Xperia XZ Premium desmontado.

Guia Prático #111: Todos os smartphones estão iguais


4/3/17 às 15h31

No programa de hoje, especial sobre o Mobile World Congress, eu (Rodrigo Ghedin), Emily Canto Nunes e Paulo Higa conseguimos a proeza de falar por 40 minutos do evento sem entrar em detalhes a respeito do Nokia 3310! Em vez disso, falamos de como é difícil fazer um smartphone ruim hoje e o que essa padronização significa para o mercado e para os desejos do consumidor.

Se preferir, baixe o MP3 e ouça depois. E se você ainda não assinou o programa no seu player de podcasts favorito, faça isso via iTunes ou pelo RSS.

Links citados

Foto do topo: Emily Canto Nunes.

Colabore
Assine o Manual

Privacidade online é possível e este blog prova: aqui, você não é monitorado. A cobertura de tecnologia mais crítica do Brasil precisa do seu apoio.

Assine
a partir de R$ 9/mês

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

10 comentários

  1. Deram kill no iphone 4s de propósito, porque os proprietários não estavam trocando. Obsolescência programada é realidade e tem que ser denunciada no Ministério Público!

  2. Falar que eu tava comentando com alguém sobre isso no twitter, esses dias mesmo.
    Em 2011 eu escolhia celular por bateria, processador, memória ram e interna, suporte a atualizações…
    Em 2017 eu escolho celular pela câmera.

  3. Senti falta de comentarem um pouco sobre os fabricantes que não estão no Brasil, principalmente os chineses, como Huawei, Oppo e outros. Me parece que tem havido um pouquinho mais de inovação por parte deles, e os aparelhos aparentam ser de excelente qualidade.

    1. Não sei qual a inovação esteja falando já que eles pouco investem em desenvolvimento. Pelo menos tirando a Huawei, não sei quem das chinesas tem investimento real.
      O que acontece com essas Oppo, One Plus e outras é a possibilidade de oferecer bons e belos aparelhos por bons preços.
      E isso a Huawei não se encaixa, pelo menos pelo que tenho reparado, os preços que ela prática são parecido com os ocidentais, não?
      De qualquer forma, falar deles valeria a pena. Até por que tem brasileiros optando por trazer esses aparelhos ao invés de ficar com as linhas médias das fabricantes locais.

      1. A Xiaomi recentemente teve o Mi Mix como um “investimento real”. É apenas um entre tantos smartphones que lançam, mas querendo ou não está ditando a tendência desse ano.

      2. Você está certo, na verdade eu pensei principalmente na Huawei, tanto que foi a primeira que citei. As outras eu coloquei no mesmo balde, mas tem estratégias diferentes.

        A minha percepção é que a Huawei lidera as chinesas no campo da inovação, inclusive estão investindo em VR e outras novas tecnologias, assim como diferenciais interessantes nos smartphones.

        Quanto às importações, conheço muita gente interessada realmente.

    2. Concordo, com adendo de que ok Emily, muitos aceitam pagar mais caro por um intermediário, mas é inegável que outros tantos não aceitam pagar o custo Brasil, e preferem importar da China. A despeito de todos os contras – tempo de espera, garantia, manutenção – importar por exemplo um OnePlus pode valer muito mais apena do que ir num varejista qualquer

  4. Como sempre tenho dito e esse podcast confirma isso: a inovação acabou e tudo é mais do mesmo. Talvez o sistema juntamente com a inteligência artificial sejam os diferenciais. Aguardando o dispositivo definitivo aclamado por Nadella.

    1. Estou escrevendo sobre isso agora mesmo. Digamos que para Nadella, o cellular PC fará o que sempre foi pedido pelos usuários de Windows, e que a Microsoft quer ver o fim da fronteira entre smartphones e PC’s