Guia Prático #121: WannaCry, o maior ataque hacker


14/5/17 às 21h48

No dia posterior ao provável maior ataque hacker da nossa história atual não podíamos falar de outra coisa que não do WannaCry. WannaCry ou WannaCryptor é um ransomware que se espalhou por computadores na sexta-feira (12), aproveitando uma vulnerabilidade encontrada em versões desatualizadas do Windows, e que pedia um resgate em bitcoin pelos arquivos criptografados nos computadores infectados. Por Emily Canto Nunes, Paulo Higa e um convidado especial: Bruno Ferrari, editor de Tecnologia da Época.

Se preferir, baixe o MP3 para ouvir depois. E assine o programa, via iTunes ou pelo RSS, para não perder nenhum episódio futuro.

Links relacionados

Colabore
Assine o Manual

Privacidade online é possível e este blog prova: aqui, você não é monitorado. A cobertura de tecnologia mais crítica do Brasil precisa do seu apoio.

Assine
a partir de R$ 9/mês

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

6 comentários

  1. Ótimo episódio! (como sempre)
    Uma pequena correção de algo que foi falado no início do episódio:
    O valor pedido pelos sequestradores foi o equivalente a 300 dólares em Bitcoin e não 300 bitcoins.

  2. Em três dias, os sequestradores levantaram relativamente pouco dinheiro. Uma das carteiras acusa apenas 80 transações: https://blockchain.info/address/13AM4VW2dhxYgXeQepoHkHSQuy6NgaEb94

    Imagino o que pode acontecer caso essa resposta tão pequena às ameaças leve a uma escalada das chantagens. Mas fica ainda a dúvida com a forma como as pessoas e instituições estão lidando com isto:

    a) elas simplesmente não entenderam o que ocorreu?
    b) estão pagando pra ver? (aliás, “não pagando” pra ver)
    c) todo mundo tem backups adequados de seus dados?

    A “c”, obviamente, é a menos provável.

  3. Olá Emily. Realmente, não tinha como falar de outra coisa senão do WannaCry. É impressionante a quantidade de pessoas que ainda usam versões não suportadas do Windows. Cara, Windows XP em pleno 2017 é um fato a ser estudado. Qual é o real problema desse apego? Será que é apego mesmo? Será que a Microsoft não facilitou eficientemente a migração pros sistemas posteriores ao XP? Segundo alguns devs com os quais converso, sim falta integração com a comunidade dev do Windows. E o que dizer de quem simplesmente não atualiza o Windows em suas versões ainda suportadas? Falta conhecimento e coerência, muitas vezes. Em várias empresas TI parece ser o lugar dos moleques que jogam vídeo-game apenas, e as pessoas não percebem que tem um recurso valioso que são os dados. Pelo memos a Microsoft de forma surpreendente fez a sua parte (que nem tinha obrigação de fazer) e liberou os patchs de segurança pra barrar o WannaCry. Certamente temendo alguns processos (causa quase perdida, afinal o Windows XP por exemplo perdeu suporte em 2014, e a Microsoft avisou várias e várias vezes que isso aconteceria), e que o ataque ofuscasse a BUILD 2017. E claro que a BUILD foi totalmente ofuscada.
    Sobre a BUILD 2017, sim, poderia valer apena gravar um Guia Prático. As novidades foram muitas, mas passado o calor da emoção, ficou uma pergunta na minha cabeça: De tudo aquilo que foi apresentado, o que chegará ao usuário final? No máximo, alguns programas Win32 convertidos via Centennial e o Fluent Design System. Ou seja, não tinha como o WannaCry não ofuscar a BUILD 2017. E de novo, cadê a parte para devs? Essa é a parte que interessa para a plataforma UWP, e eu não vi nenhum novo pacote de API’s serem anunciadas na BUILD, assim como não vi nada relacionado ao .NET ou às outras ferramentas da Microsoft para desenvolvimento para Windows, exceto o anúncio do Visual Studio pra Mac e recursos novos pra programar pra iOS sem precisar de um Mac