Pessoa de sexo não identificado, com cabelo roxo e pele azul, segurando uma xícara de café com vários ícones em alusão ao Manual do Usuário na fumaça e um celular na outra mão. Embaixo, o texto: “Apoie o Manual pelo preço de um cafezinho”.

Em Shangai, as pessoas estão se organizando para comprar em grupo e suprir gargalos logísticos

A linha de suprimentos alimentícios em Shanghai está cheia de gargalos nas tele-entregas e também no sistema logístico de caminhões, como analisa James Palmer para a Foreign Policy ou este fio de Liza Lin. Uma solução que tem aparecido bastante nas notícias é a auto-organização de vizinhanças para realizar compras em grupo ou em comunidade, […]

Telegram bloqueia 64 canais na Alemanha acusados de atividades ilícitas

O Telegram bloqueou 64 canais na Alemanha acusados de espalhar desinformação a respeito da pandemia de covid-19, teorias da conspiração e extremismo de direita, segundo o jornal Süddeutsche Zeitung.

A exemplo do Brasil, a Alemanha vinha tentando, sem sucesso, estabelecer contato com o Telegram. E, como aqui, lá também rolaram ameaças de bloquear o aplicativo em todo o país devido à ausência de interlocução com autoridades locais. Até então, o Telegram só respondia às autoridades norte-americanas. Via Deutsche Welle (2) (em inglês).

O podcast antivacina do Spotify

Neste Guia Prático, Jacqueline Lafloufa e Rodrigo Ghedin debatem a polêmica envolvendo um podcast antivacina do Spotify e o protesto de artistas e outros podcasts. Não é qualquer podcast: é o Joe Rogan Experience, um dos mais populares do mundo e exclusivo do Spotify. O Spotify tem culpa? Pode/Deve fazer alguma coisa? E nós, consumidores, […]

O preço que o Spotify paga por ter um podcast antivacina

Em 2019, quando o Spotify entrou agressivamente no ramo dos podcasts, colocando em risco esse ecossistema, poucos anteciparam os problemas que a plataforma poderia enfrentar.

Estamos vendo um deles se desenrolar agora, com a crise desencadeada pela revolta de Neil Young contra o Joe Rogan Experience, podcast exclusivo do Spotify que tem espalhado desinformação antivacina em meio à pandemia de covid-19.

Este é um problema do Spotify, não do podcast.

Ao fechar contratos de exclusividade, ou seja, ao editorializar sua plataforma, o Spotify abriu um flanco para ataques do tipo. Note que Apple, Google, Automattic (Pocket Casts), Overcast, nenhuma outra empresa que oferece aplicativos de podcasts recebe esse tipo de crítica, mesmo com todas veiculando podcasts abjetos de gente muito pior que Joe Rogan.

Elas escapam por serem de fato aquilo que o Facebook, o Twitter e o YouTube alegam ser, ou seja, plataformas neutras.

Hospedar Joe Rogan com exclusividade trouxe uma série de benefícios ao Spotify — mais usuários, mais tempo gasto no app e mais “superfície” para vender anúncios. Só que trouxe também outro custo, além dos supostos US$ 100 milhões pagos pela exclusividade. É um de imagem, de relações públicas. Não é à toa que o comunicado de Daniel Ek assemelha-se tanto às falas usuais (e vazias) de Mark Zuckerberg, CEO do Facebook/Meta.

Spotify adota discurso Zuckerberguiano em resposta a protestos de artistas

A cantora Joni Mitchell e a escritora e podcaster Brené Brown se juntaram a Neil Young no protesto contra o Spotify por hospedar e promover o podcast negacionista Joe Rogan Experience. Joni removeu seu acervo musical e Brené, que tem dois podcasts exclusivos no Spotify, disse que não publicará novos episódios por tempo indeterminado. Via Wall Street Journal, @BreneBrown/Twitter (ambos em inglês).

James Blunt ameaçou lançar um novo álbum caso o Spotify não rompa com Joe. (Ele é da zoeira.) Via @JamesBlunt/Twitter (em inglês).

A escalada obrigou o Spotify a se manifestar. No domingo (30), o fundador e CEO Daniel Ek publicou um comunicado explicando como a plataforma lida com podcasts que debatem a covid-19. O texto não menciona Joe Rogan, que fechou um contrato de ~US$ 100 milhões com o Spotify para tornar o seu podcast, à época o mais popular do mundo, exclusivo da plataforma.

O comunicado de Daniel poderia ter sido escrito por Mark Zuckerberg, aquele que certa vez disse que não via problema se o Facebook hospedasse discurso antissemita. Daniel:

Pessoalmente, há muitos indivíduos e pontos de vista no Spotify de que eu discordo fortemente. Sabemos que temos um papel crítico a desempenhar no apoio à expressão do criador, equilibrando-o com a segurança dos nossos usuários. Nesse papel, é importante para mim que não assumamos a posição de censor de conteúdo, ao mesmo tempo em que nos certificamos de que existem regras em vigor e consequências para aqueles que as violam.

Daniel aproveitou a oportunidade para dizer que o Spotify aplicará selos e links para hubs de informação sobre a covid-19 e publicar as regras de comunidade do Spotify, que, segundo ele, já estavam em vigor há anos, só não eram públicas. Incentivar os ouvintes a não se vacinarem contra a covid-19, como Joe Rogan fez em seu podcast, aparentemente não infringe as regras do Spotify.

No Instagram, Joe Rogan postou um vídeo de 10 minutos fazendo um mea culpa, dizendo que a natureza do seu podcast, conversacional, dá margem para que ele fale coisas controversas. “Gostaria de agradecer o Spotify por todo o apoio nesse período e que lamento muito que isso esteja acontecendo com eles e que estejam absorvendo tanto disso.” Via Spotify, @joerogan/Instagram (ambos em inglês).

 

iOS 15.4 permitirá desbloqueio com Face ID usando máscara

O iOS 15.4, que começou a ser testado nesta quinta (27) e ainda não tem data para ser lançado, finalmente permitirá o desbloqueio do iPhone com o Face ID usando máscara. (Veja um print do MacRumors.) A Apple diz que isso será possível “reconhecendo detalhes únicos ao redor dos olhos”. A novidade só funcionará no iPhone 12 e posteriores e será preciso refazer o cadastro com a máscara. O uso de óculos de grau ajudará o sistema a ser mais preciso, mas ele não funcionará com óculos escuros. Via MacRumors (em inglês).

Neil Young remove suas músicas do Spotify em ato contra desinformação

Neil Young conseguiu: seus álbuns não estão mais disponíveis no Spotify. A medida contou com o apoio da sua gravadora, a Warner, que é quem decide no fim das contas onde a música de Neil é disponibilizada. O Spotify representava 60% das audições por streaming das músicas do cantor.

“Percebi que não poderia continuar apoiando a desinformação do Spotify que ameaça a vida do público amante da música”, escreveu Neil no comunicado, em referência ao podcast Joe Rogan Experience, um dos mais populares do mundo e exclusivo do Spotify, responsável por difundir mentiras relacionadas à vacina contra a covid-19.

Ainda é possível ouvir algumas músicas de Neil Young no Spotify, faixas presentes em compilações e trilhas sonoras de filmes. Aos órfãos dos álbuns, Neil os convida a migrarem para outros serviços. E com um bônus: vários deles, como Amazon e Apple Music, oferecem versões em alta definição, “como foram concebidas para serem ouvidas”, enquanto o Spotify ainda oferece músicas em qualidade padrão. Via Neil Young Archives (em inglês).

Quero que você informe imediatamente ao Spotify HOJE que quero todas as minhas músicas fora da plataforma. Eles podem ter [Joe] Rogan ou Young. Os dois, não.

— Neil Young, em carta enviada a seus agentes e gravadora. A demanda do músico canadense é um protesto contra o podcast de Joe Rogan, um dos mais populares do mundo. Rogan é um notório negacionista da vacina contra a covid-19. Em maio de 2020, Joe Rogan e o Spotify firmaram um acordo para tornar […]

Ativistas criam campanha para pressionar Twitter por regras contra desinformação de covid-19

Nove perfis ativistas no Twitter, como o Sleeping Giants Brasil (@slpng_giants_pt) e o Tesoureiros do Jair (@tesoureiros), lançaram no domingo (16) a campanha #FakeNewsMata, que pretende angariar assinaturas de usuários insatisfeitos com o Twitter e enviar o abaixo-assinado a executivos da empresa na sede, nos Estados Unidos, e no Brasil.

À BBC Brasil, o Twitter afirmou que, em 2021, removeu 63.876 posts amparado pelas regras contra desinformação da covid-19, cerca de 7 por hora. Segundo estimativas de terceiros (a empresa não libera números oficiais), o Twitter veicula cerca de 20 milhões de posts por hora. Via BBC Brasil.

Lembra da máscara gamer da Razer? Ela não é uma boa proteção contra o coronavírus

Lembra aquela máscara de proteção gamer da Razer, a Zephyr (anteriormente Project Hazel), anunciada na CES 2021? Ela foi lançada em agosto, por US$ 100, mas teve uma mudança importante no meio do caminho: seus filtros deixaram de ser referenciados pela empresa como “padrão N95/PFF2”. Agora, são apenas “filtros purificadores de ar”. Embora a Razer garanta que os filtros atingem o mesmo nível de proteção das PFF2, para receber a certificação toda a máscara precisa ser assim, o que não é o caso.

Em outra atualização, de dezembro, a Razer parou de se referir à Zephyr como um equipamento de proteção individual (EPI). Pelo Twitter, a empresa postou no último sábado (8) que “a Zephyr e a Zephyr Pro [com amplificadores de áudio] não são dispositivos médicos, respiradores, máscaras cirúrgicas ou equipamentos de proteção individual (EPI) e não são feitas para uso em ambientes clínicos ou hospitalares”.

É muito brilho (RGB) e pouca substância. Lamentável que uma empresa que não tem nada a ver com saúde e segurança individual tenha tentado surfar a onda da pandemia de maneira tão irresponsável. Via The Verge (em inglês).

Com ausência de gigantes e público incerto, CES 2022 mira startups

A CES, maior evento de negócios do setor de tecnologia do mundo, começa nesta quarta (5) em Las Vegas, EUA, no formato presencial. O avanço da variante ômicron do coronavírus fez cerca de 200 empresas desistirem do evento, incluindo algumas gigantes como Amazon, Google e Microsoft. A Consumer Technology Association (CTA), que organiza a CES, foi duramente criticada pela manutenção do formato presencial. Em sua defesa, afirma que impôs protocolos de segurança e que a feira é vital para pequenas empresas, que têm ali a chance de negociar com parceiros do mundo inteiro. Via Estadão.

Pandemia acelerou total de seres humanos conectados à internet

A pandemia de Covid-19 causou uma leve aceleração no número total de seres humanos conectados à internet, segundo a União Internacional de Telecomunicações (ITU, na sigla em inglês). Entre 2019 e (a estimativa de) 2021, o salto foi de nove pontos percentuais, o que significa que 63% ou 4,9 bilhões de pessoas têm acesso à rede. Em 2020, o crescimento foi de 10,2%, o maior da década. Das 2,9 bilhões de pessoas ainda desconectadas, 96% estão em países em desenvolvimento. Via ITU (em inglês).

Compre dos parceiros do Manual:

Manual do Usuário