Fundo azul, com uma chamada para um PlayStation 5 no centro. À esquerda, a frase “Ofertas de verdade, lojas seguras e os melhores preços da internet.” À direita, “Baixe o app do Promobit”.

A cultura pop virou um oligopólio

A cultura pop virou um oligopólio [em inglês], por Adam Mastroianni na newsletter Experimental History:

Sou inerentemente cético em relação a grandes alegações a respeito de mudanças históricas. Publiquei recentemente um artigo mostrando que as pessoas superestimam o quanto a opinião pública mudou nos últimos 50 anos, por isso, naturalmente, estou atento a vieses similares aqui. Mas esta mudança não é ilusória. É grande, está acontecendo há décadas e em todos os lugares que se olha. Portanto, vamos ao fundo da questão.

[…]

O problema não é que a média tenha diminuído. O problema é que a diversidade diminuiu. Filmes, TV, música, livros e video games deveriam expandir a nossa consciência, levar a nossa imaginação a dar saltos e nos introduzir a novos mundos, histórias e sentimentos. Deveriam nos alienar às vezes, ou nos irritar, ou nos fazer pensar. Mas não são capazes de nada disso se apenas nos alimentam de sequências e “spinoffs”. É como comer miojo toda noites, para sempre: pode ser confortável, mas uma hora ou outra você ficará desnutrido(a).

14% dos e-books Kindle mais vendidos no Brasil são histórias sensuais envolvendo um CEO

Um curioso fenômeno literário se manifesta no ranking brasileiro dos e-books Kindle pagos mais vendidos: a prevalência de histórias com CEO no título.

Levantamento do Manual do Usuário detectou que sete livros (ou 14% do total) mencionam o cargo executivo máximo em empresas no título, quase sempre em alusão a situações sensuais e/ou com outros termos inusitados recorrentes no ranking, como grávidas e babás virgens.

São livros baratos, com preços entre R$ 1,99 e R$ 5,99, e todos integram o Kindle Unlimited, o programa de assinatura de e-books da Amazon. E são bem avaliados, com notas acima de quatro estrelas (de um total de cinco) decorrentes de centenas ou milhares de avaliações.

Os livros são assinados por autores(as) diferentes, o que indica uma tendência. Eles parecem influenciados pela trilogia Cinquenta tons de cinza, o mega-sucesso de E.L James, mas não deixa de ser curiosa a fixação com CEO, um termo um tanto específico e que, no geral, só é lido nas páginas de negócios dos jornais e em publicações especializadas. Fetiche é uma coisa maluca.

Abaixo, a lista dos títulos, com a posição no ranking e autor(a), nesta terça (5):

  • #2. CEO Blackwolf: A vingança do lobo negro de Wall Street, de Lettie S.J.
  • #8. O filho que o CEO não conhecia, de Renata R. Corrêa.
  • #9. Grávida do CEO que não me ama, de Aline Pádua.
  • #13. O pai dos meus bebês é o CEO, de Aline Damasceno.
  • #18. A influencer que conquistou o CEO, de T. M. Kechichian.
  • #31. Apenas me ame: Um amor para o CEO, de Thais Oliveira.
  • #47. Coração rendido: A babá virgem e o CEO viúvo, de Kevin Attis.

Inventando o naufrágio: A abordagem pessimista da tecnologia na obra de Paul Virilio

Pouco antes de mudar de nome, a empresa de tecnologia anteriormente conhecida como Facebook experimentou o que chamou de “inconveniência”. O que é uma forma bastante suave de descrever “alterações de configuração nos routers de backbone” que resultaram na indisponibilidade do Facebook (juntamente com as plataformas Instagram e WhatsApp, de sua propriedade) durante cerca de […]

Uma verdade incômoda, de Cecilia Kang e Sheera Frenkel

Capa do livro “Uma verdade incômoda” sobre uma mesa branca circular; ao fundo, chão de tacos de madeira.
Foto: Rodrigo Ghedin/Manual do Usuário.

Os historiadores do futuro terão trabalho para compreender a amalucada segunda metade dos anos 2010, da ascensão de líderes populistas à hegemonia das redes sociais no debate público, ou na degradação deste. Documentos como Uma verdade incômoda, de Cecilia Kang e Sheera Frenkel, serão essenciais. Já o é, neste caso.

O livro cobre o Facebook durante a era Trump, da campanha eleitoral em 2016 até a invasão do Capitólio em 6 de janeiro de 2021, com algumas digressões para contextualizar a empresa e a trajetória dos seus dois principais executivos e protagonistas da história, Mark Zuckerberg (co-fundador e CEO) e Sheryl Sandberg (COO).

É uma história recente, ainda fresca na memória de muitos e que continua se desenrolando. Mesmo para quem a acompanha, o livro vale pelos bastidores reveladores a que as autoras tiveram acesso e pela montagem cronológica, muito bem feita. Não que faltem argumentos, e talvez até por isso, é chocante o quão insana a direção do Facebook se revela e como a prioridade ali dentro sempre foi lucro e poder, a despeito das ladainhas de porta-vozes e executivos quando em público.

Uma verdade incômoda saiu no Brasil pela Companhia das Letras. Meu agradecimento à editora pelo envio de uma cópia cortesia. Compre na Amazon, Magalu ou direto da editora1.

  1. Ao comprar por estes links, o Manual do Usuário recebe uma pequena comissão das lojas. O preço final para você não muda.

Livraria Cultura lança serviço de assinatura de livros físicos

A Livraria Cultura lançou um curioso modelo de assinatura, o +Cultura Pass. Por R$ 14,90 ao mês, o assinante tem direito a emprestar um livro por mês em qualquer loja da rede, lê-lo e depois devolvê-lo. Tipo uma biblioteca pública, porém pago e, em vez de multa, se o assinante não devolver o livro em até 30 dias, a Cultura entende que ele quer mantê-lo e lança uma cobrança com 20% de desconto sobre o valor de capa. A assinatura ainda traz outras vantagens, como descontos na compra de livros e acesso ilimitado à Ubook, plataforma de áudiolivros. Via PublishNews.

Conversas sobre livros

A Michele Strohschein, leitora do Manual do Usuário, está desenvolvendo um projeto para leitores de livros. Uma das etapas iniciais é entender como as pessoas lidam com os livros que leem e, para isso, ela está realizando entrevistas breves, de 10 minutos, com pessoas interessadas neste assunto. Como incentivo, no dia 7 ela sorteará um vale-compra de R$ 50 entre os participantes. O site do projeto o explica melhor e, caso se interesse em ajudá-la, marque a entrevista nesta página.

Em 2020, Festa do Livro da USP acontece na internet

Devido à pandemia, a tradicional Festa do Livro da USP será virtual este ano. O evento, que reúne +170 editoras oferecendo livros dos seus catálogos com no mínimo 50% de desconto, começou nesta segunda (9) e vai até o dia 15 de novembro.

Funciona assim: no site, é possível acessar as listas de todas as editoras. Ao decidir pela compra de um livro, o interessado deve acessar o site da editora e finalizar a compra por lá. Isso significa que não será possível levar livros de editoras distintas pagando só um frete, mas foi a melhor solução encontrada pela Editora da USP (Edusp), promotora do evento, para não gerar custos às editoras, o que poderia afastar as menores. O site da festa, no momento, está lento. Via Jornal da USP.

Compre dos parceiros do Manual:

Manual do Usuário