Guia Prático #167: Previsões de tecnologia para 2019


17/1/19 às 9h00

No programa de hoje, primeiro de 2019 e da nova fase do Manual do Usuário, eu (Rodrigo Ghedin), Naiady Piva e Fabio Montarroios debatemos algumas previsões de tecnologia para 2019. Não nossas, mas de uma consultoria (Fjord) e de colunistas da área (Ronaldo LemosGeoffrey A. Fowler e Joanna Stern e David Pierce).

Se preferir, baixe o arquivo mp3.

Notícias e reportagens citadas na conversa:

Do nosso arquivo:

Ouça no iPhone (Apple Podcasts), Spotify, Google Podcasts ou outros apps (RSS).

Assine o Manual do Usuário

Ao acessar este blog, você não é rastreado ou monitorado por empresas como Google, Facebook e outras de publicidade digital. A sua privacidade é preservada. O Manual do Usuário tenta viabilizar-se por métodos alternativos e éticos. O principal é o financiamento coletivo. Colabore — custa a partir de R$ 9 por mês:

Assine no Catarse

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 comentários

  1. Opa! Queria comentar sobre uma coisa mobilidade urbana, um assunto a parte que poderia ser abordado com mais profundidade. A questão não é o tipo de modal, mas o tipo de transporte mesmo, se ele é individua ou coletivo. O problema mesmo é o carro individual. Pense numa pessoa que vai de carro para o trabalho: digamos que ela leve 1h em cada perna. Isso significa que o carro ficará parado, ocupando espaço, 91% do tempo. Imagina uma fábrica cuja máquina fique ociosa por 91% do tempo? Parece um desperdício de recursos. E é. Enorme! E ainda tem o consumo gigante de espaço urbano de vagas de garagem. Aliás, o mesmo se aplica à bicicleta: nos países em que a bicicleta é um meio de transporte disseminado, são necessários edificios-garagem para estacionar as bicicletas individuais, que serão usadas 2x por dia. Os serviços de aluguel de bicicleta (e de carro, como já tem em alguns países) são mais baratos do que a propriedade do bem.

    No caso dos aplicativos transporte, eles são ótimos porque democratizaram um serviço que sempre foi caríssimo, o taxi.

    Se algumas regiões da cidade não oferecem condições de segurança para operações, quem são os responsáveis? Ou faremos como com a Light, no RJ, que tem uma perda bizarra com gato de energia e não consegue combater, porque são em áreas de risco? A conta é distribuída pelos consumidores que pagam.

  2. Ficou muito bom essa formato. Me parece um meio termo entre o muito formal e o de bate-papo descontraído.

    1. Achei bem melhor também.

      Não gostava do último estilo, pois acabei me acostumando com o anterior, mais focado num assunto, acho melhor.