Podcasts exclusivos no Globoplay

O livro A república das milícias, de Bruno Paes Manso, virou podcast, fruto da primeira parceria da Globo com a Rádio Novelo. O programa, que estreou na última sexta-feira (27), é um “original Globoplay” e só pode ser ouvido no próprio ou na Deezer. Via G1.

Não é o primeiro podcast exclusivo do Globoplay. Antes dele, veio o À mão armada, apresentado por Sônia Bridi. A fragmentação do ecossistema de podcasts, iniciada em 2019 pelo Spotify, segue aumentando.

Deixe um comentário para Capitão Caverna Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

24 comentários

  1. Pensando aqui.

    Eu não sei se podcasts cairiam em algum formato de financiamento público, mas eis um ponto sobre produção cultural – se há uma busca por capitalização do “produto”, vai de encontro a quem fazer uma melhor oferta de capitalização ao tal.

    Já vi casos das pessoas falarem que “vão criar uma plataforma gratuita”, e tempos depois “vamos fechar nosso conteúdo aos assinantes” pois o modelo gratuito a pessoa não era viável. Exceção óbvia é o MdU – gratuito desde sempre.

    A Greve do Twitch, a exclusividade dos podcasts, o OnlyFans, a ida de pessoas ao TikTok/Kwai (só para ganhar dinheiro)… tudo isso são fenômenos correlacionados – a questão de capitalização do conteúdo, do mecenato virando produto de prateleira em supermercado.

  2. Mas eles disponibilizaram o RSS, dai eu só adicionei no google podcasts e foi. Não sei se vão bloquear pros próximos episódios.

      1. Isso reflete a crescente profissionalização da produção de podcasts e era esperado. Na verdade acho meio infantil a reação tipo “me recuso a escutar” qdo um programa torna-se exclusivo. Não vejo problema nenhum se isso trouxer melhor remuneração aos criadores e produção mais bem acabada aos podcasts.

        1. Cada um sabe de si, e isso vale para quem produz podcasts e fecha esses acordos com plataformas. Do mesmo modo, também não acho errado ou mesmo ruim o protesto do tipo boicote. No mínimo, isso demonstra aos produtores de podcasts que esses acordos não são só vantagens — e vale para todo e qualquer programa, até o (suposto) mais popular do mundo.

          Isso reflete a crescente profissionalização da produção de podcasts

          Difícil cravar que os acordos exclusivos refletem a profissionalização do meio. Outra hipótese é a de que esses dois fenômenos meramente se correlacionam e existem outras variáveis (o surgimento de programas de apelo mais amplo, não necessariamente exclusivos, e a pandemia, para ficar em dois) na jogada.

          1. Ghedin, os podcasts estão seguindo os mesmos caminhos de estações de rádio ou tv. Apenas isso.
            As plataformas de podcasts funcionam como estações ou emissoras. E todo e qualquer programa de tv ou rádio é sempre exclusivo daquele. Se vc quer assistir um programa de um canal fechado, tem que assinar.

            Nesse momento alguém pode pensar “mas existe a tv aberta, acessível a todos”. Pois é, só que a tv aberta já tem o seu modelo de negócios bem estabelecido com patrocinadores, o que não é o caso dos podcasts.
            Esse modelo de negócios ainda é quase inexistente e pouco ou nada rentável de modo geral.

            O que sobra para quem tenta sobreviver disso? Partir para o velho contrato de exclusividade.

            Para sobreviver, os podcasts estão passando por uma mudança quase que cultural, onde estávamos acostumados a pensar que eles eram de todos e estavam acessível a todos. Mas isso mudou e ainda vai mudar mais.

          2. @ Capitão Caverna

            Poxa, não sei se essa analogia é perfeita. Outra modo de enxergar o cenário dentro da sua analogia é como se as fabricantes de TVs (das “plataformas” de TV) começassem a comprar canais de TV aberta e torná-los exclusivos das suas marcas.

            O que sobra para quem tenta sobreviver disso? Partir para o velho contrato de exclusividade.

            Pouco se fala disso, mas já ouvi de mais de uma fonte que a maioria dos contratos de exclusividade do Spotify, por exemplo, não envolve pagamento. Troca-se a exclusividade por promoção/divulgação.

            Outra: em essência, podcasts são feeds RSS com um arquivo de áudio emendado. Não me recordo de um leitor de RSS que tenha comprado a exclusividade de algum site.

        1. Antonio, como você obteve o endereço RSS? Gostaria de conseguir de outro programa que está restrito ao Globoplay e Deezer chamado Papo de Parente.

  3. Boicoto todas plataformas que colocam exclusividade e/ou fecham só para assinantes, em especial o spotfy. Ainda sou adepto do rádio (sim, rádio de verdade, com antena e tudo, ainda existe!) e da livre navegação (também ainda existe).

  4. Podcast público, normal, como sempre foi, com feed rss livre e onde cada um ouve no app que quiser e quando quiser: 1389127312837192 ouvintes.

    Podcast “exclusivo”, “privado”, em plataforma fechada, paga, escondido, fruto de parceria, etc etc etc: 10 ouvintes, 1 assíduo (algum parente).

  5. Será se os da b9 serão exclusivos também um dia? Lembro que a globo adquiriu a plataforma. Espero que não. Isso é muito ruim

  6. Infelizmente isso vai continuar, continuar… é triste mas é verdade.
    Um dos podcasts que eu costumo ouvir, o “Para dar nome à coisas” (super recomendo!) agora é exclusivo Spotify. Recebi essa notícia na sexta-feira.

    Falando nisso, uma dúvida que eu tenho. Costumo escutar meus podcasts pelo AntennaPod e este podcast em questão (Para dar nome às coisas) está no Anchor. O Anchor sendo parte do Spotify, será que vou poder continuar ouvindo?

      1. Exisitia o https://spotifeed.timdorr.com/ que convertia o feed exclusivo para RSS.
        Mas o spotify mudou o esquema do servidor e acabou o a funcionalidade do site, isso era esperado…

        Em inglês:
        “They have switched to streaming directly from the podcast’s source server. For non-exclusive podcasts, that is simply whatever is in the RSS feed (in which case, you can access those podcasts directly without Spotifeed’s help). For exclusive podcasts, Spotify is using their audio-fa.scdn.co server, which appears to be using a chunked MP4 stream that is not usable by general podcast clients. That means Spotifeed would have to re-host the podcast audio files to make those downloadable, which is not feasible or legal. “

  7. Pode ser pouco, mas já faço o meu boicote ao não ouvir podcast exclusivo do spotify. Na verdade eu não ouço podcast nenhum nele, já tenho o meu aplicativo só pra podcast.

    1. Eu faço a mesma coisa, Matheus. Tenho vários podcasts que eu gosto que se tornaram exclusivos do Spotify e Deezer. Faço questão de não escutar

O site recebe uma comissão quando você clica nos links abaixo antes de fazer suas compras. Você não paga nada a mais por isso.

Nossas indicações literárias »

Manual do Usuário