Fundo azul, com uma chamada para um PlayStation 5 no centro. À esquerda, a frase “Ofertas de verdade, lojas seguras e os melhores preços da internet.” À direita, “Baixe o app do Promobit”.

Descentralização e ausência de confiança dos NFTs são postas em xeque

Defensores de criptomoedas, NFTs e Web3 têm na descentralização e na não necessidade de confiança talvez os melhores argumentos para justificar a existência dessas aberrações. Ambas têm problemas intrínsecos, mas, não bastasse isso, a prática tem demonstrado que tais características não são absolutas e, portanto, falaciosas.

Um estudo publicado em outubro de 2021 por pesquisadores da Universidade de Londres e de Copenhague analisou quatro anos de transações de NFTs. Descobriu uma forte centralização nas negociações: 10% dos compradores e vendedores de NFTs responderam pelo mesmo volume de transações feito pelos outros 90%. Outra descoberta curiosa deu-se nos preços: o valor médio de 3/4 das transações de NFTs foi de US$ 15, e apenas 1% delas ultrapassou US$ 1.594. Via Hyperallergic (em inglês).

Já a ausência de confiança, que seria garantira pelo código/blockchain, é relativa. Na sexta (31), a OpenSea, um dos maiores marketplaces de criptoativos, congelou as negociações de 16 NFTs de desenhos de macacos avaliados em US$ 2,2 milhões do colecionador Todd Kramer, depois que ele comunicou (e pediu ajuda à OpenSea) pelo Twitter uma invasão e o roubo dos seus NFTs.

Todd foi vítima de um ataque de “phishing”: ele recebeu um e-mail fraudulento e clicou em um link que deu acesso ao atacante à sua “hot wallet”, um tipo de carteira de criptoativos conectada constantemente à internet.

Do ponto de vista do código/da blockchain, a transferência dos 16 NFTs foi feita com sucesso e de maneira legítima, mas a interferência da OpenSea torna os NFTs (mais) inúteis, já que agora eles não podem ser revendidos. Via Cointelegraph (em inglês).

Do arquivo do Manual:

Deixe um comentário para Yago Cancelar resposta

Seu e-mail não será publicado. Dúvidas? Consulte a documentação dos comentários.

7 comentários

  1. não consigo abrir 90% dos “blogs de tecnologia” que de cada 10 posts, 5 são de NFT e os outros 5 são de Metaverso… não aguento mais a ‘forçação de barra’ em cima desses assuntos como sendo futuro da humanidade

  2. NFT eu acho zuado, mas não entendi qual a treta com cryptomoeda? Não esutdei a fundo mas me parece uma tecnologia muito interessante.

      1. “criptomoedas são dinheiros de mentira.”

        Permita-me discordar Ghedin. Isso porque não existe uma definição “técnica” do que seja dinheiro. Nem ninguém que possa decretar o que é ou o que não é dinheiro. O que existe nesse sentido é o papel-moeda. Aí sim. O governo brasileiro determina que o Real é o papel-moeda do Brasil, o o governo norte-americano determina que o Dólar é o papel-moeda dos Estados Unidos e assim sucessivamente.

        O que chamamos de dinheiro não é uma invenção humana acabada, como o motor de combustão, o computador, ou qualquer outro objeto que foi inventado por alguém em uma determinada data. O dinheiro é resultado de um processo que ocorreu ao longo da evolução das sociedades humanas. E que continua ocorrendo…

        O que hoje em dia convencionamos chamar de dinheiro é qualquer coisa que possa cumprir algumas funções básicas, sendo a principal delas a de intermediário de trocas. É fácil entender isso quando pensamos que o dinheiro em si não é objeto de desejo de ninguém. Tudo mundo quer dinheiro porque sabe que pode trocá-lo por qualquer coisa que deseje a qualquer momento. Se isso não for possível, não há porque termos dinheiro.

        Nesse sentido é fácil vermos que NADA no mundo é dinheiro. Isso se pensarmos em termos globais. Dólar é dinheiro? Se eu for em uma padaria aqui no Brasil comprar pão e for pagar em Dólar, o caixa da padaria aceitará? Com certeza não. Então o Dólar não é dinheiro aqui no Brasil. Não no nosso dia-a-dia.

        E nesse sentido, na contexto específico do mercado de criptomoedas, sim, criptomoedas são dinheiro. Isso porque muita gente está recebendo criptomoedas como pagamento de produtos e serviços e estão pagando por produtos e serviços com criptomoedas.

        Resumindo, o que é ou não dinheiro depende do contexto, do lugar, enfim.. é bastante relativo. Então sugiro mais prudência e não fazer afirmativas taxativas do tipo “criptomoedas são dinheiros de mentira”

        É apenas um toque. No mais, admiro muito o seu trabalho, parabéns pelo resultados alcançados e obrigado por nos trazer ótimas reflexões.

        Obs: Uma curiosidade pra fechar. Morei um tempo em uma cidade do interior do Mato Grosso, com um agronegócio bastante pujante. Lá sacas de soja são dinheiro. Muitas pagamentos e recebimentos são feitos em sacas de soja a ponto até dos preços serem expressos assim. Um computador, por exemplo, custa x Reais ou y sacas de soja.

        1. Permito a discórdia, Rogério! :)

          Quando digo que criptomoeda é dinheiro de mentirinha (isso sendo bondoso), é por ele não atender, ao menos na prática, a função basilar do dinheiro. Permita-se extrair um trecho do seu comentário:

          Isso porque muita gente está recebendo criptomoedas como pagamento de produtos e serviços e estão pagando por produtos e serviços com criptomoedas.

          Não há muitas evidências que sustentem essa afirmação. Muitas empresas que em algum momento da última década passaram a receber em criptomoedas reviram isso devido ao baixo uso. Criptomoedas só são populares em transações que precisam ou em que é desejável algum nível de discrição/privacidade — produtos como VPNs e, talvez no seu uso mais popular, pagamento de resgates para ataques de ransomware.

          O que se vê hoje, fora esses usos limitados ou questionáveis, é a subversão (ou conversão) das criptomoedas em reservas de valor. E com base em… nada! Por isso, para muitas pessoas (eu entre elas), criptomoedas são nada mais que um gigantesco esquema de pirâmide. Mas divago.

          1. Seu ponto está claro, você não considera criptomoeda dinheiro. Mas o meu talvez não tenha ficado claro. Eu também não considero criptomoeda dinheiro. E concordo 99% com você. No entanto, te citando:

            “Quando digo que criptomoeda é dinheiro de mentirinha (isso sendo bondoso), é por ele não atender, ao menos na prática, a função basilar do dinheiro.”

            Pois é… pra você e pra mim criptomoeda não é dinheiro porque não atende a função basilar do dinheiro. Mas pra algumas pessoas (poucas, que seja) as criptomoedas atendem, na prática, a função basilar do dinheiro. Logo, para essas pessoas, criptomoedas são dinheiro. Era só isso que eu queria dizer. E aí reside o 1% que discordo de você. Não acho que alguém, seja quem for, possa afirmar como verdade absoluta que criptomoeda não é dinheiro. Mas, enfim, é apenas um detalhe… (o 1%)

            PS: como faz para citar como você fez? Pra aparecer aquela linha vertical à esquerda da citação?

          2. @ Rogério Calsavara

            Saquei! Não sei se concordo, porém, com a lógica. Algumas pessoas (poucas, que seja) não acreditam que o homem chegou à Lua, mas isso não invalida a afirmação de que o homem chegou à Lua. Ou, para ficarmos num exemplo mais alinhado ao nosso debate, tem gente que cheira cocaína e acha super legal, mas isso não impede eu (e muita gente) de dizer que cocaína é cilada.

            A citação é feita com a tag HTML blockquote. Dê uma olhada aqui.

Compre dos parceiros do Manual:

Manual do Usuário