Interior de uma academia da Smart Fit.

Guia Prático #176: Tecnologia e modelos de negócio são aliados na prática de exercícios físicos


28/3/19 às 13h47

Cedo ou tarde você se vê sedentário e resolve começar — provavelmente na próxima segunda-feira — uma mudança de hábito. Decide exercitar-se. Quem toma esta decisão hoje pode tirar proveito de aplicativos auxiliares e de academias que, ao adotarem modelos de negócio consagrados por startups de tecnologia, oferecem equipamentos modernos, farta disponibilidade e preços baixos. No programa de hoje, eu (Rodrigo Ghedin), Naiady Piva e Fabio Montarroios debatemos esse assunto. Ouça:

Se preferir, baixe o MP3.

O Guia Prático está disponível nos principais diretórios/apps de podcasts: iPhone (Apple Podcasts), Spotify, Google Podcasts ou outros apps (RSS).

Não sabe como assinar podcasts no seu celular? Leia o nosso guia simplificado.


Alguns links citados no programa:

Indicação relacionada ao tema:

  • Sociedade do cansaço [Amazon], de Byung-Chul Han.

Este post contém links comissionados de lojas parceiras do Manual do Usuário. Caso faça uma compra a partir de um deles, o blog receberá uma pequena comissão — que não afeta o valor final pago por você.

Foto: Smart Fit/Divulgação.

Colabore
Assine o Manual

Privacidade online é possível e este blog prova: aqui, você não é monitorado. A cobertura de tecnologia mais crítica do Brasil precisa do seu apoio.

Assine
a partir de R$ 9/mês

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 comentários

  1. Minha experiência com saúde + tecnologia: faz alguns anos usei o Endomondo para umas pedaladas mas achava muito incomodo sair com o celular e jamais gostei de armbands para fixá-lo no braço. Ia no bolso mesmo, com o fone de ouvido (com fio) tocando alguma coisa. Analisava os dados, principalmente tempo e trajeto e eventualmente compartilhava alguma coisa em alguma rede social. Depois de um tempo parei, tornei-me mais relapso com os exercícios e fiquei assim até agosto do ano passado.

    Em agosto, graça a uma promoção da operadora, comprei um Apple Watch com LTE. Já na ativação é definida uma meta de movimento, de exercícios e de ficar em pé. A de movimento é incrementada a medida que você a atinge e a de exercício, fixa em 30 minutos diários. A de ficar em pé é de em hora em hora ficar alguns minutos de pé, para contabilizar aquela hora na meta.

    Efetivamente foi um grande impulso: passei a pedalar diariamente, incrementando paulatinamente meu percurso – hoje em 20 km/dia. Faço força para bater as outras metas e o processo de estímulo realmente funciona. As mensagens de “vai lá, você consegue!” e “não deixe de pedalar hoje” tem um impacto psicológico bastante positivo. Nessa, já perdi 10 kg de peso e o colesterol voltou ao normal, além dos demais ganhos de atividade física regular.

    Hoje uso o Apple Watch e o aplicativo Saúde como controle e peso, taxas e atividades que, com a base histórica, funciona bem para mensurar evolução. Minha cardiologista gosta muito, principalmente do controle dos batimentos. Uso também os AirPods, que combinado com o LTE do Watch permitem escolher na hora música ou podcast, sem limitação de ter ou não baixado antes. É quando ouço o Guia Prático, em cima da bicicleta.

    Abraços!

    PS: Fui um dos que criticou o tom dos podcasts anteriores e já senti – pode ser só psicológico – melhora nesse. E Fábio, quando citei conflitos nos outros comentários, entenda como divergências educada de opiniões e não gritaria e puxão de cabelo. He he he