No LG Digital Experience 2015, ataquei de DJ e me apaixonei por uma TV

Ontem (12), na Bienal do Ibirapuera, em São Paulo, a LG apresentou sua linha de produtos para 2015 no Brasil. Além de máquinas de lavar roupas, lava-louças, micro-ondas e sistemas de ar condicionado, conferi também as coisas que você está acostumado a ver aqui: smartphones, um novo relógio inteligente e TVs — incluindo uma particularmente estonteante.

O Digital Experience de 2015 foi especial: é o 20º aniversário da empresa no Brasil. O evento concentrou as últimas novidades das suas diversas linhas de produtos. Na parte que nos interessa, os destaques foram o G Flex 2, versão refinada do smartphone com tela curvada de 2014, e o G Watch R, relógio com tela totalmente circular rodando Android Wear. Mas… Continue lendo “No LG Digital Experience 2015, ataquei de DJ e me apaixonei por uma TV”

[Review] G3, o primeiro smartphone global com tela QuadHD

Com hardware e software virtualmente idênticos, as fabricantes de smartphones Android sempre buscaram, desde o início, por diferenciais para se destacarem da multidão. Dessa busca resultaram as skins e personalizações do sistema e apetrechos de hardware, tudo isso no mínimo questionável.

É bem difícil fazer um smartphone topo de linha ruim em 2014. Se ser bom é o básico, como então chamar a atenção sem cair nos pecados citados acima? Uma saída é apelar para marketing. Outra, adotada pela LG no G3, terceira versão do seu topo de linha, é empurrar para mais longe os limites da tecnologia e, ao mesmo tempo, torná-la mais simples. O G3 ganhou um banho de loja e tem a tela com maior resolução do mercado. É o suficiente para levá-lo ao trono dos smartphones Android? Continue lendo “[Review] G3, o primeiro smartphone global com tela QuadHD”

Novos smartphones da LG, Blu e Positivo são lançados no Brasil

Outubro já desponta no horizonte, daqui a pouco as lojas começarão a se enfeitar e as propagandas natalinas estarão na TV. A indústria também está se preparando para o Natal e, provavelmente por esse motivo, uma enxurrada de novos smartphones chegou ao mercado brasileiro nesse início de semana.

A LG anunciou a disponibilidade das variantes simplificadas do G3 (review em breve!), G3 Beat e G3 Stylus, e o G2 Lite que, segundo a fabricante, “traz ferramentas do G3”. Todos os três estão disponíveis em três cores (preto, branco e dourado), têm câmera frontal, contam com o Android 4.4.2 e as modificações exclusivas da LG, como o Knock Code.

O primeiro é a versão “compacta”, com tela de 5 polegadas com resolução HD (1280×720), SoC Snapdragon 400, câmera de 8 mega pixels com sistema de foco a laser, 1 GB de RAM e 8 GB de memória interna (e slot para cartão microSD). O preço sugerido do G3 Beat é de R$ 999. Continue lendo “Novos smartphones da LG, Blu e Positivo são lançados no Brasil”

Tela, câmera e estilo são os pontos fortes do G3, smartphone topo de linha da LG agora no Brasil

Ontem (22) a LG anunciou a chegada do G3 no Brasil, seu novo smartphone topo de linha. A empresa ressaltou o poder e a simplicidade do aparelho para tentar ganhar o consumidor premium (leia-se com mais de R$ 2.000 para gastar em um celular) e aproveitou para exibir, também, o relógio inteligente G Watch e a nova família de tablets G Pad. Tudo isso na companhia da atriz Cleo Pires numa vibe bem estranha e mais um punhado de gente da imprensa em São Paulo. Continue lendo “Tela, câmera e estilo são os pontos fortes do G3, smartphone topo de linha da LG agora no Brasil”

Com quantos pixels se faz uma boa tela? Para a LG e seu G3, com muitos

Ontem a LG apresentou o G3 em Londres, a nova versão do seu smartphone topo de linha. Não é de agora que as fabricantes que usam Android promovem saltos em especificações a cada geração dos seus aparelhos, mas em um ano sem grandes novidades no principal concorrente, o Galaxy S5 da Samsung, a LG aproveitou a brecha para empurrar os limites da tecnologia móvel mais para cima. Nesse contexto e ante o que foi mostrado, talvez seja de bom tom perguntar: toda essa tecnologia é desejável ou mesmo vantajosa para o usuário?

Quantos pixels você tem, tela do G3!

G3, novo smartphone topo de linha da LG.
Foto: LG.

Pode soar “neoludista” ou mesmo desdenhoso, mas o questionamento recai, principalmente, na tela do novo G3. Ela tem 5,5 polegadas, tamanho que anula quaisquer distinções que ainda pudessem existir entre “smartphones convencionais” e phablets. Aliás, enterremos o nome “phablet”; ele não faz mais sentido.

Não é bem o tamanho físico que emana preocupações. Por maior que seja a tela, ela aproveita bem a área frontal do G3, ocupando 76,4% dela. O smartphone é grande, claro, mas parece que a mágica da Motorola com o Moto X, capaz de tornar um aparelho com tela de 4,7 polegadas bastante “segurável”, foi replicada pela LG. Quem esteve no evento e testou o G3 diz que ele é confortável e parece “menos ridículo” do que os números poderia fazer pensar, mais leve, menor e confortável do que se imaginaria apenas lendo as especificações. E vamos enfrentar os fatos: com smartphones de 6 polegadas, a LG ainda está dentro da margem segura de celulares gigantescos que as pessoas ainda compram.

Nas 5,5 polegadas da tela do G3 a LG espalhou 2560×1440 pixels, resolução QuadHD, chegando a uma densidade incomum de incríveis 538 PPI (pixels por polegada, no inglês). Durante a apresentação, Ramchan Woo, chefe de planejamento de smartphones da LG, retificou uma das falas mais citadas de Steve Jobs nos últimos anos, a da tela Retina. Segundo o falecido co-fundador da Apple, o olho humano é incapaz de perceber diferença em telas com mais 300 PPI. Para Woo, o El Dorado da resolução está em colocar 300 linhas de pixels por polegada, e para chegar a tanto é preciso dobrar a densidade.

As telas Full HD do ano passado em tamanhos menores, chegando a ~450 PPI, penderam mais para o posicionamento de Jobs. Mas será que indo além, mais pixels farão diferença?

Comparativo microscópico da tela QuadHD do G3 com outras.
A tela do G3, no microscópio. Foto: GigaOm.

É difícil dizer sem ver. Nos hands-on já publicados, os jornalistas foram cautelosos. Elogios de sobra à tela, uma área onde a LG tem mandado bem há anos, mas nada específico ou particularmente entusiasmado relacionado à resolução. Essas impressões iniciais meio que adiantam a resposta à pergunta acima: provavelmente não. E nem entraram no mérito, por falta de tempo mesmo, de eventuais impactos à autonomia que uma resolução quatro vezes maior que o HD pode causar.

De qualquer forma, reservo-me para tecer comentários mais incisivos sobre o tema quando colocar minhas mãos em um G3 — ou meus olhos, para ser mais exato.

Novo G3 traz Android mais limpo.
Foto: LG.

G3: software mais simples, câmera com laser

Em outra área a LG também dobrou a aposta em busca de satisfazer o potencial futuro comprador do G3: software. Ela consolida os motes que, segundo a empresa, guiaram o desenvolvimento do novo smartphone: “Simples é o novo esperto” e “Aprendendo com você”.

É crítica constante aqui o excesso de interferências que as fabricantes fazem no Android. Os aparelhos da LG disputam com os da Samsung a liderança no segmento destruição de interfaces, com modificações estéticas de gosto bem duvidoso, configurações esquisitas e outras que, apesar de bem pensadas, vêm inexplicavelmente desativadas por padrão.

No G3, a LG parece ter contornado alguns desses problemas. O visual está “flat” e, pelas fotos e vídeos, menos horrendo que nos smartphones da empresa de 2013. Quanto às configurações, o aparente temor em confundir o usuário foi deixado de lado. O novo app da câmera seja o que talvez melhor representa essa nova mentalidade: com uma interface absolutamente enxuta, ela traz apenas dois botões discretos e transforma todo o viewfinder em disparador. Confiança no taco, era isso o que faltava!

Novo app de câmera do G3 é bem simples.
Câmera simplificada. Foto: The Verge.

Embora eu prefira experiências mais limpas, alguns recursos trazidos pelas fabricantes são de fato úteis. No caso da LG, o KnockOn/Knock Code, que libera o smartphone com dois toques na tela, os apps flutuantes, o de controle remoto para TV e outros aparelhos domésticos… A lista cresce e com ela cresce também o apelo da experiência original junto a usuários mais experientes. Já vi gente que discute em fóruns e comentários de blog de tecnologia, esse espécime difícil de agradar, dizendo preferir a ROM da LG a fazer root e instalar o CyanogenMod, graças aos mimos exclusivos. O G3 traz alguns novos, como o Smart Notice, um assistente do aparelho que indica apps que não estão sendo usados e dá outras dicas, e um teclado com altura personalizável.

É nesse sentido, investindo pesadamente em diferenciais, que a LG e outras fabricantes podem ganhar o amor dos usuários e se distanciarem do estigma de bloatware que impregna o Android desde sempre. O veneno que consumia a reputação delas pode, em doses cavalares, acabar sendo o antídoto para curar a desconfiança do público. Como bônus, o G3 traz recursos meio abandonados nas safras recentes de smartphones de ponta, mas apreciados: slot para cartão microSD e bateria removível.

Disponível em cinco cores, o sucessor do bem recebido G2 deve, de qualquer forma, chamar a atenção positivamente quando for lançado. A recepção morna do Galaxy S5 deu espaço para a LG em 2014 e ela está sabendo aproveitar o momento: de pequenos vazamentos controlados a números enormes, ainda que não seja lá tudo aquilo na prática, só pelo barulho que está fazendo já dá para considerar o G3 uma pequena vitória na intrincada guerra dos smartphones.

Preço e disponibilidade

Na Coreia do Sul, lar da LG, o G3 começa a ser vendido hoje. Nos demais países chega em junho, ancorado por 170 operadoras. Ainda não há data especificada, nem preço, para o Brasil, mas em breve a subsidiária local da LG deve anunciar esses e outros detalhes.

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!