o que o Spotify considera artista profissional. O serviço contesta a alegação de que todos os usuários que já enviaram uma música à plataforma, 8 milhões, são profissionais. Usando alguns critérios, como ter pelo menos dez músicas no serviço e o cruzamento de dados com plataformas de ingressos online, a estimativa do Spotify é de que a plataforma hospede 200 mil artistas profissionais.

Essa caracterização aproxima o Spotify do YouTube. E nem sou eu dizendo. Da seção de perguntas e respostas:

É verdade que oito milhões de pessoas já enviaram uma música para o Spotify — mas, da mesma maneira que enviar um ou dois vídeos ao YouTube não significa que essa pessoa esteja tentando ser um youtuber profissional, lançar algumas músicas em Spotify não significa ter uma carreira na música.

TikTok agora tem uma distribuidora de música

O TikTok lançou uma distribuidora de música digital, a SoundOn. Por ela, músicos podem distribuir seu trabalho nas plataformas da ByteDance — o próprio TikTok, o streaming de música Resso e o aplicativo de edição de vídeo CapCut —, além de plataformas rivais populares, como Spotify, Apple Music e Deezer.

Nas plataformas da ByteDance, os músicos recebem 100% dos royalties. Nas rivais/de terceiros, o repasse é de 100% no primeiro ano e 90% depois.

Além de cuidar da burocracia da distribuição, a SoundOn promete colocar as músicas dos seus representados à disposição da audiência gigantesca do TikTok e do seu poder de viralização. A proposta tem mais apelo junto a músicos novatos.

A SoundOn está disponível no Brasil, Estados Unidos, Indonésia e Reino Unido. Via TechCrunch (em inglês).

Epic Games compra Bandcamp

A Epic Games comprou o Bandcamp, um marketplace para músicos fundado em 2008 nos Estados Unidos. O valor da transação não foi divulgado. Segundo as empresas, o Bandcamp continuará operando como uma marca independente e manterá o co-fundador Ethan Diamond como CEO.

Epic e Bandcamp compartilham um inimigo em comum: Apple e Google. As duas empresas são críticas ferozes do modelo em vigor no iOS e Android, que cobra um pedágio de 30% em compras digitais realizadas em aplicativos de terceiros. (A Epic foi às últimas consequências na rixa com a Apple, o que lhe custou a presença de Fortnite no iOS.) A Epic promete ajudar o Bandcamp na expansão internacional e em novas iniciativas, como a produção de vinis e de um serviço de streaming.

No papel, é um negócio que faz sentido e que não significa muito para nós, brasileiros (o Bandcamp não opera oficialmente aqui), mas não deixa de ser triste ver um negócio independente, saudável e quase universalmente elogiado pelos usuários ser engolido por um titã da indústria. Quando foi a última vez que esse arranjo deu certo e a empresa menor, engolida, continuou “operando de forma independente” por muito tempo? É, também não me recordo. Via Variety, Bandcamp (ambos em inglês).

Sertanejos dominam o rádio, que turbina cachês e chega aonde internet é precária

Sertanejos dominam o rádio, que turbina cachês e chega aonde internet é precária, por Lucas Brêda na Folha de S.Paulo:

Nos últimos dias, um trecho de uma entrevista da empresária Kamila Fialho, que tem no currículo trabalhos com Anitta e Kevin o Chris, pipocou na internet. “Eu pago para tocar uma música na rádio e eles compram a rádio”, ela disse ao programa “Podcast de Música”, do YouTube, fazendo referência a artistas da música sertaneja. Mesmo exagerada, a provocação de Fialho tem algum respaldo na realidade.

Gênero mais consumido do Brasil em qualquer plataforma, o sertanejo tem uma presença ainda maior nas rádios, que são capazes de render cachês mais altos e dar fama nacional a uma música ou artista. No streaming, o ritmo também é protagonista, mas ali divide os holofotes com outros estilos, que criam alternativas para crescer sem depender das FMs.

Neil Young remove suas músicas do Spotify em ato contra desinformação

Neil Young conseguiu: seus álbuns não estão mais disponíveis no Spotify. A medida contou com o apoio da sua gravadora, a Warner, que é quem decide no fim das contas onde a música de Neil é disponibilizada. O Spotify representava 60% das audições por streaming das músicas do cantor.

“Percebi que não poderia continuar apoiando a desinformação do Spotify que ameaça a vida do público amante da música”, escreveu Neil no comunicado, em referência ao podcast Joe Rogan Experience, um dos mais populares do mundo e exclusivo do Spotify, responsável por difundir mentiras relacionadas à vacina contra a covid-19.

Ainda é possível ouvir algumas músicas de Neil Young no Spotify, faixas presentes em compilações e trilhas sonoras de filmes. Aos órfãos dos álbuns, Neil os convida a migrarem para outros serviços. E com um bônus: vários deles, como Amazon e Apple Music, oferecem versões em alta definição, “como foram concebidas para serem ouvidas”, enquanto o Spotify ainda oferece músicas em qualidade padrão. Via Neil Young Archives (em inglês).

Quero que você informe imediatamente ao Spotify HOJE que quero todas as minhas músicas fora da plataforma. Eles podem ter [Joe] Rogan ou Young. Os dois, não.

— Neil Young, em carta enviada a seus agentes e gravadora. A demanda do músico canadense é um protesto contra o podcast de Joe Rogan, um dos mais populares do mundo. Rogan é um notório negacionista da vacina contra a covid-19. Em maio de 2020, Joe Rogan e o Spotify firmaram um acordo para tornar […]

O novo Winamp vem aí

Mencionei o retorno do Winamp na última Achados e perdidos, e acho que vale retomar o assunto antes da ~revelação para comentar o site institucional do app.

O site é a antítese do que o Winamp era e o motivo da sua adoração. O app clássico era rápido, ágil, direto ao ponto. Esse site é lento e sequestra a rolagem do mouse. A primeira impressão é péssima. Pelo menos ainda dá para baixar a última versão do Winamp clássico (5.8).

Apple compra streaming de música clássica e promete app para 2022

A Apple adquiriu o streaming de música clássica Primephonic. O valor do negócio não foi informado. De imediato, o Apple Music ganhará playlists e conteúdo exclusivo do Primephonic e, em 2022, um novo aplicativo será lançado. Já o app/serviço independente do Primephonic será encerrado já no próximo dia 7 de setembro. Os atuais assinantes receberão seis meses de gratuidade no Apple Music. Via Apple (em inglês).

A música clássica tem toda uma organização de meta dados própria, que em muitos aspectos é estranha ou incompatível com a da música popular. Nesta matéria de 2019, que destaca Primephonic e um serviço rival, o Idagio, o New York Times explica tais particularidades:

Para a maior parte das músicas no Spotify ou Apple Music, uma listagem do artista, faixa e álbum funciona bem. Mas críticos do status quo [os serviços de streaming especializados] argumentam que a estrutura básica do gênero clássico — com compositores não performáticos e trabalhos compostos por múltiplos movimentos — não é adequada ao sistema construído para o pop.

AirPods Max, de R$ 6,9 mil, não conseguem reproduzir músicas em formato lossless

Nenhum AirPods da Apple, nem mesmo os AirPods Max de R$ 6,9 mil, é capaz de reproduzir as músicas em lossless que chegam ao Apple Music em junho. Mesmo caso dos dois HomePods. A interface Bluetooth é um obstáculo previsível, mas mesmo quando ligados por um cabo Lightning, possibilidade no modelo Max, os caríssimos fones de ouvido da Apple ainda não conseguem reproduzir o formato de áudio sem perdas. Via The Verge (em inglês).

Como lembrou o leitor Gabriel Arruda, é um típico caso de obsolescência percebida: até literalmente ontem, os donos de AirPods não pareciam sentir falta das faixas lossless.

Compre dos parceiros do Manual:

Manual do Usuário