Guia Prático #129: o mercado dos assistentes inteligentes por voz


9/7/17 às 19h10

No episódio 129 do Guia Prático eu, Emily Canto Nunes, e Joel Nascimento Jr. recebemos André Cardozo, meu ex-chefe no iG Tecnologia e atualmente editor online da Isto É. O assunto é um tema cada vez mais em voga, mas que ainda não vemos repercutir muito no Brasil: assistente inteligentes por comando de voz que, transformados em alto-falantes para a casa, estão ganhando espaço, principalmente onde a primeira língua é o inglês.

Amazon Echo Home, Google Home e HomePod, da Apple, são os nomes mais fortes no momento, mas sabemos que outro estão por vir. Afinal, o que podemos esperar dessa tecnologia, desses produtos e dos nossos próprios comportamentos frente à inteligência artificial. Escute-nos e comente conosco:

Edição: Joel Nascimento Jr.

Se preferir, baixe o MP3 para ouvir depois. E assine o programa, via iTunes ou pelo RSS, para não perder nenhum episódio futuro.

Links relacionados:

Colabore
Assine o Manual

Privacidade online é possível e este blog prova: aqui, você não é monitorado. A cobertura de tecnologia mais crítica do Brasil precisa do seu apoio.

Assine
a partir de R$ 9/mês

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7 comentários

  1. A questão de usar a mesma IA acho que não é tão relevante assim, afinal as tecnologias utilizadas por essas empresas costumam ser amplamente divulgadas em artigos científicos e ferramentas de machine learning.

    O ponto é que cada empresa tem um tipo diferente de dado e a adaptação desses modelos aos dados é a chave da questão, não o algoritmo em si. Sendo os dados o grande ativo das empresas, acho que os assistentes continuarão competindo em paralelo.

  2. Algo como a assistente de Her é um sonho, ainda mais se haver um ecossistema sólido, porém ainda não há, o ecossistema da Apple é bonito entre os gadgets da marca, mas fechado e limitado, o da Microsoft é menor em quantidade mas maior em alcance e conectividade, o mesmo serve para a Google que domina o mobile, mas as inconsistências no SO (leia-se fragmentação) são impeditivas. Todas as assistentes são boas, mas ainda há muito o que melhorar. As que possuem a melhor interface humanizada são a Alexa e Cortana, mas ainda possuem limitações.
    Algo como a inteligência do filme Her, e não me refiro àquela do começo, chegará em 2022, através de uma empresa sem um nome grande, mas com ideias e pronta para o início da verdadeira interação homem-máquina.

  3. Falta muita evolução para que os assistentes por voz serem utilizáveis, uma das coisas que eu mais utilizaria seria a opção de tocar uma musica no spotify, tipo ” toque shape of you no spotify” e não abrir somente o spotify.

  4. Achob que é algo que não falei no Podcast por que a coisa acabou saindo dos aparelhos pra falar dos assistentes, mas eu nem considerei o HomePod por que aquilo, IMHO, é uma piada de mal gosto do Ballmer/Cook.

  5. No livro “Neuromancer” as IAs são proibidas de se unirem. Existe até leis e uma polícia para vigiar isso. É como se o Google Assistant resolvesse por conta própria se unir a Alexa, Siri, Watson…