Anúncio NordVPN, a VPN mais rápida do mercado, com 68% de desconto

Block Party, um serviço anti-assédio para o Twitter

A Block Party é uma startup que cria soluções para combater assédio e ondas de ataques na internet. O primeiro produto deles é um filtro para o Twitter. Depois de ativado e configurado, ele pesca todas as respostas que se encaixem nos filtros e as coloca em uma tela de triagem, onde o usuário pode bloquear o perfil que as enviou, mantê-lo mudo ou, caso tenha sido um falso-negativo, liberá-lo. Um toque legal é que essa triagem pode ser compartilhada com um terceiro (amigo, cônjuge, assistente).

A startup foi criada por Tracy Chou, uma mulher, ela própria vítima de ondas de ataque no Twitter. “Alguns fundadores dizer ser apaixonados por aquilo em que eles trabalham. Para mim, uma palavra melhor talvez seja desespero,” diz ela. “Abusos online viraram minha vida de ponta cabeça tantas vezes e mudou completamente a maneira que eu vivo. Apesar do seu terrível alcance, parece que ninguém está realmente tentando resolver esse problema.”

O acesso depende de uma lista de espera que é processada manualmente ou pode ser comprado por US$ 8. A dificuldade, diz a Block Party, é uma medida anti-troll. Outra saída é receber um convite de alguém que já esteja usando o serviço.

Brasileiros com conta em banco digital mais do que dobram em um ano

Levantamento da Cantarino Brasileiro a pedido da Akamai Technologies constatou que 43% dos brasileiros afirmam ter conta em um banco digital. O número vem de respostas dadas pelos entrevistados, de uma amostragem pequena (1.083), mas é significativo se posto ao lado do de 2019, quando apenas 18% disseram ter conta digital. A Akamai reconhece que a pandemia pode ter ajudado no aumento expressivo, mas lembra que a digitalização do setor é inevitável e já vinha ocorrendo. Via Folha.

Em notícia relacionada, “Bancos encolhem estrutura na década e extinguem quase 80 mil vagas.”

Os termos mais buscados no Google em 2020

Listas de mais buscados, o que é e personalidades do Google.
Imagem: Google/Reprodução.

No último Guia Prático, comentamos — eu e Jacque — que a retrospectiva do ano no Google traria muitos termos relacionados à pandemia. Estava fácil, essa: a busca do ano foi “Coronavírus”, seguida por “Auxílio emergencial”, e no ranking das dúvidas (perguntas do tipo “O que é?”), o pódio inteiro foi do coronavírus — lockdown, quarentena e pandemia. Veja todas as listas aqui.

Retrospectiva de retrospectivas / Como fazer um Natal remoto

Apoie o Manual do Usuário: https://manualdousuario.net/apoie/ Leia a edição 20#45: https://manualdousuario.net/20-45/ Canal do Manual do Usuário no YouTube: https://www.youtube.com/c/manualusuariobr Neste podcast, o penúltimo de 2020, Rodrigo Ghedin e Jacqueline Lafloufa começam com uma retrospectiva das retrospectivas — de Spotify e YouTube — para tentar entender como a pandemia afetou a maneira como consumimos conteúdo dessas […]

Xícaras de café, bichos e orações

Há cerca de três anos, Walter Vitti, de Mogi das Cruzes (SP), começou a receber mensagens de dois amigos pela manhã. Eles não se conheciam, mas tinham o hábito — assim como Walter — de acordar muito cedo, entre as cinco e seis horas. Walter, 60, criou gosto pelas imagens de bom dia que recebia […]

Avell não usará o termo “Black Friday” em apoio às causas raciais

A Avell, fabricante de notebooks sediada em Joinville (SC), anunciou que não usará o termo “Black Friday” na divulgação das suas ofertas de Black Friday este ano porque, segundo a empresa, ele teria conotação racista. “Toda mudança tem seus riscos, mas entendemos que este é o momento oportuno para o mercado promover discussões positivas com a sociedade e, principalmente, ouvi-la”, disse, em nota, Júlia Salomão, gerente de marketing da Avell. As promoções de novembro da fabricante serão identificadas pelo termo “Tech Month”.

A Avell não é a primeira empresa a tomar essa decisão. Em setembro, O Boticário anunciou que deixaria de usar “Black Friday” pelo mesmo motivo.

O soluço na pandemia dos planos pós-pago de telefonia móvel no Brasil

Gráfico em barras da evolução dos planos pré e pós de telefonia móvel no Brasil, de 2005 a 2020.
Gráfico: Guilherme Felitti/Twitter.

O processo de inversão no gráfico de planos pré-pagos e pós-pagos/controle de telefonia móvel no Brasil, que vem se desenhando desde meados de 2015, teve um soluço na pandemia. Em abril, talvez por estarmos usando menos o celular ou para segurar os gastos ante a crise que se avizinhava (ou os dois), o Brasil perdeu 500 mil contas no pós e 170 mil no pré. Em junho, os planos pós voltaram a crescer. Os pré seguem encolhendo. Gráfico do @gfelitti/Twitter com dados da Anatel.

O site recebe uma comissão quando você clica nos links abaixo antes de fazer suas compras. Você não paga nada a mais por isso.

Nossas indicações literárias »

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!