LibreOffice 7.2 traz melhorias na compatibilidade com arquivos da Microsoft

A The Document Foundation (TDF) liberou, nesta quinta (19), o LibreOffice 7.12 Community. O maior destaque é o trabalho de compatibilidade com os formatos de arquivos proprietários da Microsoft — mais de 60% dos “commits”, ou mexidas no código, foram por este motivo.

No comunicado publicado em seu blog oficial, a TDF explica que “os arquivos da Microsoft ainda são baseados no formato proprietário descontinuado pela ISO em abril de 2008, e não no padrão aprovado pela ISO, então eles [a Microsoft] incorporam uma grande quantidade de complexidade oculta artificial”. E depois acham ruim quando levam processos antitruste.

Outra novidade legal da versão 7.2 é a inclusão de um buscador interno para os menus do LibreOffice, acessível pelo atalho Shift + Esc, muito parecido com o recurso nativo e universal do macOS (Command + Shift + /).

Mais detalhes do que há de novo no link ao lado. Via The Document Foundation (em inglês).

Maneiras melhores de acessar YouTube, Instagram e Twitter

Se preferir, veja no YouTube. A mudança na interface do Twitter, dia desses, causou algum alvoroço. Isso me lembrou dos front-ends alternativos, ou interfaces para serviços populares, como o Twitter, que não mudam tanto e têm outras vantagens em desempenho e privacidade. Neste vídeo, falo de três delas: Nitter (Twitter), Bibliogram (Instagram) e Invidious (YouTube). […]

Debian 11 “bullseye” lançado

No último sábado (14), o projeto Debian lançou a versão estável do Debian 11 “bullseye”.

Quem conhece o Debian sabe que o projeto trabalha com uma ideia diferente de “software atualizado”, dando preferência a versões não tão novas, mas testadas exaustivamente para serem seguras e estáveis. Não espere, por exemplo, ver o Firefox 91 ou o Gnome 40 no bullseye. (Ele vem com o Firefox 78.12 e Gnome 3.38.)

Ainda assim, há novidades interessantes como suporte ao sistema de arquivos exFAT, um novo protocolo para impressoras mais modernas, e milhares de pacotes novos, atualizados e removidos. O download é gratuito. Via Debian.

Thunderbird 91 é lançado

Depois de um ano de muito trabalho, o Thunderbird 91 foi lançado nesta quarta (11). A nova versão moderniza o aplicativo em vários aspectos — não à toa, a versão deu um salto, de 78 para 91, alinhada ao Firefox, ou às versões ESR (de suporte estendido). Todas novidades e mudanças no link ao lado. Via Thunderbird (em inglês).

elementary OS 6 “Odin” é lançado

Desktop do elementary OS 6 “Odin”, com o papel de parede padrão (oceano com uma ilha de pedra com um buraco no meio.
Imagem: elementary OS/Divulgação.

Demorou um bocado, quase três anos desde a 5.0 “Juno”, mas enfim saiu a versão final do elementary OS 6 “Odin”, uma das distribuições Linux mais amigáveis e apresentáveis disponíveis. Via elementary OS (em inglês).

A lista de novidades é longa. Alguns destaques:

  • Modo escuro e cores de destaque — similar ao macOS.
  • Todos os apps pré-instalados e distribuídos pela AppCenter agora usam o formato Flatplak. Todos os apps, até mesmo os instalados por fora (sideloaded), estão sujeitos a um sistema de permissões (“Portals”) similar àqueles de celulares.
  • Em notebooks, há um punhado de novos gestos para o trackpad.
  • Sistema de notificações reformulado.
  • Novo aplicativo de tarefas, Tasks, e vários padrões reformulados — Web, Mail, Calendário etc.
  • Novo instalado — que o Pop_OS! “estreou” antes do elementary OS.

O post que anuncia a nova versão do elementary OS traz essas e outras novidades em detalhes, junto com muitas imagens.

O elementary OS 6 “Odin” é gratuito, mas você pode escolher pagar uns trocados nele. A quem está rodando a versão anterior, 5.1 “Hera”, a má notícia é que não é possível atualizar para a nova, ou seja, é preciso fazer uma instalação limpa. Mais detalhes e download no site oficial.

Firefox perde 22,6% de usuários em menos de três anos

A Mozilla mantém um site com dados públicos de uso do Firefox. No número de usuários ativos, é perceptível uma queda gradual na base. O gráfico alcança até dezembro de 2018. Entre o pico, de 253,8 milhões de usuários em 27 de janeiro de 2019, e o último registro disponível, 196,3 milhões em 1º de agosto de 2021, é possível observar um declínio de 22,6% no tamanho da base.

Isso preocupa. O Firefox é o único navegador independente relevante e, ao lado do Safari da Apple, os únicos que não usam o motor Blink, do Google. Uma “monocultura” empobreceria a web ao mesmo tempo em que conferiria poderes demais ao Google, que tem sua própria agenda não necessariamente ligada ao melhor interesse de todos — vide o desastre do AMP. Via It’s FOSS (em inglês).

Barinsta, app alternativo para Instagram, é descontinuado após ameaça do Facebook

Em março, falei do Barinsta aqui, um aplicativo de código aberto para Android que permite acessar o Instagram em uma interface menos tóxica. Nesta segunda (26), o desenvolvedor do Barinsta, Austin Huang, recebeu uma notificação extrajudicial de um escritório de advocacia representando o Facebook exigindo que o projeto fosse descontinuado (leia-a), alegando que o aplicativo infringe os termos de uso do serviço. O sonho acabou. Via @barinsta_updates/Telegram, dica do leitor Tony (valeu!).

Novo dono do Audacity inicia coleta de dados dos usuários e impõe restrição a menores de idade

Não demorou dois meses para o Muse Group, novo dono Audacity, estragasse o popular editor de áudio de código aberto. Em um aviso de privacidade publicado na sexta (2), o Muse Group revelou novidades no mínimo suspeitas:

  • Coleta de “dados necessários para aplicação da lei, litígios e pedidos de autoridades (se houver)”.
  • Compartilhamento de dados com potenciais compradores, seus agentes e conselheiros e com Rússia e Estados Unidos, além do Espaço Econômico Europeu, onde estão os servidores do projeto.
  • Proibição de uso por menores de 13 anos.

Por que um editor de áudio, de uso offline, precisa coletar tais dados? E qual a motivação legítima para proibir seu uso por menores de 13 anos? (Sem falar que, como aponta o FossPost, essa restrição fere a GPL, licença sob a qual o Audacity é distribuído.)

Em fóruns online, já se notam movimentações para fazer um “fork” do Audacity e continuar o trabalho sem o envolvimento do Muse Group.

TrackerControl monitora e bloqueia rastreadores no Android

O TrackerControl (TC) instala bloqueia e dedura rastreadores em celulares Android. O aplicativo instala uma VPN local (ou seja, todo o processamento é feito no próprio aparelho) e usa por padrão a lista de rastreadores Disconnect para fazer os bloqueios. O que não consta nela pode ser visualizado e bloqueado manualmente, pelo próprio usuário. Gratuito, na F-Droid — a versão disponível na Play Store tem “menos recursos”. Dica do Luis Sass.

Audacity firma parceria com o Muse Group; mudanças deverão ocorrer no app

O Audacity, adorado editor de áudio multiplataforma, agora faz parte do Muse Group, “uma coleção de marcas que inclui outro popular aplicativo de música de código aberto chamado MuseScore”. Pelo que eu entendi, o britânico irlandês Martin “Tantacrul” Keary, do Muse Group, assumirá o comando do Audacity.

Em um vídeo muito legal (acima, em inglês), Tantacrul conversa com os criadores do Audacity e alguns dos membros mais ativos da comunidade, remonta a origem do aplicativo e o cuidado que, garante, terá na tomada de decisões. (Felizmente, o ícone feio do Audacity não deverá mudar.)

A nota oficial do Audacity termina informando que eles estão “assustados e empolgados”. Nós também. Via Audacity (em inglês).

O site recebe uma comissão quando você clica nos links abaixo antes de fazer suas compras. Você não paga nada a mais por isso.

Nossas indicações literárias »

Manual do Usuário