O Instagram não pode mais se esconder atrás do Facebook

5/12/18

Há seis anos, o Facebook fez uma aquisição daquelas que só acontecem uma vez na vida. Em seguida, fez algo brilhante: nada.

O Facebook deixou o Instagram por conta própria. O aplicativo estava crescendo rapidamente, tornando-se mais relevante a cada dia, abocanhando o público do rival Snapchat e ameaçando o próprio Facebook — apenas alguns dos motivos pelos quais a gigante de tecnologia gastou US$ 1 bilhão no aplicativo de fotos. Continuar lendo O Instagram não pode mais se esconder atrás do Facebook

A Amazon quer que todos sejamos consumidores o tempo inteiro

10/10/18

Todos os dias, o imperativo de perceber a si mesmo como um consumidor cresce em toda uma gama de experiências e instituições: nos shoppings e nos centros de negócios que substituíram praças e parques públicos; nas escolas e hospitais, onde as ofertas são criadas não para o bem-estar social geral, mas para a escolha individual do consumidor e o que cada um pode pagar; e nas academias de ginástica, onde exercícios, nutrição e outras formas de bem-estar foram redefinidas como escolhas pessoais de estilo de vida. Continuar lendo A Amazon quer que todos sejamos consumidores o tempo inteiro

O iPhone deixou de ser um smartphone caro para ser coisa de gente rica

13/9/18

Na apresentação dos novos iPhone Xs, Xs Max e Xr, Phil Schiller, o chefão do marketing da Apple, disse que a empresa quer “alcançar o maior número possível de pessoas com essa incrível tecnologia”. Brinca-se na indústria que a Apple tem o “campo de distorção da realidade”, um poder de retórica capaz de subverter a razão e convencer mesmo os mais céticos a engolirem esse papo marqueteiro. Nesta quarta (12), o encanto foi quebrado. O iPhone ficou caro demais. Continuar lendo O iPhone deixou de ser um smartphone caro para ser coisa de gente rica

Esta empresa oferece hologramas para ajudar políticos a se elegerem

5/9/18

Em 2018, santinhos, caminhadas com apoiadores e programas de rádio e TV estão recebendo reforços tecnológicos na corrida eleitoral. Fala-se muito em posts patrocinados no Facebook e correntes no WhatsApp como táticas de vanguarda neste pleito, mas a Holo Ahead apresentou algo ainda mais futurista para os candidatos dialogarem com os eleitores: hologramas. Continuar lendo Esta empresa oferece hologramas para ajudar políticos a se elegerem

Twitter, torne os robôs da sua rede identificáveis

22/8/18

Qualquer um interessado em influenciar a opinião pública pagaria um punhado de dólares, feliz da vida, para amplificar sua voz. Governos, grupos políticos, empresas, comerciantes e simples trolls continuarão a gritar através de exércitos de bots — enquanto eles forem baratos. Os bots, ou robôs, custam menos que comprar espaço publicitário, são menos arriscados que uma rede de espiões, mais eficientes e menos propensos a falhas que criar 50 contas falsas manualmente. Se robôs pudessem ser identificados e etiquetados, a indústria de boataria sofreria um duro golpe. Aqui está como podemos fazer isso acontecer. Continuar lendo Twitter, torne os robôs da sua rede identificáveis

Elementos da crítica tecnológica

16/8/18

Nota do editor: Mike Pepi mora em Nova York e é escritor freelancer de arte, cultura e tecnologia.


Minha tentativa de sintetizar os últimos anos do emergente campo da crítica tecnológica em um conjunto de princípios gerais recorrentes. Essas ideias pertencem a muitos pensadores diferentes. A contribuição aqui é principalmente destilá-los até o ponto essencial e juntá-los em um único lugar. Meu próximo passo é fornecer uma seção “leia mais” para textos e uma seção “problemas e exemplos”. Continuar lendo Elementos da crítica tecnológica

O brasileiro que sonha em desbancar o Instagram com sua própria rede social

6/8/18

O Instagram começou com um usuário. Mesmo caso do WhatsApp, Facebook e Google. Todas as grandes empresas e seus serviços tiveram inícios similares, com uma boa ideia, um MVP (“minimum viable product”), uns poucos usuários e expectativas que, mesmo altas, muito provavelmente não visavam os números atuais, na casa dos bilhões — de usuários e de dólares em receita. Um empreendedor de Curitiba quer contar uma história diferente daqui a alguns anos. O Status, sua rede social, já nasce com um objetivo: ser maior que o Instagram, o que significa ter mais de um bilhão de usuários. Continuar lendo O brasileiro que sonha em desbancar o Instagram com sua própria rede social

O homem que comprou uma licença do WinRAR

3/7/18

Antes das lojas de aplicativos, dos smartphones, da internet rápida e dos meios de pagamento simples, usávamos computadores ruidosos, em conexões lentas e munidos de um tipo de aplicativo chamado “utilitário”. Entre eles, o compactador de arquivos era um dos mais populares. Dentro desse micro universo, havia o WinZip, que provavelmente aquele seu tio contador tinha comprado e instalado no computador novo dele, e o WinRAR, que, mesmo igualmente pago, podia ser usado de graça e, além de tudo, parecia ser melhor. Continuar lendo O homem que comprou uma licença do WinRAR