Pessoa de sexo não identificado, com cabelo roxo e pele azul, segurando uma xícara de café com vários ícones em alusão ao Manual do Usuário na fumaça e um celular na outra mão. Embaixo, o texto: “Apoie o Manual pelo preço de um cafezinho”.

Facebook desiste de podcasts e outros produtos de áudio

Um ano depois de anunciar recursos baseados em áudio ao vivo e suporte a podcasts, o Facebook vai desativá-los todos.

Você talvez não lembre ou sequer tenha notado, mas em abril de 2021, quando a febre do Clubhouse já havia esfriado e a Apple ensaiava uma reformulação do seu produto de podcasts em resposta ao crescimento do Spotify, o Facebook decidiu entrar na onda do áudio.

A Bloomberg descobriu que a Meta enviou um e-mail a parceiros avisando do encerramento das iniciativas, a saber:

  • Podcasts começarão a ser removidos a partir de 3 de junho.
  • Salas de conversa ao vivo serão integradas às lives, ou seja, será possível fazer lives apenas de áudio.
  • “Soundbites” será descontinuado.

Via O Globo.

WhatsApp anuncia comunidades e outros novos recursos

Quatro prints de comunidades distintas no WhatsApp, com imagens e grupos diferentes em cada um.
Imagem: WhatsApp/Divulgação.

O WhatsApp oficializou nesta quinta (14) o recurso de Comunidade. Segundo a empresa, as comunidades “permitirão uma melhor organização de grupos separados sob um ‘guarda-chuva’ principal com uma estrutura que funcione para as pessoas”.

A maneira mais fácil de entender as Comunidades é como se fosse um “grupo de grupos”: numa mesma tela, grupos relacionados poderão ser reunidos e administrados pelas mesmas pessoas. (Veja a imagem acima.)

O WhatsApp honrará a promessa feita ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e não lançará as comunidades no Brasil, nem na fase de testes, até o final de outubro deste ano.

O WhatsApp confirmou uma série de pequenas novidades que já vinham sendo testadas e que funcionarão independentemente das comunidades: reações, exclusão de posts pelos administradores de grupos, compartilhamento de arquivos de até 2 GB e chamadas de voz em grupos de até 32 pessoas. Via WhatsApp, @zuck/Facebook (em inglês).

O plano da Meta para colocar óculos de realidade aumentada nos nossos rostos

A Meta (ex-Facebook) quer estar vendendo “dezenas de milhões” de óculos de realidade virtual até o fim da década, e os primeiros modelos comerciais desse ambicioso plano devem chegar ao mercado em 2024.

Os detalhes foram revelados pelo The Verge, que obteve o cronograma da empresa.

Mark Zuckerberg, co-fundador, CEO e manda-chuva da Meta, encara os óculos de realidade aumentada como um “novo momento iPhone” e está disposto a arriscar bilhões de dólares e o futuro da empresa neles.

“O ego de Zuck está interligado [aos óculos]”, disse uma fonte anônima à reportagem. Via The Verge (em inglês).

Estudo: Instagram não agiu em 90% dos casos de abuso via DMs de mulheres famosas

O Centro de Combate ao Ódio Digital (CCDH, na sigla em inglês) analisou mais de 8.700 mensagens diretas recebidas por mensagem direta (DM) no Instagram de cinco perfis de mulheres famosas, incluindo a atriz Amber Heard. Em mais de 90% das mensagens abusivas da amostragem, o Instagram falhou em atender às denúncias feitas pela CCDH.

O estudo concluiu que essas mulheres estão expostas a uma “epidemia de abusos misóginos”. O Instagram, via porta-voz da Meta, contestou as descobertas. Via Washington Post (em inglês).

Rede de militares no Facebook que espalhava desinformação ambiental é desmantelada

A Meta revelou, em seu último relatório trimestral de transparência (PDF, em inglês), que desmantelou uma rede de “comportamento inautêntico coordenado” relacionada à desinformação ambiental comandada por dois militares. Foi a primeira focada no tema descoberta pela empresa, dona do Facebook, Instagram e WhatsApp.

A pedido da Meta, a rede foi analisada pela Graphika, uma empresa de monitoramento de redes sociais, que validou as descobertas.

A rede dos militares propagava informações falsas e destorcidas, com ataques a ONGs e ativistas do meio ambiente e elogios ao trabalho do governo federal no combate ao desmatamento. A estratégia lembra muito a adotada pelo iFood para sabotar a articulação dos entregadores por melhores condições de trabalho, revelada pela Agência Pública na última segunda (4).

A Meta não divulgou os nomes dos militares envolvidos. O Exército, em nota ao Estadão, disse que “não fomenta a desinformação por meio das mídias sociais” e que solicitou mais detalhes à Meta. Via Estadão.

Nos EUA, Meta/Facebook pagou por campanha para difamar TikTok

O Washington Post descobriu que a Meta, que antes se chamava Facebook, pagou uma consultoria republicana para orquestrar uma campanha difamatória contra o TikTok nos Estados Unidos.

O jornal revisou e-mails trocados por funcionários da consultoria, a Targeted Victory, uma das mais poderosas e que tem o partido Republicano como um dos seus principais clientes.

Nas mensagens, funcionários bolavam abordagens para pintar o TikTok como uma ameaça às crianças norte-americanas e à sociedade e, ao mesmo tempo, insuflar um suposto risco do fato de ser um aplicativo de origem chinesa.

Em nenhum caso havia menção ao investimento feito pela Meta ou à empresa em si. Via Washington Post (em inglês).

O risco de se usar o WhatsApp GB e outros aplicativos piratas

Vez ou outra, o WhatsApp GB, uma variante pirata/alternativa do aplicativo oficial do WhatsApp para Android, volta ao noticiário pelo risco que ensejam de banimento temporário da conta do usuário. Via Núcleo, Folha de S.Paulo, O Globo, G1.

O assunto não é novo. Pelo menos desde 2018 já havia alertas relacionados ao WhatsApp GB, ou GBWhatsApp. E, antes disso, de outros aplicativos similares, como WhatsApp Plus e WhatsApp Holo.

O WhatsApp GB oferece “super poderes”, como ver mensagens e status apagados pelos remetentes, e alguns recursos menos polêmicos, mas inexistentes no aplicativo oficial, como temas visuais diferentes.

O problema é que o WhatsApp/Meta proíbe o uso de aplicativos alternativos para acessar a rede do WhatsApp e ameaça com suspensão aqueles que se arriscam a usá-lo. Deve ser uma dor de cabeça tão frequente que o WhatsApp GB é citado nominalmente na documentação do aplicativo a respeito de banimentos temporários.

Além do risco no uso, a obtenção do WhatsApp GB também é perigosa. O aplicativo não está disponível na Play Store, ou seja, é preciso baixá-lo de sites desconhecidos. Numa dessas, a pessoa interessada pode dar o azar e instalar um aplicativo adulterado/malicioso no celular.

Por tudo isso, e por mais tentador que sejam os recursos exclusivos do WhatsApp GB e de outros aplicativos alternativos, fica o conselho: evite-os.

Estamos trabalhando para levar NFTs ao Instagram a curto prazo. Não estou pronto para anunciar o que será isso exatamente, mas nos próximos meses [teremos] o recurso de trazer alguns dos seus NFTs para dentro [do Instagram], e depois tornar possível gerar novos NFTs dentro daquele ambiente.

— Mark Zuckerberg, em painel no South by Southwest. A ideia de trabalhar com NFTs, já ventilada em 2021 por outros executivos da Meta, conecta-se com o alardeado metaverso. Em outro momento da conversa, Zuckerberg explicou que roupinhas de avatares no metaverso da companhia poderão ser geradas e negociadas como NFTs. Via O Globo, Engadget (em inglês).

Meta libera posts de incitação à violência contra invasores russos em países no entorno do conflito

A Meta abriu uma exceção à diretriz das suas redes sociais que proíbem conteúdo de incitação à violência. Na Rússia e em alguns países do seu entorno, usuários do Facebook e do Instagram agora podem desejar a morte de invasores russos sem que o conteúdo seja vetado pela moderação.

A diretriz também abre espaço para posts que se refiram à morte dos presidentes Vladimir Putin (Rússia) e Alexander Lukashenko (Belarus), aliado do Kremlin e conhecido como o último ditador da Europa.

O e-mail interno, revisado pela Reuters, que deu a notícia em primeira mão, diz que a permissão só se aplica ao exército russo e no contexto da invasão da Ucrânia: “A política de Discurso de Ódio continua proibindo ataques aos russos.” Em nota à Reuters, um porta-voz da Meta reforçou esse aspecto da nova orientação.

A embaixada da Rússia nos Estados Unidos condenou a nova diretriz da Meta e exigiu que o governo de Joe Biden interfira e pare o que chamou de “atividades extremistas” da empresa de redes sociais. Via Reuters (2) (em inglês).

Grupos do Facebook ganham opção para rejeitar conteúdo falso automaticamente

Já faz alguns anos que os grupos são o motor de crescimento (ou o que sustenta a relevância) do Facebook. Nesta quarta (9), a Meta lançou novas ferramentas para ajudar os administradores de grupos a fazerem seu trabalho.

A mais interessante é uma opção que, se ativada, rejeita automaticamente publicações dos membros “identificadas como portadoras de informações falsas” pelas agências de checagem de fatos parceiras da Meta. Com isso, a empresa espera reduzir a disseminação de desinformação nos grupos. Via Meta.

[O Facebook usa] métodos de chantagem, além de colocar o argumento de defesa dos microempresários para esconder seus grandes negócios de publicidade.

— Orlando Silva. Na quinta-feira (3), a Meta publicou um anúncio de página inteira nos principais jornais brasileiros atacando o PL das Fake News, do qual o deputado Orlando Silva (PCdoB-SP) é relator no Congresso. “O PL das Fake News deveria combater fake news. E não a lanchonete do seu bairro”, diz a chamada. Via […]

Facebook/Meta, Google, Mercado Livre e Twitter manifestam preocupação com PL das fake news

Facebook/Meta, Google, Mercado Livre e Twitter divulgaram, nesta quarta (24), uma carta aberta criticando o projeto de lei 2630/2020, o chamado PL das Fake News. No texto, as quatro empresas dizem que o PL deixou de tratar de fake news e que “passou a representar uma potencial ameaça para a Internet livre, democrática e aberta que conhecemos hoje”.

O PL das fake news deve ser votado em breve na Câmara dos Deputados, no que depender da vontade do presidente da casa, Arthur Lira (PP-AL). No dia 15 de fevereiro, ele afirmou que o Plenário poderá votar o requerimento de urgência a qualquer momento. Via G1, Propmark, Câmara dos Deputados/YouTube.

Compre dos parceiros do Manual:

Manual do Usuário