Não há nada de estranho em ser fã de banco

A ascensão das fintechs no Brasil deu origem a um fenômeno derivado que muito nos intriga, o do fã de banco. São pessoas genuinamente entusiasmadas com seus cartões roxos, apps moderninhos e carteiras digitais, verdadeiros embaixadores não remunerados de um segmento conhecido por arrancar o couro de qualquer um que cometa o sacrilégio de atrasar o pagamento da fatura um dia que seja.

Continue lendo “Não há nada de estranho em ser fã de banco”

Pagamentos pelo WhatsApp: O que esperar?

De surpresa, o Facebook escolheu o Brasil para lançar seu sistema de carteira digital dentro do WhatsApp na última segunda-feira (15). Por ser o aplicativo mais popular do país, usado por praticamente todas as pessoas que têm um celular, é natural que a notícia tenha causado comoção. Se à primeira vista pode parecer que será mais um passeio do Facebook na dominação de um segmento de mercado, uma olhada mais atenta revela sinais de que, desta vez, talvez não será tão fácil assim.

Continue lendo “Pagamentos pelo WhatsApp: O que esperar?”

O hambúrguer vegano com gosto de carne; em busca dos desbancarizados brasileiros

Neste Guia Prático, eu (Rodrigo Ghedin), Guilherme Tagiaroli e Giovanni Santa Rosa falamos sobre os hambúrgueres high-tech que, sendo veganos, tentam simular o sabor, aroma e até a aparência dos tradicionais, feitos com carne bovina. São mesmo parecidos? Fazem bem à saúde? Quais as vantagens — se é que existem?

No segundo bloco, falamos dos desbancarizados brasileiros. Estimativas apontam que 45 milhões de pessoas ainda lidam apenas com dinheiro em papel, privados das facilidades e oportunidades que o sistema bancário oferecem — por mais detestável que os bancos sejam. O que explica essa resistência? Faz sentido, em pleno 2019, ficar à margem do sistema?

Continue lendo “O hambúrguer vegano com gosto de carne; em busca dos desbancarizados brasileiros”

Os bancos estão sob ameaça, mas não pelas fintechs que você imagina

Você já leu a Bíblia? Eu ainda não. Independentemente da sua religião e das barbaridades que muitos religiosos tenham cometido — e continuem cometendo — em seu nome, é inegável o impacto que o livro ainda tem na nossa vida. Se você for à Itália, por exemplo, e visitar os museus de Florença, Roma e do Vaticano, é sempre bom ter em mente que os maiores mecenas de artistas como Michelangelo Buonarotti, Leonardo da Vinci, Rafael Sanzio e Caravaggio foi a Igreja Católica e que os temas das obras de arte eram, majoritariamente, histórias bíblicas.

Alguns deles, inclusive, eram contratados exclusivamente por papas ou pelo Vaticano. Rafael, por exemplo, dedicou quase a carreira toda para dois papas, Júlio II e o Leão X, e Michelangelo foi perseguido até o fim da vida por ter recebido uma encomenda também do Júlio II e não ter entregue as estátuas do seu túmulo.

Continue lendo “Os bancos estão sob ameaça, mas não pelas fintechs que você imagina”

Não se iluda com o Tsu, rede social que promete pagar os usuários

Ahhh, as promessas de ficar rico sem fazer nada, sempre boas demais para serem verdades. A menos que você tenha muita grana e um tino raro para investimento, elas não são verdade mesmo. As “oportunidades imperdíveis” costumam mascarar algum esquema em que uma pessoa “X” (que não é você) sai ganhando às custas de outras pessoas (é aqui que você entra). O Tsu, uma rede social nos moldes do Facebook que promete dividir o faturamento com os usuários, é a última do tipo. Continue lendo “Não se iluda com o Tsu, rede social que promete pagar os usuários”

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!