Pessoa de sexo não identificado, com cabelo roxo e pele azul, segurando uma xícara de café com vários ícones em alusão ao Manual do Usuário na fumaça e um celular na outra mão. Embaixo, o texto: “Apoie o Manual pelo preço de um cafezinho”.

Uma verdade incômoda, de Cecilia Kang e Sheera Frenkel

Capa do livro “Uma verdade incômoda” sobre uma mesa branca circular; ao fundo, chão de tacos de madeira.
Foto: Rodrigo Ghedin/Manual do Usuário.

Os historiadores do futuro terão trabalho para compreender a amalucada segunda metade dos anos 2010, da ascensão de líderes populistas à hegemonia das redes sociais no debate público, ou na degradação deste. Documentos como Uma verdade incômoda, de Cecilia Kang e Sheera Frenkel, serão essenciais. Já o é, neste caso.

O livro cobre o Facebook durante a era Trump, da campanha eleitoral em 2016 até a invasão do Capitólio em 6 de janeiro de 2021, com algumas digressões para contextualizar a empresa e a trajetória dos seus dois principais executivos e protagonistas da história, Mark Zuckerberg (co-fundador e CEO) e Sheryl Sandberg (COO).

É uma história recente, ainda fresca na memória de muitos e que continua se desenrolando. Mesmo para quem a acompanha, o livro vale pelos bastidores reveladores a que as autoras tiveram acesso e pela montagem cronológica, muito bem feita. Não que faltem argumentos, e talvez até por isso, é chocante o quão insana a direção do Facebook se revela e como a prioridade ali dentro sempre foi lucro e poder, a despeito das ladainhas de porta-vozes e executivos quando em público.

Uma verdade incômoda saiu no Brasil pela Companhia das Letras. Meu agradecimento à editora pelo envio de uma cópia cortesia. Compre na Amazon, Magalu ou direto da editora1.

  1. Ao comprar por estes links, o Manual do Usuário recebe uma pequena comissão das lojas. O preço final para você não muda.

Agências de checagem de fatos cobram mais ações do YouTube contra a desinformação

Cerca de 80 agências de checagem de fatos do mundo inteiro — incluindo duas brasileiras, Aos Fatos e Lupa — enviaram uma carta aberta a Susan Wojcicki, CEO do YouTube, cobrando medidas mais assertivas no combate à desinformação na plataforma de vídeos do Google. (Leia a carta na íntegra.) O pedido se desdobra em quatro demandas:

  1. Exercer a transparência sobre como a desinformação trafega na plataforma e divulgar publicamente suas políticas para abordá-la;
  2. Concentrar-se em fornecer contexto em vez de excluir vídeos. Isto pode ser feito estabelecendo uma colaboração significativa e estruturada com organizações de verificação de fatos e investindo no trabalho delas;
  3. Agir contra infratores reincidentes que produzem conteúdo constantemente sinalizado como desinformação e impedir que seus vídeos sejam recomendados ou promovidos pelos algoritmos da empresa;
  4. Ampliar esses esforços a idiomas diferentes do inglês, e fornecer dados específicos de cada país e idioma, bem como serviços de transcrição eficazes.

As agências rejeitam o modo de atuação vigente, que gira em torno da exclusão ou não de vídeos, e esperam reunir-se com Susan em algum momento para debater o problema. Via Aos Fatos, Folha de S.Paulo, Lupa.

Samsung presenteia jornalistas, blogueiros e youtubers com celulares de até R$ 12,8 mil — de novo

Print de dois stories lado a lado, com os nomes dos autores ocultados, mostrando a cartinha da Samsung. Destaque para os trechos: “[…] a Samsung te presenteia” e “Aproveite tudo em seu novo Galaxy Z Flip 3.”
Imagens: Instagram/Reprodução.
O Natal chegou mais cedo para um grupo de jornalistas, blogueiros e youtubers brasileiros que cobrem tecnologia. Mais uma vez, a Samsung enviou um celular caríssimo de presente — prática vexatória denunciada pelo Manual do Usuário em 2020.

Desta vez, o presente é um Galaxy Z Flip 3, celular dobrável vendido na loja da Samsung por R$ 7 mil, ou um Galaxy Z Fold 3, de R$ 12,8 mil. O Manual encontrou posts nas redes sociais de quatro agraciados com o mimo da Samsung. Dois deles publicaram uma carta que acompanha o produto, em que a Samsung explicita que se trata de um presente (imagens acima).

É provável que outros pipoquem a partir de amanhã, quando muitos que estavam no Havaí, cobrindo o Snapdragon Summit, evento da Qualcomm, retornam ao Brasil.

Receber um presente tão caro de uma empresa que está (ou deveria estar) sob escrutínio, em reviews de produtos e na cobertura do dia a dia, põe em xeque a isenção do jornalista/blogueiro/youtuber. A única coisa a se fazer nessa situação é recusar o presente. Ano passado, apenas 1 (um) de 54 presenteados devolveu o Galaxy S20 Ultra de R$ 8 mil.

Para entender como a Samsung gasta quase meio milhão de reais por ano para comprar a simpatia da imprensa, leia a reportagem.

Xiaomi condena 100 milhões de usuários a verem conteúdo apelativo da Taboola em seus celulares

Xiaomi e Taboola anunciaram uma “parceria estratégica de longo prazo” nesta quarta (13). Sem especificar uma data, as duas empresas avisaram (ameaçaram?) que conteúdos do Taboola News serão exibidos na tela de bloqueio de mais de 100 milhões de celulares da Xiaomi em 60 países. O comunicado à imprensa não menciona países específicos, mas foi enviado a veículos no Brasil, logo…

Para quem não ligou o nome à empresa, a Taboola é responsável por gerar carrosséis de “nãotícias” no rodapé de notícias de verdade. Suas chamadas são para conteúdo no mínimo questionável; boa parte é de sensacionalismo barato, mas, não raro, aparecem mentiras deslavadas e coisas que beiram o criminoso. Apesar disso, seu produto está em uma infinidade de sites noticiosos, incluindo alguns renomados como Folha de S.Paulo e O Globo, os principais jornais do Brasil.

A única explicação para a onipresença do Taboola (e do Outbrain, rede rival no segmento de publicidade apelativa) é pagar muito bem. Bom para a Xiaomi, não tão bom para os usuários de Xiaomi que agora se depararão com pérolas como “Pílula natural para homens restaura sua virilidade e vigor” e “Médico Alerta: Pressão alta é um fator de risco. Se você toma Losartana, tente isso” — esses e outros exemplos estão nesta coluna do The Intercept Brasil.

A Taboola é uma das melhores justificativas para se instalar bloqueadores de anúncios em dispositivos que acessam a web. Não sabe como fazer? Siga por aqui.

O metaverso original

O Facebook acena que o metaverso será a próxima parada para os seus mais de dois bilhões de usuários. No jogo Fortnite, milhões de adolescentes se reúnem todos os dias e, entre um tiroteio e outro, ficam à toa e assistem a shows de artistas como Ariana Grande e Lil Nas X. No Axie Infinity, […]

Manual do Usuário entra para a Associação de Jornalismo Digital (Ajor)

O Manual do Usuário é uma das 11 novas publicações da Associação de Jornalismo Digital (Ajor). As atividades da Ajor se estruturam em três eixos: profissionalização e fortalecimento das associadas, defesa do jornalismo e da democracia e foco na diversidade. Lá, em boa companhia, espero que possamos contribuir e aprender para sempre melhorar o Manual e o jornalismo digital feito no Brasil. Via Ajor.

Folha volta a publicar conteúdo no Facebook

Em um texto meloso, a Folha de S.Paulo anunciou seu retorno ao Facebook, três anos depois de interromper a publicação de conteúdo na rede social. Segundo o texto, o retorno ocorre porque “[a] plataforma mudou postura e tem agido para valorizar jornalismo profissional e restringir a circulação de notícias falsas”.

Os esforços do Facebook para valorizar o jornalismo, listados em tom laudatório pela Folha, são insuficientes, para dizer o mínimo. Umas contas falsas apagadas aqui, uns trocados doados para projetos jornalísticos.

Decepcionante. Pelo menos essa notícia trouxe algo de bom: lembrou-me de excluir a já abandonada página do Manual do Usuário do Facebook. Feito. Obrigado, Folha?

Print da tela de confirmação, no Firefox desktop, da exclusão da página do Manual do Usuário no Facebook.

Atualização (13h56): Na redação original, havia feito uma provocação acusando o jornal de ter usado linguagem típica de publieditoriais para elogiar os feitos do Facebook. A fim de evitar confusões, esta parte foi alterada.

Twitter compra Scroll; Nuzzel será encerrado

O Twitter anunciou a compra do Scroll nesta terça (4). O serviço, lançado ano passado, é uma espécie de “Netflix de jornais/sites”: o usuário paga uma mensalidade de US$ 5 que é repartido entre os sites participantes que ele visita. Por sua vez, o usuário deixa de ver anúncios nesses sites — mas passa a ser monitorado pelo próprio Scroll, que precisa conhecer seus hábitos de leitura para fazer o rateio.

É a segunda aquisição de startups focadas em “leituras de fôlego” que o Twitter faz em 2021. Em janeiro, foi a vez do Revue, um serviço de newsletters similar ao Substack. De imediato, o Scroll não aceita mais usuários e segundo Tony Haile, fundador do serviço, ele deverá ser integrado ao Twitter em uma assinatura paga, que deve ser lançada até o final do ano.

Nessa, o que importa para (parte de) nós é que o Nuzzel, um agregador de redes sociais que envia uma newsletter automatizada diária com os links mais populares, será encerrado dia 6 de maio. Pena. Via Scroll (em inglês), Axios (em inglês), @arctictony/Twitter (em inglês).

Agência Lupa vende checagens de boatos como NFT

A Agência Lupa está vendendo algumas das suas checagens como NFT. Já venderam duas, por 0,05 ETH cada, cerca de R$ 390 no momento em que publico esta notinha. Há outras seis checagens disponíveis para compra.

Este talvez seja o melhor uso até agora de NFT. A Lupa encontrou uma forma de financiar o trabalho sério que fazem em cima da “arte” criada por gente mal-intencionada, por vezes criminosa. Via Agência Lupa, @agencialupa/Twitter.

Medium oferece programa de demissão voluntária a jornalistas após minar tentativa de sindicalização

Ev Williams anunciou um “pivot” no Medium. A empresa dará menos ênfase às suas nove publicações próprias e os jornalistas que trabalham nelas, e passará a dar apoio a “vozes independentes da plataforma” com “acordos, suporte, edição e feedback”. Em outras palavras, tentará emular o Substack.

A guinada deixará estragos e vítimas, como sempre acontece quando Ev acorda indisposto e decide mudar tudo no Medium, algo um tanto frequente. Siobhan O’Connor, VP responsável pelo editorial do Medium, se desligou da empresa, e o Medium está oferecendo uma espécie de programa de demissão voluntária aos funcionários do editorial, ou seja, convidando jornalistas a se demitirem.

Segundo a Vice, suspeita-se que o desmantelamento da unidade editorial do Medium seja uma retaliação à tentativa dos funcionários (todos eles) de se sindicalizarem. A direção do Medium, incluindo Ev, trabalhou ativamente para minar o processo, e conseguiu: a tentativa foi malfadada por apenas um voto de diferença. Via Vice (em inglês).

Cade investiga Google no Brasil por exibir pedaços de notícias na busca

À luz da polêmica recente na Austrália, o Uol Tilt recuperou o processo movido pelo Cade contra o Google, aqui no Brasil, relacionado aos “snippets”, trechos de notícias que são exibidos no Google Notícias. As partes envolvidas — Google, Associação Nacional dos Jornais (ANJ) e veículos jornalísticos — foram ouvidas até dezembro. Ainda não há previsão para o órgão decidir o caso.

Muitos membros da ANJ estão naquele programa de “Destaques” do Google, que distribui migalhas, digo, remunera jornais parceiros. A ANJ diz que o dinheiro recebido por ali “tem valor meramente simbólico”. Pode ser, mas é uma arma poderosa que o Google dispõe para se defender nesse caso. Se é “simbólico”, por que aceitá-lo? Pesa a favor do Google, ainda, o fato de que a adesão ao Google Notícias não é compulsória, ao contrário do buscador web. Um jornal ou site precisa realizar tomar a iniciativa e se submeter à aprovação para aparecer no Notícias — e é um processo complexo; o Google faz uma série de exigências.

Em 2014, jornais da Espanha se revoltaram contra o Google Notícias. Queriam, a exemplo dos jornais brasileiros, que o Google pagasse para veicular links e “snippets” no serviço. O Google fechou o Notícias no país e nunca mais voltou.

Austrália emenda projeto de lei e Facebook promete restaurar notícias em sua plataforma

Não durou uma semana o bloqueio a notícias na Austrália promovido pelo Facebook, medida imposta na última quarta (17) em retaliação a um projeto de lei que obriga as plataformas de tecnologia a pagarem publicações jornalísticas pelo seu conteúdo e links. O governo australiano emendou a lei e o Facebook, satisfeito com as mudanças, disse que as notícias serão restauradas “nos próximos dias”. Via Folha, Governo da Austrália (em inglês).

[Extra] As Big Techs não são amigas do jornalismo

Todo fim de ano, a Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) e a Farol Jornalismo, startup de conteúdo do Rio Grande do Sul, convidam um grupo de pessoas que analisarão os desafios que o jornalismo enfrentará no ano que começa. Em 2020, eu fui um dos convidados para escrever sobre o impacto dos monopólios digitais […]

Compre dos parceiros do Manual:

Manual do Usuário