Guia Prático #169: A indústria da tecnologia e a mineração


31/1/19 às 9h48

Na última sexta-feira (25), uma barragem de rejeitos de minério da Vale se rompeu em Brumadinho (MG), causando a morte de dezenas de pessoas e enormes estragos ambientais. Desastres desse tipo são justificadamente impactantes, porém estão longe de serem o único problema das mineradoras. A mineração corrói o planeta, polui muito, maltrata trabalhadores, mexe com o conceito de propriedade e, não raro, ultrapassa os limites das leis trabalhistas e ambientais. A indústria da tecnologia está intimamente ligada à da mineração. Os celulares e outros gadgets que usamos são feitos com matéria-prima extraída da Terra. É essa ligação, por vezes invisível ao usuário final, que eu (Rodrigo Ghedin), Naiady Piva e Fabio Montarroios abordamos no programa desta semana.

Se preferir, baixe o MP3.

O Guia Prático está disponível nos principais diretórios/apps de podcasts: iPhone (Apple Podcasts), Spotify, Google Podcasts ou outros apps (RSS).

Não sabe como assinar podcasts no seu celular? Leia o nosso guia simplificado.


Alguns links citados no programa:

Estudos e sugestões de leitura complementares:

Assine o Manual do Usuário

Ao acessar este blog, você não é rastreado ou monitorado por empresas como Google, Facebook e outras de publicidade digital. A sua privacidade é preservada. O Manual do Usuário tenta viabilizar-se por métodos alternativos e éticos. O principal é o financiamento coletivo. Colabore — custa a partir de R$ 9 por mês:

Assine no Catarse

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 comentário

  1. Somente agora terminei o podcast, muito bom o trabalho.

    Sobre os mineiros (os que trabalham em minas e não os que moram no estado) eu tive um tio-avô mineiro. Trabalhou por anos (15, pra ser exato) numa mina de carvão e conseguiu com isso um câncer de pulmão aos 54 anos que o matou aos 57 (idade que mesmo pros anos 90 era baixa, ou seja, morreu cedo demais).

    Nada que mude a vida de ninguém, mas, uma evidência anedótica que reforça o que o Fábio trouxe (ainda que não seja o mesmo câncer).