Fundo azul, com uma chamada para um PlayStation 5 no centro. À esquerda, a frase “Ofertas de verdade, lojas seguras e os melhores preços da internet.” À direita, “Baixe o app do Promobit”.

Apple corrige falhas “dia zero” e uma que fazia iPhone consumir mais bateria que o normal

A Apple liberou uma pequena, mas importante atualização na sexta (1º) para o iOS, iPadOS (15.4.1) e macOS (12.3.1). No iOS/iPhone, ela corrige uma falha que fazia o celular consumir mais bateria que o normal. Nos três sistemas, tapa duas falhas do tipo “dia zero” que, segundo a empresa, já estavam sendo exploradas.

Em 2022, a Apple já corrigiu cinco falhas do tipo “dia zero” — preocupantes porque expõem os sistemas a ataques antes mesmo que a Apple saiba que elas existem. Via BleepingComputer, Apple (ambos em inglês)

Melhore um bocado o “copiar e colar” do seu computador

Antes da dica, uma breve explicação: “área de transferência” (ou “clipboard”, no inglês) é um espaço na memória do computador ou celular que armazena temporariamente algo copiado ou recortado. Por padrão, a maioria dos sistemas operacionais só lida com um item por vez na área de transferência. Você provavelmente está acostumado(a) a essa limitação. Só […]

Apple libera iOS 15.4 com novos emojis e Face ID com máscara

A Apple liberou o iOS 15.4 nesta segunda (14). A nova versão traz suporte ao Face ID com máscara (desde que você tenha um iPhone 12 ou mais recente) e novos emojis. O macOS 12.3, também já disponível, traz emojis aos computadores da marca e o Controle Universal, que permite compartilhar mouse e teclado entre Mac e iPad. Os outros sistemas da casa também foram atualizados, sem novidades significativas. Via MacMagazine (2).

Google Drive estava sinalizando arquivo comum do macOS como material pirata

Dos riscos de nuvens comerciais: o Google Drive estava sinalizando alguns arquivos .DS_Store como infração a direitos autorais. Esses arquivos são ocultos e gerados automaticamente pelo macOS para registrar definições do diretório onde estão. Imagine perder o acesso à conta Google por um não-problema como esse?

Ao Bleeping Computer, que reportou o problema, o Google informou que ele afetou um pequeno número de usuários e foi corrigido em janeiro, mas que alguns “casos isolados” ainda persistem e estão sendo atualizados. Via Bleeping Computer (em inglês).

Apple corrige falha grave de segurança no Safari 15 em atualizações dos seus sistemas

A Apple liberou novas versões dos seus sistemas operacionais que, entre outras correções, traz a que tapa uma falha grave no Safari 15 divulgada em 14 de janeiro. A falha atinge a API IndexedDB e possibilita o vazamento de dados de um site a outros abertos na mesma sessão. Baixe agora o iOS 15.3, iPadOS 15.3, macOS 12.2 (e atualizações especiais para o Big Sur e o Catalina) e watchOS 8.4. Via MacMagazine.

Pegasus do NSO Group afeta computadores também?

Lamentável toda a situação envolvendo Thiago Tavares, presidente da SaferNet, que se exilou na Alemanha após sofrer ameaças e ter seu computador invadido, reflexo do recrudescimento do cenário brasileiro. Via Uol Tilt.

Na carta em que anunciou a decisão, um detalhe chamou a atenção: Thiago afirma que teve seu computador infectado pelo Pegasus, software espião da empresa NSO Group, sediada em Israel, no noticiário há alguns meses por uma série de casos do tipo, ou seja, em que foi usado contra ativistas, jornalistas e opositores.

O Pegasus é um software poderoso. Ele se instala discretamente e concede acesso a praticamente tudo que existe no celular da vítima. Segundo o NSO Group, o Pegasus é vendido (supostamente) apenas a governos e autoridades, e tem como alvos celulares — ele ataca os sistemas Android e iOS. No comunicado à imprensa em que anunciou que processaria a empresa israelense, a Apple sequer menciona o macOS, seu sistema para computadores.

No dia 3 de dezembro, o perfil da SaferNet no Twitter enviou uma mensagem aos perfis da Apple e da Adobe pedindo para que as empresas trabalhassem na correção do vetor de ataque usado pelo NSO Group.

Vale lembrar que a última falha explorada pelo Pegasus/NSO Group afetava iOS, macOS e watchOS a partir do iMessage. Até agora, porém, não se tinha notícia de um ataque ao macOS.

Fica a dúvida, então: ou a SaferNet confundiu-se, ou o Pegasus evoluiu. Sendo quem é, seria um deslize muito óbvio tal confusão.

O Manual do Usuário entrou em contato com a SaferNet pedindo esclarecimentos. Aproveito para prestar toda a solidariedade ao Thiago — aspectos técnicos chamam a atenção, mas não se sobrepõem à gravidade da situação como um todo.

Extensão para iOS e macOS troca tocador pesado do YouTube por um leve em HTML

A extensão Vinegar, para iOS e macOS e criada por Zhenyi Tan, substitui o tocador de vídeos do YouTube — no próprio site do YouTube e em outras páginas, onde eles estiverem incorporados — por um leve, usando a tag <video> do HTML. Custa R$ 10,90 na App Store. Via Zhenyi Tan and a dinosaur (em inglês).

Para quem não usa os sistemas da Apple ou outro navegador, a extensão Privacy Redirect (Chrome e derivados, Firefox) faz algo similar: se assim configurada, ela troca o tocador de vídeos do YouTube incorporado em outros sites pelo do Invidious. A estabilidade depende da instância adotada, mas funciona bem. E para links diretos ao YouTube, como o nome sugere, a extensão redireciona o usuário a uma instância do Invidious.

Apple dá giro de 360º e Safari do macOS 12 Monterey terá leiaute antigo como padrão

Print do Safari 15 do macOS 12 Monterey com várias abas abertas, a em exibição no site do MacRumors.
Imagem: MacRumors/Reprodução.

O Safari 15 do macOS 12 Monterey virá, afinal, com o mesmo leiaute do Safari 14 do Big Sur (imagem acima). No último segundo, a Apple reverteu as mudanças indigestas na interface do seu navegador que propôs e testou, com múltiplas variações, durante as versões beta do MacOS 12. O leiaute original, com abas que se desdobram em barra de endereço e sem uma divisão explícita entre os elementos da borda superior e o site em exibição, ainda pode ser ativado nas configurações. Foi batizado de modo “Compacto”. Via MacRumors (em inglês).

Pelo menos desta vez não levou cinco anos para a Apple perceber a bobagem que fez e revertê-la.

Fadiga de novidades

Nos eventos públicos da Apple, a empresa costuma encerrar cada segmento com um slide repleto de quadrados e retângulos que destacam as principais novidades apresentadas, uma espécie de resumo em uma página só. Na abertura da WWDC, nesta segunda (7), vimos vários desses slides e isso me deixou um pouco ansioso.

O que chamou a atenção no iOS 15, iPadOS 15 e macOS 12 Monterey

A abertura da WWDC 2021 ficou dentro do esperado, com novas versões dos sistemas da Apple, a saber: iOS 15, iPadOS 15, watchOS 8 e macOS 12 Monterey. Abaixo, o tradicional comentário no calor do momento dos anúncios:

  • A oferta de aplicativos e serviços próprios é tão grande que deu à Apple o luxo de passar quase duas horas falando de integrações e benefícios que só dizem respeito a usuários mergulhados em seu ecossistema. Se você está nessa ao ponto de usar o iMessage para conversar com família e amigos, foi um prato cheio. Se não, sobraram algumas migalhas interessantes.
  • A maioria das novidades se espalha por todos os sistemas. Coisas como itens compartilháveis em apps como Fotos e Mensagens (Shared With You), experiências remotas pelo FaceTime (Share Play), configurações de notificações personalizáveis (Focus) e reconhecimento de escrita em imagens, por exemplo, estarão presentes no iOS 15, iPadOS 15 e macOS 12.
  • O iPadOS 15 mistura os widgets aos ícones da tela inicial e ganhou a Biblioteca de Apps, acessível pela Dock. A atualização mexe — mais uma vez — na multitarefa do tablet da Apple. Desta vez, pelo menos, haverá indicadores visuais para facilitar a descoberta e o uso desses recursos.
Tela inicial do iPadOS 15 com widgets misturados aos apps.
Imagem: Apple/Divulgação.
  • O nome do novo macOS 12 é Monterey. Sua maior novidade exclusiva é a chegada do aplicativo Atalhos, já presente no iOS e iPadOS. Diz a Apple que o app é “o futuro da automação no macOS”.
  • O Safari foi redesenhado e está ainda mais discreto. Agora, a barra de endereços fica dentro da aba do site em foco. O navegador da Apple também ganha suporte a grupos de abas/sites e as versões do iOS/iPadOS, suporte a extensões. No iPhone, a barra de endereços vai para o rodapé da tela.
Print do novo Safari do macOS 12 Monterey, mostrando os grupos de abas.
Imagem: Apple/Divulgação.
  • Usuários pagantes do iCloud ganham um “upgrade” sem custo ao iCloud+, que dá direito a uma espécie de VPN/Tor nativo e máscaras para e-mail.
  • Boas novidades de privacidade, como uma linha do tempo (de até sete dias) de recursos do celular acessados pelos aplicativos, ocultação do IP/localização do usuário a sites no Safari e o bloqueio de pixels rastreadores em e-mails/newsletters no Mail.
  • ênfase, também, às novidades em saúde: será possível compartilhar dados biométricos com familiares e médicos e a Apple avisará quando algum dado monitorado apresentar variações preocupantes. Tudo muito bonito e útil, desde que você tenha grana para comprar um iPhone e um Apple Watch — no Brasil, esse kit versão básica (Apple Watch SE e iPhone SE) não sai por menos de R$ 4 mil.
  • A Siri passa a processar requisições de tarefas mais simples no próprio dispositivo, sem se conectar à internet. Além do fator privacidade, a mudança acelera um bocado o tempo de resposta.
  • O iOS 15 será compatível com o iPhone 6S, lançado em 2015. Aparentemente, os demais sistemas também chegarão aos mesmos dispositivos compatíveis com os sistemas de 2020.
  • As versões beta dos novos sistemas já estão disponíveis para desenvolvedores. Ao público, elas chegam em julho. E as versões finais, em algum dia do “outono” (primavera aqui no hemisfério Sul).

Mais coisas foram anunciadas — foi um evento cheio, com quase 2 horas de duração. Deixei escapar alguma interessante? Comente aí embaixo.

Falha de 21 anos é corrigida no Firefox para macOS

Acompanhe esta linha do tempo:

  • 5 de abril de 2000. Uma pessoa reportou um problema nos menus de contexto do Firefox para o então MacOS: eles não usavam menus nativos do sistema, o que gerava inconsistências visuais e vetores para o surgimento de outras falhas — uma comparação entre os menus de contexto no Firefox e no Safari. Houve algum debate, mas o assunto morreu.
  • 4 de dezembro de 2020. Markus Stange escreveu: “Comecei a dar uma olhada nisto” seguido de um texto enorme detalhando o bug, o que reiniciou as discussões.
  • 27 de abril de 2021. Markus anuncia que a correção do problema foi incorporada ao Firefox Nightly, a versão de testes mais experimental do navegador, e deverá estar na versão 89 estável, que deve sair logo.

É isso: uma falha de 21 anos, anterior ao próprio macOS, foi corrigida no Firefox do macOS. Via Bugzilla (em inglês).

Compre dos parceiros do Manual:

Manual do Usuário