Project Valerie, da Razer, apresentado na CES 2017.

Guia Prático #105: CES 2017: Relevância, chineses e Alexa


14/1/17 às 20h18

Sabe quem voltou? Ele mesmo, o Guia Prático, o podcast semanal do Manual do Usuário. Fazendo jus ao calendário da tecnologia, retomamos as atividades para 2017 falando de CES, o primeiro grande evento da área que acontece sempre no começo de janeiro, em Las Vegas, nos Estados Unidos. Eu (Rodrigo Ghedin), Emily Canto Nunes e Paulo Higa, que esteve lá cobrindo presencialmente a CES, falamos sobre curiosidades da feira e os principais destaques desta edição — na nossa avaliação, a cada vez mais forte presença chinesa e a Amazon, que mesmo sem estar oficialmente lá, roubou a cena com a Alexa, sua inteligência artificial que apareceu embarcada em diversos produtos. Ouça aí:

Se preferir, baixe o MP3 e ouça depois. E se você ainda não assinou o programa no seu player de podcasts favorito, faça isso via iTunes ou pelo RSS.

Links citados

Foto do topo: PCFlight.

Assine o Manual do Usuário

Ao acessar este blog, você não é rastreado ou monitorado por empresas como Google, Facebook e outras de publicidade digital. A sua privacidade é preservada. O Manual do Usuário tenta viabilizar-se por métodos alternativos e éticos. O principal é o financiamento coletivo. Colabore — custa a partir de R$ 9 por mês:

Assine no Catarse

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

12 comentários

  1. Eu achei esse texto interessante sobre a Amazon: http://www.vox.com/new-money/2016/12/28/13889840/amazon-innovation-google-apple

    As discussões sobre o fim da Apple, em geral, ficam em torno do crescimento da Microsoft e do Google como concorrentes…mas a Amazon tem tido um histórico impressionante de lançar segmentos de mercado: AWS é uma revolução gigante e muito bem sucedida, o Kindle também é espetacular e, agora, a Alexa parece ser um concorrente forte (e inesperado).

    São revoluções impressionantes para uma empresa de “varejo”, não vejo nenhuma das concorrentes conseguindo impactar tanto em mercados distintos.

    1. Como assim “fim da Apple”? Fim em quê exatamente, visto que a msm tem o “respeitadíssimo” iOS(mais q qualquer outro OS Mobile)?
      E sim,de fato,é impressionante um negócio tipo a Alexa vir da Amazon que até um tempo desses era uma empresa apenas de varejo(?).

  2. uhuuu, só de saber que o Ghedin voltará a me acompanhar durante minhas caminhadas… já fico todo arrepiado. :)

  3. Claro que o produto que mais chamou a atenção, além da Alexa da Amazon, foi o notebook da Razer com W10. E ainda dizem que o mercado de PCs está estagnado (ou morto) rsrs.

    1. O mercado de PCs está estagnado, agora as fabricantes estão interessada em um público com alto poder aquisitivo (games e empresas), aquele PC do Show do Milhão não interessa mais as pessoas comuns, que já tem tudo no Smartphone

      1. Tudo no smartphone? Depende. Esses smartphones atuais não substituem os PCs atuais. A Microsoft quer inovar nos PCs de bolso para usuários comuns. É esperar para ver.

        1. Você leu meu comentário? Disse que o “Esperto-Fone” substitui os PC em casa, onde as pessoas usam para entretenimento básico, os PC de mesa em casa “PC Show do milhão” estão em desuso, por isso afirmo que à industria esta focando em Jogadores e Empresas onde um bom PC com mouse e teclado tem seu lugar reservado.

          Microsoft PC de bolso? Claro com market share de menos de 1%
          Ela pode ate revolucionar, quando mais demora menos impacto vai gerar.

          https://tecnoblog.net/178235/vendas-pcs-brasil-queda-dell-lideranca/

          http://link.estadao.com.br/noticias/geral,mercado-mundial-de-pcs-encolhe-11,10000033359

          http://idgnow.com.br/ti-pessoal/2016/04/13/em-baixa-mercado-de-pcs-nao-mostra-sinais-de-recuperacao-em-2016/

          1. Os PCs ou tabletes 2 em 1 são a grande tendência para o consumidor final. E não, o smartphone atual não substitui em nada um PC, seja lá qual for (híbridos, “show do Milhão etc.).

          2. não tenta discutir. se a pessoa tem suas crenças definidas não é você que vai mudar isso.

        2. Vou usar um micro exemplo que serviu pra mim, não sei se é o caso do contexto aqui. Eu diria que, ao invés de uma família comum ter três computadores/notebook, um desktop na sala pra uso geral, um no escritório (da casa) e um no quarto do filho, sendo estes atualizados a cada cinco anos como era na época do Pentium III, Pentium IV, Pentium dual core…. ela teria apenas o pc da sala e o resto da família se vira com o smartphone — sendo o acesso a facebook, netflix + chromecast, aplicativos do banco, etc etc..

          Considerando que esse PC durando mais (o meu tá lá desde 2010, notebook desde 2012, provavelmente vão até 2020), o mercado de hardware para computadores fica parado.
          Inclusive chuto que o próximo mercado a receber isso é o de smartphones.