Fundo azul, com uma chamada para um PlayStation 5 no centro. À esquerda, a frase “Ofertas de verdade, lojas seguras e os melhores preços da internet.” À direita, “Baixe o app do Promobit”.

Fuga de cérebros: desenvolvedores latino-americanos ganham mais trabalhando remotamente para empresas estrangeiras

Notebook com editor de código aberto em um ambiente totalmente escuro.

O mercado de tecnologia da informação (TI) nunca esteve tão aquecido na América Latina. Além de sobrarem vagas em países como o Brasil, há uma nova tendência favorecendo esses profissionais: empresas estrangeiras que buscam profissionais para trabalho remoto na região pagando salários em dólar ou euro.

Latino-americanos ganham em média 2,2 vezes mais trabalhando para empresas de fora do que para empresas de seus próprios países — US$ 26,4 mil contra US$ 12 mil, respectivamente.

Em alguns cenários, a diferença é ainda maior, a depender do país em que o funcionário está baseado, sua experiência e o país do empregador. Em empresas norte-americanas, por exemplo, a diferença média é de 3,3 vezes para salários locais. E em países que sofrem com a desvalorização de suas moedas, como Guatemala, Brasil e Argentina, os saltos são maiores — 3,4, 3 e 2,8 vezes, respectivamente. O múltiplo do salário remoto em relação ao local pode chegar a 4 vezes.

Infográfico mostra quantas vezes mais ganham desenvolvedores que trabalham para empresas estrangeiras. No topo, Guatemala (3,4x), Brasil (3,1x) e Argentina (2,9x).
Desenvolvedores remotos na Guatemala e no Brasil ganham salário 3x maior quando trabalham para empresas estrangeiras. Infográfico: Arc/Divulgação.

Esses resultados constam em um levantamento realizado com 1.354 profissionais da América Latina, quase metade deles (46,5%) empregada em empresas estrangeiras, feito pela Arc, uma consultoria especializada em agenciar trabalhadores de TI para vagas remotas.

O relatório completo, em inglês, pode ser lido neste link.

Ao Manual do Usuário, JC Alarcon, gerente de marketing da Arc, explicou os motivos da disparidade salarial: “Com o financiamento abastecendo startups nos EUA e Reino Unido, a demanda por desenvolvedores disparou. Entretanto, os talentos continuam em falta. Naturalmente, as empresas de tecnologia começaram a procurar talentos não importa onde eles morem, incluindo a América Latina.”

Ao contrário do que pode parecer à primeira vista, custos supostamente menores não são o principal motivador para que as empresas de fora recorram à América Latina. “Descobrimos que a maioria das empresas que contratam pela nossa plataforma valorizam a experiência profissional como fator prioritário na hora de recrutar talentos”, disse Alarcon. “Com o trabalho remoto acelerando na pandemia, as empresas estão cada vez mais abertas a contratarem grandes desenvolvedores de qualquer lugar para estancarem a falta de talentos.”

Apesar disso, o salário pago em moeda local, em regra menor que os pagos em dólar ou euro e convertidos para serem gastos na América Latina, tem sim um peso relevante nessa disputa por talentos em escassez no mercado.

A Intera, startup de recrutamento digital brasileira, perguntou engenheiros back-end de diferentes níveis de experiência os principais fatores que os levariam a desistir de uma vaga de emprego. A disparidade entre salário oferecido e pretensão salarial foi um dos fatores mais citados (13,75% dos casos), e as disparidades entre expectativa e realidade chegaram a 90,7% — caso dos candidatos plenos, que querem ganhar até R$ 11 mil, mas topam com vagas que pagam em média R$ 8,3 mil.

Há um último aspecto a ser considerado, o mais amplo, que é o dos efeitos dessa “fuga de cérebros” — termo que se adequa melhor a essa situação que à das migrações, já que os “corpos“ dos profissionais continuam em seus países de origem —, que é o impacto nas empresas, tanto as locais, que ganham concorrentes com mais dinheiro para investir em salários, quanto as estrangeiras, que ampliam enormemente o leque de potenciais contratações.

Questionado, Alarcon reconhece que “os efeito da terceirização do trabalho para fora é complexo e seu impacto em larga escala ainda não é totalmente conhecido”, mas ressalta que a expansão geográfica é benéfica tanto às empresas quanto aos profissionais.

E para as empresas latino-americanas, muitas vezes incapazes de igualar o salário oferecido pelas estrangeiras, a saída é apostar em benefícios para conquistar e reter talentos locais. “[Salários] não são tudo; eles [profissionais] consideram também outros fatores, como a cultura da empresa, sua missão e benefícios”.

Horários flexíveis e plano de saúde, por exemplo, são benefícios que as empresas costumam oferecer a trabalhadores remotos, de acordo com outra pesquisa da Arc. Por isso, “deveriam ser considerados um mínimo em 2022”, aconselha às empresas locais.

O outro lado: o dos desenvolvedores

O Manual do Usuário conversou com quatro desenvolvedores brasileiros que trabalham para empresas estrangeiras, para tentar entender o que os motivou a buscarem esse tipo de emprego.

Matheus Fantinel, 26 anos, de Caxias do Sul (RS), já trabalhou para quatro empresas de fora desde julho de 2019. Atualmente, presta serviços a duas — por questões contratuais, não pode dizer quais, mas ele jura que são lícitas.

Atualmente, Matheus recebe quatro vezes mais do que recebia quando trabalhava para uma empresa brasileira. Mas ele lembra que nem sempre foi assim, e que a senioridade conta muito para que essa diferença seja relevante: “De início a diferença não foi tão grande assim, pois eu era CLT antes, e para o exterior é sempre na modalidade ‘PJ’. No salário líquido, a diferença entre meu salário de sênior no Brasil e de júnior remoto era de cerca de 50%.”

Para Henrique Bispo, 26 anos, de Belo Horizonte (MG), o salto salarial foi parecido, de quase quatro vezes (285%). Desde maio de 2021, ele trabalha para a BairesDev, empresa argentina de outsourcing de TI, e através dela foi alocado para a Refersion, empresa norte-americana de software para gerenciamento de marketing de afiliados.

Henrique reconhece que o salário é um fator decisivo, mas também o modelo de contratação: “O salário com certeza é o que mais pesa, mas também o modelo de contratação ser CLT. Para trabalhar ‘PJ’, prefiro trabalhar pra fora mesmo.”

Embora seja tendência, o movimento de terceirização não é exatamente novo. Igor Santos, 31 anos, do Rio de Janeiro (RJ), trabalha assim desde 2015. De lá para cá, seu salário cresceu 561% — no mesmo período, a inflação no Brasil foi de 41%.

Igor entrou nesse mercado pela Toptal, uma empresa de freelancing, e continua nela. Está alocado na eHungry há quatro anos, uma plataforma de e-commerce voltada a restaurantes e baseada em Raleigh, na Carolina do Norte, Estados Unidos.

A exemplo de Henrique, Igor também atribui grande peso ao salário e ao fato de ser remoto, ou seja, poder ser desempenhado de casa, mas não só. Para ele, a jornada flexível e limitada a 30 horas semanais, o ambiente saudável, sem pressões exageradas e os desafios, sempre novos, fazem o trabalho na eHungry ser de “um conforto inigualável”.

“Se surgir uma empresa brasileira, remota, com formato de trabalho tranquilo, e que me pague mais do que eu recebo, talvez eu aceitasse”, diz. Ele não acredita que isso vá acontecer, porém, e chegou a desativar seu LinkedIn para livrar-se do assédio dos recrutadores, nacionais e de fora, mas que lhe oferecem sempre cargos com salários bem inferiores ao que recebe. “O projeto pode ser o mais revolucionário do mundo, não tem como competir com o conforto financeiro que tenho atualmente.”

Veterano da turma, Rafael Goulart, 49 anos, de Santa Maria (RS), começou a transição para trabalhos remotos para empresas estrangeiras em 2012, a partir de colaborações voluntárias para um projeto de software livre. Atualmente, trabalha no time interno da ScalablePath, uma empresa de terceirização de desenvolvimento baseada em São Francisco, na Califórnia.

Para Rafael, há um elemento ausente nas comparações de salário comumente feitas, mas de suma importância: “É praticamente impossível conseguir no Brasil uma renda como a que tenho agora como programador. Teria que ascender a cargo de coordenação/chefia. O nível de estresse e responsabilidade não compensaria.”

Ele incentiva que desenvolvedores latino-americanos tentem trabalhar para empresas de fora. “Somos ‘baratos’, ao mesmo tempo em que nosso rendimento fica bem acima da média”, justifica. “Moro numa cidade de médio porte, pequenas distâncias, custo de vida razoável. Enfim, é uma boa perspectiva de carreira.”

Rafael faz duas ressalvas: o plano de aposentadoria, que é inexistente e passa a depender do próprio profissional, e as chances de eventos inesperados ocorrerem. “Há sempre a possibilidade de uma guerra esculhambar tudo.”

Planejamento é uma característica imprescindível, pois o profissional que trabalha para fora precisa lidar com burocracias e cuidados que costumam ser tratadas por departamentos específicos em empresas locais. Além de, claro, a volatilidade do câmbio.

“Comecei o ano sorrindo, com [o dólar a] R$ 5,70, e atualmente já perdi quase 20% do meu pagamento com a queda”, diz Igor. “Se você tem ‘medo’ de instabilidade financeira e não tem noções básicas de organização, melhor negociar um salário em reais com seu chefe gringo ou continuar no mercado nacional.”

Há uma preocupação evidente em todos os profissionais dos impactos dos seus empregos ao ecossistema do país onde vivem. Se por um lado isso injeta dinheiro de fora na economia local e recolhimento de impostos, por outro exacerba um tipo peculiar de “fuga de cérebros”.

“Eu gostaria muito que a minha mão de obra gerasse algo de bom pro país onde moro, e não pra outro lugar”, diz Matheus. “Se a diferença não fosse tão discrepante (e fosse até uns 20%, imagino), acho que iria preferir trabalhar para empresas daqui (ainda de home office, porém).”

Foto do topo: AltumCode/Unsplash.

Deixe um comentário para Bruno Cancelar resposta

Seu e-mail não será publicado. Dúvidas? Consulte a documentação dos comentários.

13 comentários

  1. Gostei da matéria e depois dos comentários da galera

    Só para eu ver se entendi alguns pontos levantados

    Atualmente faço projeto freela aqui no BR, eu junto com outra pessoa, os dois são full-stack hora eu faço o backend e hora eu faço o frontend em projetos que levanto os requisitos, conversa com cliente final, planejamento do BD, decisão da melhores linguagens que vamos usar (sim, usamos algumas, por estarmos sempre aprendendo), deploy em servidor como digitalocean e alterações depois, pois temos um mensal das alterações e acompanhamento (são projetos financeiros, projetos que informatizam toda uma pedreira, projetos de pedidos, supermercados, imobiliária, reservas em restaurantes, programas de pontos em material de construção, projetos de pessoas que fizeram mestrado e quis expor o trabalho através de um app e assim vai)
    Ou seja, participamos de tudo, e estou investindo tempo em aprender inglês a alguns meses
    Já trabalhei em empresa no BR como pleno, em 2015, depois disso já fizemos vários projetos assim.
    Bastaria somente o inglês mesmo, para tentar umas vagas lá fora, ou esperam mais que isso de profissional

    Ahh atualmente estamos dando aula também (ou seja, não só fazemos os projetos, temos uma base também para ensinar)

    Obrigado pelo retorno desde já, vocês são demais e colocam observações bem oportunas

  2. Sou desenvolvedor (10 anos de experiência) concursado em um órgão público, salário bruto em torno de 12k. Toda vez que leio notícias sobre ou converso com colegas que trabalham pra fora, bate a vontade de largar tudo e tentar algo do tipo. Mas sempre esbarro na questão da jornada (30h semanais), estabilidade, plano de aposentadoria (INSS mais um fundo onde eu contribuo com um percentual do salário e o órgão também como uma contrapartida) e um ótimo ambiente de trabalho.

    Uma coisa me chamou atenção no relato de um dos desenvolvedores: Conseguir aumentar o salário sem assumir uma posição de chefia/gerência. Passei um ano como chefe da seção de desenvolvimento, no início do mês entreguei a função, que me dava 27% de aumento salarial. O estresse somado a um problema de saúde grave na família estava me deixando desgraçado da cabeça. Uma pena que aqui não existe a cultura de progressão horizontal.

    Enfim, fiquei curioso se existe por aqui mais algum colega servidor público com essa pulga atrás da orelha também.

  3. Uma coisa importante que faltou citar, ou não ficou claro, sobre o boom salarial de quem passa a trabalhar pra fora: é ESSENCIAL ser experiente e “safo” no que você faz.
    Não adianta ter feito um bootcamp e fazer uns projetinhos; a galera lá fora não quer um Júnior, não quer ser babá de estrangeiro. Tem que saber fazer BEM o seu trabalho e ser independente.

    Sonhar que você vai levar um ou dois anos de 0 a 100 é só isso: um sonho. Tem muito post hoje em dia vangloriando esse aumento salarial e tem muita gente sonhando alto demais, e depois se frustrando quando não passa na parte técnica das entrevistas (ou pior, nem na comunicação inicial com o RH).
    Já organizei diversos eventos pra Toptal e fui alvo de inúmeras perguntas do gênero – a mais célebre foi “mas o que é ser fluente pra você?”
    Estudem, aprendam, treinem, estudem mais, e pratiquem. O caminho muitas vezes é mais longo do que parece. Mas vale 😉

    1. Assino embaixo, Igor.

      Sou valorizado por algo que um iniciante (e diria até 4, 5 anos de experiência) não tem como possuir: experiência em tecnologias “depreciadas”, obsoletas. Com o rápido envelhecimento de tecnologias, empresas ficam com código legado, muitas vezes sem documentação, ou sem a mão-de-obra que iniciou o projeto. Demanda tempo para ser este tipo de profissional, independente da capacidade pessoal.

      Uma habilidade muito exigida é comunicação, que é mais do que fluência na língua, mas a capacidade de entender e se fazer entender, clareza, objetividade (que o mercado norte americano aprecia bastante por conta da cultura local). Fazer um “code review” firme, mas sem ser ofensivo. Enfim, é uma habilidade menos nata do que adquirida mediante o exercício e observação.

      Ainda corroborando o que você comenta, é possível conseguir freelance no início, adquirir experiência e portfólio, mas enquanto não se ultrapassa uma barreira de independência em soluções (que se espera de alguém com mais experiência) as melhores oportunidades não estão ao alcance.

    2. Esse ponto ñ é algo que essas empresas de cursos trouxe para o mercado? Vejo muita gente caindo nesse conto de que vai ganhar dinheiro com a área de TI depois de fazer esses cursos ou bootcamp.

      Houve esse tal de “manifesto dev” que só tinha empresas de cursos e algumas empresas, ñ desmerecendo o trabalho que elas fazem, mas que realmente está trazendo uma certa falta de qualidade nos futuros profissionais de TI.

      1. Com certeza, junta uma crise econômica e de desemprego e uma área que aparenta estar imune a isso, e as empresas que oferecem cursos se aproveitam. Vendem esses bootcamps de programação como se fossem uma panaceia pra todos os problemas financeiros – e muita gente cai, afinal há várias matérias por aí falando sobre como essa área tá em alta.

        Só que não deixa de ser uma glamourização do trabalho também. Eu gosto bastante do que faço mas não há como negar que precisa de bastante suor metafórico pra ser bom e conseguir um bom salário. É muita coisa pra aprender e o ritmo nessas empresas de tecnologia costuma ser muito desenfreado, o que pode acabar com a cabeça de qualquer um que não se atentar a isso.

        1. Eu penso muito isso também.
          A área sempre foi carente de gente experiente, por ter muita gente se formando e muito lugar “fresco” pra trabalhar.
          Daí toda essa glamourização piora isso, esfregando os altos salários na cara da galera, como se isso fosse simples de conseguir desde o início.

          Você NÃO vai conseguir um bom job estrangeiro sem boa experiência. Se conseguiu, você deu MUITA sorte, pq isso é muito, muito raro. Mas a galera se ilude, e depois se frustra 🤷🏼‍♂️

  4. “Por questões contratuais, não pode dizer quais, mas ele jura que são lícitas” dei uma risadinha nessa parte

Compre dos parceiros do Manual:

Manual do Usuário