Estas impressoras da Epson custam o que valem — inclusive a tinta

Mário Nagano, falando das novas impressoras da Epson, L1300 e L1800:

Como já comentamos no review da Epson L200 — nosso palpite é que com a introdução da série L a Epson abandonou o modelo do Freebie Marketing, ou o mito do barbeador e das lâminas de barbear cujo modelo de negócios é baseado na ideia de vender um item por um preço muito baixo (ou mesmo distribuído de graça) com o objetivo de criar uma ampla base de consumo para um produto/serviço complementar. No caso das jato de tinta, vendendo cartuchos.

Assim, com a L1300/L1800 a Epson talvez não vai lucrar tanto com suprimentos (ou até vai já que pode compensar na quantidade), mas em contrapartida ela vai cobrar aquilo que ela acha que sua impressora realmente vale — e como a empresa não é nenhuma instituição filantrópica, não há muito o que se queixar nesse caso né?