O novo ícone do Bloco de Notas

Novo ícone do Bloco de Notas, no Windows 10 build 21337.
Imagem: Microsoft/Reprodução.

A última versão do Windows 10 para testadores, build 21337, trouxe novos recursos para os desktops virtuais, uma interface mais espaçada para o Explorador de Arquivos e um novo ícone para o Bloco de Notas (acima), que agora passa a ser distribuído pela Loja do Windows. Via Microsoft (em inglês).

Os riscos da investida comercial da Wikipédia / Video game por assinatura é bom negócio?

Apoie o Manual: https://manualdousuario.net/apoie No podcast desta semana, Jacqueline Lafloufa e Rodrigo Ghedin debatem a investida comercial da Wikipédia, a Wikimedia Enterprise (matéria da Wired), e os acordos que serão estabelecidos com grandes empresas, como Amazon, Apple e Google. Isso afeta a imagem da Wikipédia? Quais as oportunidades? E os riscos? No segundo bloco, debatemos […]

Office 2021, em compra única (sem assinatura), chega no final do ano

Faz alguns anos que a Microsoft mudou o modelo de negócio do Office, passando a vendê-lo em uma assinatura no Office/Microsoft 365. Em paralelo e com menos destaque, porém, aquela versão com preço fechado, pago uma única vez, continua disponível e sendo atualizada em um ritmo mais fraco. A próxima versão será o Office 2021, para usuários domésticos e pequenas empresas, que deve chegar ao mercado até o fim do ano, junto ao Office LTSC, esse vendido para grandes empresas e com prazo de suporte estendido (cinco anos).

Pode parecer tentador livrar-se de uma assinatura, mas será que vale a pena? Para usuários domésticos, o Office 2019 Home & Student (versão mais recente) custa R$ 499 comprando direto da Microsoft. Em promoções do varejo, dá para encontrar cartões de anuidade do Microsoft 365 por menos de R$ 100 — e, além dos aplicativos do Office sempre atualizados, o pacote ainda inclui 1 TB de espaço no OneDrive e 60 minutos por mês no Skype. Sei não. Via Microsoft (em inglês).

O&O ShutUp10: Configurações detalhadas para o Windows 10

O O&O ShutUp10 é um pequeno utilitário com mais de uma centena de opções para tornar o Windows 10 menos bisbilhoteiro. Ele permite desativar recursos de telemetria e “inteligentes”, que embora possam ser convenientes, por vezes só o são à custa da privacidade do usuário. O app é gratuito para usuários domésticos e não precisa ser instalado, e oferece botões simples para fazer configurações em lote (“ativar configurações recomendadas” ou “ativar tudo”, por exemplo). Download aqui.

Edge Chromium ganha sincronia de dados e temas

Em janeiro, o navegador Edge baseado no Chromium completa um ano. Para celebrar, a Microsoft lançou uma grande atualização. Entre outras novidades, destaque para a expansão da sincronia multiplataforma, que agora contempla abas abertas e histórico, e o suporte a temas — mesmo que o esquema de temas seja dos mais simples; só muda a cor das abas e a imagem de fundo da tela inicial. Via Microsoft (em inglês).

Versão vazada do Windows 10X mostra sistema parecido com Chrome OS e iPadOS

Menu Iniciar do Windows 10X ocupando a tela toda com barra de pesquisa, apps e sites e arquivos usados recentemente.
O novo menu Iniciar em tela cheia. Imagem: The Verge/Reprodução.

Vazou uma versão preliminar do Windows 10X e o The Verge pôs as mãos nela rodando em um dispositivo de uma tela só. (O 10X, inicialmente, seria destinado apenas a dispositivos com duas telas.) O sistema parece ser uma resposta ao Chrome OS — e ao iPadOS e, não que isso seja algo bom, lembra bem o finado Windows RT.

O menu Iniciar perde os bloquinhos e ocupa a tela toda, aquele monte de ícones no canto direito da barra inferior desapareceu, e um toque/clique no relógio expande Central de Ações. As janelas dos apps abrem sempre em tela cheia e podem ser postas lado a lado, como no iPadOS. Outra coisa intrigante é a simplificação do Explorador de Arquivos: ele gerencia arquivos do OneDrive, baixados e de pen drives, mas “não há como acessar arquivos locais,” segundo a reportagem porque o 10X é um sistema feito para a nuvem. Para fechar, aplicativos desktop/clássicos não devem ser suportados. Sei não, hein… Veja mais fotos e GIFs animados no The Verge (em inglês).

100 milhões de Windows 7 em 2021

Não há um número exato de computadores com Windows 7 em uso. Estimativas apontam pelo menos 100 milhões de PCs com esta versão do sistema, lançada no longínquo 2009 e há quase um ano sem suporte da Microsoft. Não é só por preguiça: sistemas legados incompatíveis, preferência pela interface e agilidade no tempo de resposta e custos seguram muita gente na versão defasada. Via ZDNet (em inglês).

Nesta equipe, você trabalhará com nossa plataforma chave, Surface, e parceiros OEM para orquestrar e entregar um rejuvenescimento visual abrangente das experiências do Windows para sinalizar aos nossos clientes que o Windows VOLTOU e garantir que o Windows seja considerado a melhor experiência de sistema operacional do usuário para os clientes.

— Microsoft O trecho acima estava na descrição de uma vaga de emprego da Microsoft para engenharia de software. Depois que alguns sites notaram-no, a empresa suprimiu algumas partes. Desde o Windows 8, de 2012, os usuários do sistema da Microsoft convivem com partes modernas e legadas na interface, e mesmo as modernas parecem não […]

Salesforce compra Slack por US$ 27,7 bilhões

A Salesforce anunciou a compra do Slack por US$ 27,7 bilhões — a maior aquisição já feita pela empresa. O Slack, a quem não está familiarizado, é uma ferramenta de comunicação para empresas primariamente por texto, com uma busca e relatórios poderosos e que aceita robôs que se integram a outros serviços e auxiliam os funcionários humanos a desempenharem suas tarefas. Tipo o antigo IRC, mas com mais recursos e aplicativos pesados.

O Slack, fundado em 2010 por Stewart Butterfield, é um queridinho do setor, mas vem sofrendo nos últimos anos com a concorrência ferrenha do Microsoft Teams, lançado em 2017. Em número de usuários, o Slack tem 12 milhões (dado de um ano atrás) contra 115 milhões da Microsoft. Em julho deste ano, o Slack fez uma reclamação formal da Microsoft à Comissão Europeia, acusando-a de abusar da sua posição com o Office para embutir o Teams e ganhar mercado. Desde que abriu seu capital em abril de 2019, as ações do Slack nunca ultrapassaram o preço do IPO. Agora, sob as asas de outra gigante (a Salesforce vale US$ 219 bilhões), talvez se torne mais competitiva. Via New York Times (em inglês, com paywall).

Microsoft removerá nomes da “pontuação de produtividade” do Microsoft 365

A repercussão daquela notícia de que o Microsoft 365 atribui uma “pontuação de produtividade” aos funcionários, acessível ao empregador, pegou mal. Graças a ela, a Microsoft anunciou mudanças no produto. Jared Spataro, VP corporativo de Microsoft 365, disse em um post que os nomes dos funcionários serão removidos, e que daqui em diante a “pontuação de produtividade somente agregará dados no nível da organização”, ou seja, que “ninguém na organização conseguirá acessar dados de como um usuário específico está usando apps e serviços no Microsoft 365.” Via Microsoft (em inglês).

Clientes do Microsoft 365 monitoram atividades individuais dos funcionários

Print do painel da pontuação de produtividade do Microsoft 365, com vários gráficos e a nota, 58% nesse caso.
Clique para ampliar. Imagem: @WolfieChristl/Twitter.

O Microsoft 365 tem uma “pontuação de produtividade” que monitora de perto os hábitos de uso dos funcionários, oferecendo-os ao empregador em um painel cheio de gráficos e que os comparam aos de outros funcionários. Não é muito difícil imaginar os impactos que saber quantos e-mails, edições em documentos colaborativos e outras métricas vazias do tipo, e compará-las às de outros funcionários, pode causar no dia a dia de uma empresa.

O recurso pode ser desativado, mas vem ativado por padrão, e a Microsoft incentiva que as empresas compartilhem esses dados com ela, para que possam compará-los aos de outras empresas, centralizando dados sensíveis de trabalho numa Big Tech.

O pesquisador Wolfie Christl, que soou o alarme no Twitter, resumiu bem o grande problema desse tipo de coisa: “A Microsoft ganha o poder de definir métricas altamente arbitrárias que podem afetar as vidas de milhões de trabalhadores e até remodelar como as empresas funcionam”. Por exemplo, um funcionário que manda muito e-mail aparece muito melhor no painel do chefe que aquele menos sociável, mesmo que esse último entregue mais ou melhores resultados, gerando impactos em salários, demissões e em toda a cultura de trabalho do local. Via @WolfieChristl/Twitter e The New Republic, em inglês.

Microsoft lança versão final da atualização de outubro do Windows 10

GIF animado mostrando o antes e depois do menu Iniciar do Windows 10.
Imagem: Microsoft/Divulgação.

A Microsoft começou a distribuir a atualização de outubro de 2020 do Windows 10. São pouquíssimas novidades, fora as correções de falhas e outras melhorias internas, com destaque ao menu Iniciar, agora com blocos semi-transparentes. Com as pessoas confiando mais em seus PCs domésticos e levando em conta os desastres catastróficos de algumas atualizações recentes do Windows 10, a Microsoft informa que vai liberar esta atualização ao pouco, nas próximas semanas, “para garantir uma experiência de atualização confiável”. Melhor assim. Via Microsoft (2) (em inglês).

No início de setembro, quando anunciei meu novo trabalho, sofri ataques de todos os tipos, […] até ameaças de estupro, morte e julgamentos por expor situações mais tensas. […] Devido a todos esses ataques, a Microsoft encontrou como melhor opção me desligar do cargo de apresentadora para que eu não esteja mais exposta a situações como essas que se passaram.

— Isadora Basile, ex-apresentadora do canal Xbox Brasil. Conceito curioso, esse da Microsoft, de prejudicar a vítima para “defendê-la”. No Twitter, o perfil oficial do Xbox disse que a demissão se deu por “algumas mudanças em nossa estratégia de conteúdo original de Xbox no Brasil”. Ainda que seja o caso (uma infeliz coincidência), continua zoado, […]

O site recebe uma comissão quando você clica nos links abaixo antes de fazer suas compras. Você não paga nada a mais por isso.

Nossas indicações literárias »

Manual do Usuário