O que causou a queda de WhatsApp, Instagram e Facebook

Os serviços do Facebook — a rede homônima, o Instagram e o WhatsApp — estão há quase 10 horas fora do ar nesta segunda-feira (4). Já se sabe o que causou a queda: uma atualização malfadada que varreu os registros do Border Gateway Protocol (BGP), o que impossibilita o acesso de qualquer sistema/computador aos serviços.

“Em algum momento nesta manhã, o Facebook removeu o mapa que diz aos computadores do mundo como encontrar suas várias propriedades online. Como resultado, quando alguém digita facebook.com em um navegador, este não tem ideia de onde encontrar o facebook.com e, por isso, retorna um erro”, resumiu Brian Krebs, especialista em segurança digital. Via Krebs on Security (em inglês) e Núcleo.

O estrago é tão profundo que, segundo a imprensa norte-americana, os funcionários do Facebook não conseguem acessar ferramentas internas e sequer entrar nos prédios da empresa, porque toda a operação está vinculada a domínios afetados. Segundo Mike Isaac, repórter de tecnologia do New York Times, no fim da tarde o Facebook enviou uma pequena equipe a data centers espalhados pela Califórnia para resetar manualmente os servidores da empresa. Via @RMac18/Twitter (em inglês), @MikeIsaac/Twitter (em inglês).

Embora a causa seja conhecida, ninguém sabe o que a causou. Pelo Twitter (!), o Facebook informou estar ciente do problema, desculpou-se pela inconveniência e afirmou que trabalhava para que as coisas “voltassem ao normal o mais rápido possível”. O tuíte foi publicado às 13h22, horário de Brasília. Via @Facebook/Twitter.

Deixe um comentário para Will Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

13 comentários

  1. “nesta segunda-feira (4)”
    “Bolsonaro (sem partido)”
    Alguém me explica a necessidade de se colocar apenas o número 4, em vez de 04/10/2021 (caso a informação queira remeter a uma data), ou pq toda vez que cita o nome do presidente tem que exaltar o partido político dele (ou, no caso, a ausência de partido)?

    1. São padrões editoriais.

      A data entre parênteses é para o(a) leitor(a) se situar — as notinhas têm a data completa no rodapé, então essas inserções são apenas referenciais e, portanto, não precisam ser datas longas/completas).

      Já o partido político (ou ausência dele) de um político eleito é uma informação crucial em um sistema como o brasileiro, em que se faz política por intermédio de partidos. Não é obrigatório, mas é um dado útil (eu considero útil) e que, portanto, faço questão de incluir aqui. Isso é praxe no jornalismo, aliás.

  2. pra mim não fez falta e isso é ótimo! no trabalho as ferramentas não se fazem necessária e no whatsapp a única pessoa que converso todo dia é minha namorada, mas como temos o telegram instalado no celular, conversamos por lá, e há muito tempo todas os logins que tenho não dependem de redes sociais, então não tive problema.

    agora, quem depende dessas ferramentas para viver seria bom pensar em outras estratégias de atingir seu público, até ri da newsletter do numerofobia comentando que quem o acompanha não vai ter problema de o fazer, pois enquanto o e-mail existir saberemos do que ele fala.

    OBS: Ghedin, tem um tempinho já, mas vim comentar agora, vira e mexe quando comento pelo celular o texto some do nada, ficando muito difícil de comentar algo.

    1. Pois é, eu espero mesmo que as empresas comecem a pensar nisso. Acho que pelo menos um site elas deveriam ter sabe, com informações básicas.
      O instagram agora restringiu de vez visualizar perfis sem conta, né? Eu tento acessar, e vai pra tela de login. Às vezes, eu apenas quero saber o horário de funcionamento, mas não consigo porque a loja só atualiza rede social. 🤡

      1. Ter rede social “é de graça”. Montar um site é geralmente pago, custoso e trabalhoso. Noto que é muito mais fácil para a pessoa montar um perfil em um Instagram / Facebook, uma conta no Whats e tentar a sorte, do que ir atrás de montar um site (e ainda ter que pagar por isso).

        O Pedro Burgos fez um ótimo fio no Twitter com matérias sobre esta situação. https://twitter.com/Burgos/status/1445151235569500162

        1. Complexo, né? Do meu lado, eu acabo me virando e achando outra solução, mas pro comerciante que depende só das redes pra oferecer seu serviço/produto, ontem deve ter sido caótico.

          1. É que é assim: o cara que trabalha com criação de sites vai querer cobrar caro. Errado tá? Não sei dizer. Eu poderia argumentar que “se a pessoa é socialista/comunista, que trabalhe de graça” (tou louco para levantar uma discussão sobre isso, mas não cabe aqui).

            Mas voltando ao fio: se fazer site é caro, fazer uma página no Facebook / Instagram não o é. É de graça. Um parente ou amigo pode fazer a preço módico, se a pessoa não é afeiçoada as redes. E assim vai indo. A situação que hoje temos de depender do Whatsapp em partes pode ser até um quê de preguiça da galera OpenSource de não divulgar mais os serviços open sources que são descentralizados. Mas bem, geralmente eles não são bem divulgados também até porque para o usuário comum, que quer resolver algo em apenas um ou dois toques, não vai adiantar de qualquer maneira.

            Nerd geralmente faz para nerd.

            O complexo aqui é entender onde podemos apontar para as pessoas usarem um Open Source. Tipo: “se o Lula anunciasse que usaria algo open source – tipo o Signal – , outros que o seguem o usariam?” Vide o Telegram.

          2. @ Ligeiro

            Wix e WordPress são gratuitos ou custam muito pouco e qualquer pessoa consegue montar um site. Acho que o problema não é esse. Ou, se for, é de percepção — em achar que ainda é caro e difícil manter um site.

          3. Então @Ghedin, eu meio que esperava este tipo de resposta para poder elaborar melhor o comentário que fiz.

            O ponto não é só pagar o site – e WordPress e Wix são gratuitos há pouco tempo, além do mais, para o leigo, continua difícil ter que pensar até mesmo em fazer um layout de site.

            Há o domínio (só há pouco tempo há domínios gratuitos), a questão do (maldito) SEO, receber (e responder) e-mails, etc… etc…

            A quem é nerd/geek/conhece informática, é de alguma forma até “fácil” lidar com isso em algum nível. Mas não podemos esquecer que existem leigos ainda. A estes, se o Facebook oferece tudo de forma cômoda, eles vão usar.

            Tipo, eles já tem o espaço para falar besteiras na rede social, por quê não então ganhar dinheiro com o trabalho dele lá? Faz anúncio, manda para outras redes sociais que ele sabe que a família e amigos e o bairro participam (insta, whats), recebe e envia mensagens pelo mesmo grupo de aplicativos, tudo sem ter que reaprender a usar um programa de novo – as pessoas leigas querem mais comodidades e menos necessidade de aprender algo (eles podem contar com um parente para fazer para eles se for algo assim).

            Para o leigo é custoso manter um site, não só em dinheiro, mas em necessidade de gastar tempo, de ter N aplicativos que ele pode esquecer a senha. Em saber se está ou não tendo visitas.

            Isso falando relativo a bolha ao meu redor. Óbvio que tem N outras situações, mas é uma observação a se fazer.

      2. Não só o Instagram limitou o uso da rede sem conta, assim como Twitter, que não permite que você navegue em tweets e perfis sem um perfil (clicar no perfil de um tweet, por exemplo, embora você ainda consiga acessar ele por uma busca no Google, dificultam ao máximo), facebook também limita a navegação sem contas. A única rede social que eu conheço e ainda resiste é o Reddit

        1. O twitter eu acho ótimo pra ver se eu paro de acessar, hahaha. (Mas é só você abrir o tweet em outra aba, ou recarregar a página quando aparece a mensagem; nesse caso, você perde a opção de voltar onde estava antes.)

          E o reddit tá resistindo bem mais ou menos também, viu. Aquelas respostas encadeadas só abrem até certo nível, depois falam pra criar conta. Sem falar os “fóruns”(?) que nem abrem sem login. (Sei porque costumo ler o buzzfeed de vez em quando e as matérias que citam o reddit costumam dar problemas pra mim.)

          1. O novo Reddit é um festival de dark patterns e design hostil ao usuário. Quando acesso, sempre recorro ao old.reddit.com ou, no iPhone ou iPad, ao aplicativo Apollo.

O site recebe uma comissão quando você clica nos links abaixo antes de fazer suas compras. Você não paga nada a mais por isso.

Nossas indicações literárias »

Manual do Usuário