Os Arquivos do Facebook do Wall Street Journal

O Wall Street Journal teve acesso a documentos, pesquisas e mensagens trocadas entre funcionários do Facebook. Fez uma série de reportagens devastadora — “The Facebook Files” —, publicando uma por dia ao longo da semana. Graças a esse material, soubemos que o Facebook:

  • Tem regras à parte para uma elite de pouco menos de 6 milhões de usuários;
  • Sabe, por pesquisas científicas internas, ser a causa de distúrbios psicológicos graves em 1/3 das meninas adolescentes que usam o Instagram;
  • Tentou tornar o feed mais saudável em 2018, mas fracassou e quando as mexidas no algoritmo ameaçaram o engajamento, priorizou o engajamento;
  • Deu respostas fracas a alertas de funcionários de que a rede estava sendo usada para tráfico de seres humanos, recrutamento em cartéis de drogas, incitação à violência contra minorias e outros crimes graves, em especial no hemisfério Sul;
  • Serviu de plataforma para negacionistas da pandemia de Covid-19.

No Twitter, Andy Stone, porta-voz do Facebook, afirmou que o Facebook “tem mais especialistas e recursos dedicados a este trabalho [de moderação] que qualquer outra empresa de tecnologia do mundo”.

É bem provável que isso seja verdade, e que o próprio Andy e muitos desses especialistas que ele cita tenham as melhores intenções do mundo. Só que esse povo não apita nada lá dentro. A diretoria do Facebook, em especial o CEO, Mark Zuckerberg, já demonstrou em inúmeras situações quais as prioridades da empresa — não é o bem-estar dos usuários. E, vale o questionamento, se nem com todos esses recursos o Facebook consegue criar ambientes digitais saudáveis, talvez seu modelo seja inerentemente quebrado. Via Wall Street Journal (em inglês, com paywall).

Os aplicativos de VPN da Kape, uma “ex-empresa” de publicidade

A empresa britânica Kape Technologies comprou o aplicativo ExpressVPN por US$ 936 milhões no início da semana. No comunicado à imprensa, a Kape alardeia que a aquisição dobrou a sua base de usuários para 6 milhões.

A Kape, sediada no Reino Unido, já era dona de outras VPNs — CyberGhost VPN, ZenMate e Private Internet Access (PIA) —, o que a credita como uma empresa de segurança. Só que nem sempre foi assim. A empresa foi fundada em 2011 com o nome Crossrider. Era especializada em fornecer extensões de navegador e aplicativos para Windows e macOS que serviam de ponte para a injeção de anúncios. Em 2018, mudou de nome e passou a renegar o passado.

O ExpressVPN tem uma boa reputação, bem como o PIA (os outros dois, desconheço), mas em um mercado tão sensível como o de VPN, em que a confiança é tudo, será o bastante? Via The Register (em inglês).

Americanas compra Skoob

Na corrida das varejistas brasileiras (e argentina) para se tornarem a Amazon no Brasil antes da Amazon dominar o nosso mercado, a Americanas deu mais um passo ao comprar a rede social de livros Skoob nesta quarta (15). Lá fora, há muito anos, a Amazon é dona da Goodreads. O valor do negócio não foi divulgado. O Skoob, criado em 2009 no Rio de Janeiro, tem 8 milhões de usuários e 45 milhões de avaliações de livros. Via Neofeed.

WhatsApp ganha diretório de estabelecimentos comerciais em São Paulo

Quatro telas do WhatsApp, lado a lado, mostrando a jornada do usuário no novo recurso de diretório de estabelecimentos comerciais no WhatsApp.
Imagem: @wcathcart/Twitter.

O WhatsApp lançou um diretório de estabelecimentos comerciais embutido no próprio app — quase como um “páginas amarelas” digital. Ainda em testes, a empresa escolheu São Paulo para lançar a iniciativa. Os estabelecimentos são divididos por categorias e o WhatsApp informa a distância do usuário em relação a cada um deles. Segundo Will Cathcart, líder do WhatsApp dentro do Facebook, o WhatsApp não registrar a localização do usuário nem por quais estabelecimentos ele “navega”. Via @wcathcart/Twitter (em inglês), LABS News.

Microsoft elimina senhas

A Microsoft expandiu para todos os usuários o recurso que elimina a senha de uma Conta Microsoft. Ao ativar essa opção, o acesso passa a ser feito via aplicativo Microsoft Authenticator, Windows Hello, chave de segurança ou um código de verificação enviado por e-mail ou SMS.

Na prática, a Microsoft está dando a opção de transformar o segundo fator de autenticação (2FA, “o que você tem”) em fator único, eliminando o primeiro (“o que você sabe”, a senha). Não sei até que ponto isso é vantajoso do ponto de vista da segurança, embora evidente que seja mais cômodo. No anúncio da novidade, Vasu Jakkal, vice-presidente de segurança, compliance e identidade da Microsoft, reafirma a insegurança das senhas, o dilema entre criar uma fácil de lembrar e que seja segura, e que a cada segundo são feitas 579 tentativas de invasão por quebra de senha. Estranhamente, o texto não menciona em momento algum os gerenciadores de senhas, que meio que resolvem todos esses transtornos e, usados em conjunto com um método de 2FA, garantem uma camada extra de segurança. Via Microsoft (em inglês).

Congresso e STF barram MP das fake news de Bolsonaro

Quase ao mesmo tempo, na noite desta terça (14), Judiciário e Legislativo barraram a medida provisória nº 1.068, a chamada “MP das fake news” ou “MP do Marco Civil”, que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) publicou na véspera do 7 de setembro para regular a maneira como as redes sociais moderam conteúdo e penalizam perfis. (Ouça o Guia Prático do assunto.) O presidente do Congresso, senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG), devolveu a MP, e a ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), suspendeu a MP atendendo a pedidos feitos à corte. Via Uol.

Apple anuncia iPhone 13, novo iPad mini e Apple Watch Series 7

A Apple anunciou um monte de novos produtos na tarde desta terça-feira (14):

  • iPhone 13, com entalhe menor, bateria maior, novo chip A15 Bionic, armazenamento mínimo de 128 GB e posicionamento de câmeras diferente apenas porque sim.
  • iPhone 13 Pro, com as mesmas novidades da linha “simples”, mas câmeras melhores (e uma extra) e opção de 1 TB. É o primeiro iPhone com tela de 120 Hz.
  • iPad mini, com novo design similar ao do iPad Pro, tela de 8,3 polegadas e porta USB-C.
  • iPad de 9ª geração, com visual antigo, Touch ID, agora com o chip A13 Bionic e o mesmo preço do anterior (lá fora).
  • Apple Watch Series 7, que visual novo que não tem nada a ver com os dos “vazamentos”.
  • Apple Fitness+ chega ao Brasil, mas os vídeos não serão dublados, só terão legendas. Mindfulness com legenda, baita conceito.

Fotos bonitas e mais detalhes na sala de imprensa, link ao lado. Via Apple (em inglês).

GearBest some da internet

A GearBest, loja de eletrônicos chinesa que exportava para o mundo inteiro e mantinha acordos com youtubers brasileiros, sumiu. O site está inacessível e há indícios de que a empresa dona da marca/loja, a Global Top E-Commerce, está tentando uma recuperação judicial. Via Xataka (em espanhol).

Há poucos anos, a GearBest era popular entre consumidores brasileiros dispostos a importar celulares de marcas chinesas, como Xiaomi e Huawei, devido aos preços baixos provenientes do não pagamento de impostos. A empresa foi pivô do escândalo de youtubers brasileiros que recomendavam esses aparelhos sem mencionar que recebiam dinheiro — da própria GearBest — pelo endosso.

Intuit compra Mailchimp por US$ 12 bilhões

A Intuit comprou o Mailchimp por US$ 12 bilhões. Em 20 anos de história, o Mailchimp jamais levantou capital externo nem distribuiu participação entre funcionários — hoje, 1,2 mil pessoas trabalham na empresa. Segundo o comunicado à imprensa, o Mailchimp tem 13 milhões de usuários, 2,4 milhões deles ativos, e 800 mil pagantes.

Pouco conhecida fora dos Estados Unidos, a Intuit é bastante presente na vida dos norte-americanos. Estão sob seu guarda-chuva o QuickBooks, uma referência em software contábil para pequenas e médias empresas, e o TurboTax, principal aplicativo para declaração do imposto de renda. A Intuit também é famosa por seu lobby agressivo e táticas no mínimo questionáveis para ocultar dos norte-americanos alternativas gratuitas ao TurboTax. Bom para os donos do Mailchimp, não muito para os funcionários (sem participação, eles dividirão um bônus de US$ 300 milhões, ou 2,5% do valor do negócio, cerca de US$ 250 mil cada) e algo inquietante para os usuários do serviço. Via BusinessWire (em inglês).

Apple corrige falha em sistemas usada no Pegasus, do NSO Group

A Apple liberou atualizações emergenciais dos seus sistemas (iOS, macOS, watchOS) para corrigir a falha do tipo “zero-day” usada pelo grupo israelense NSO Group no spyware Pegasus, usado para infectar e espionar alvos de autoridades e governos autoritários. A falha foi detectada e comunicada à Apple pelo Citizen Lab, grupo de pesquisadores da Universidade de Toronto, no Canadá, que analisou o iPhone de um ativista saudita infectado pelo Pegasus. As versões com a correção são: iOS 14.8, iPadOS 14.8, macOS 11.6 e watchOS 7.6.2. Via Citizen Lab (em inglês).

Migração de sistemas supostamente mal sucedida causou problemas na Gol

Os problemas com os sistemas da companhia aérea Gol começaram no dia 20 de agosto, durante uma manutenção programada que, a princípio, deixaria a empresa offline (incluindo o Smiles) por cerca de 15 horas, até as 11h do domingo (21/8). Via Melhores Destinos.

No dia 26, já cinco dias atrasada com a manutenção dos sistemas, a Gol enviou nota ao site Panrotas dizendo que a manutenção estava “sendo concluída com êxito” e que “estamos enfrentando apenas algumas instabilidades pontuais na disponibilização de nossos produtos para algumas agências de viagens, o que está sendo tratado com prioridade máxima, de forma a minimizar os impactos sentidos pelos parceiros”. Via Panrotas.

Na nota enviada ao Manual do Usuário, em 9 de setembro, a Gol informou que ainda estava com “instabilidades pontuais, que estão sendo prontamente reparadas. O processo de vendas de passagens já está 95% restabelecido em todos os canais”.

Também no dia 9 de setembro, o Panrotas publicou a notícia de que a Gol havia finalizado a migração do sistema de reservas para o fornecido pela empresa norte-americana Sabre Systems. Na divulgação dos resultados prévios de tráfego referentes a agosto, divulgado em 6 de setembro, a Gol informou os acionistas que “reduziu suas operações nos últimos 10 dias do mês para efetuar a migração do seu sistema de serviço ao passageiro para Sabre Systems”. Via Panrotas, Gol.

No contato com o Manual, a assessoria da Gol informou que “em breve a GOL vai comunicar as mudanças”. Aguardemos.

Plataforma de open delivery da Abrasel inicia fase de testes

Nesta segunda (13), a plataforma de open delivery desenvolvida pela Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) começa a funcionar. A iniciativa foi proposta em novembro de 2020. Num primeiro momento, ela será aberta a empresas de software. Em outubro, bares e restaurantes poderão adotá-la. A iniciativa custou R$ 3 milhões, rateados entre as 16 apoiadoras do projeto — entre elas, AmBev, Coca-Cola, Rede, Cielo e Getnet.

O objetivo do open delivery é criar uma plataforma comum e padronizada para intermediar a relação entre bares/restaurantes e aplicativos, com o objetivo de facilitar o trabalho dos bares/restaurantes. Se a ideia vingar e todos os apps de delivery aderirem, um bar/restaurante só terá que cadastrar e manter um banco de dados atualizado (com cardápio, preços, promoções, formas de pagamento etc.). Este seria replicado a todos os apps participantes. O open delivery também tem o potencial de diminuir a barreira de entrada para novos apps, o que pode aumentar a concorrência e diminuir a hegemonia do iFood no setor — a Abrasel lidera uma reclamação de concorrência desleal contra o iFood no Cade.

Os pesos-pesados do setor, iFood, Rappi e Uber, não participam do open delivery da Abrasel neste primeiro momento. O iFood tem um assento no conselho de governança, a convite da associação. Via Valor (espelho na Abrasel), Folha de S.Paulo.

Bezosismo

Neste excerto do livro recém-lançado Arriving today: From factory to front door (sem tradução no Brasil), Christopher Mims propõe que o modelo de trabalho nos centros de distribuição da Amazon, onde +750 mil funcionários humanos fazem tarefas repetitivas e enfadonhas, de pé, em turnos de 10 horas, com 30 minutos de almoço e dois intervalos de 15 minutos para irem ao banheiro, auxiliados por robôs e sempre vigiados e guiados pelo algoritmo, representa uma mudança tão profunda quanto as de Henry Ford e Frederick Winslow Taylor promoveram no início do século XX. Para Mims, Jeff Bezos deixará também este legado, ao lado da revolução do e-commerce e da corrida espacial na esfera privada: o Bezosismo. Via Wall Street Journal (em inglês, com paywall).

Justiça dos EUA determina que Apple permita botões e links para pagamentos externos em apps do iOS

Saiu a decisão da Justiça dos Estados Unidos no processo movido pela Epic Games contra a Apple (ouça o nosso Guia Prático desse tema). A juíza Yvonne Gonzalez Rogers, do Tribunal Distrital dos Estados Unidos para o Distrito Norte da Califórnia, determinou que a Apple não pode impedir que aplicativos incluam links e botões que levem os usuários a outros meios de pagamento. Pelas regras vigentes da App Store, aplicativos que têm sistemas de pagamentos próprios não podem sequer anunciá-los em seus apps para iOS — o único sistema que eles podem usar é o da própria Apple, que cobra uma taxa de até 30% do valor bruto pago pelo usuário.

Outras demandas da Epic Games, como obrigar a Apple a abrir o iOS para lojas de aplicativos alternativas, não foram acatadas. A Apple comemorou a decisão; a Epic Games disse que vai recorrer.

A implementação da alteração determinada pela Justiça ainda é uma incógnita. Ao mencionar botões e links externos que “direcionem os consumidores a mecanismos de compra em adição às compras in-app”, fica a cargo da interpretação de quem lê (ou de um esclarecimento da juíza Yvonne) se isso significa que os apps poderão processar pagamentos por meios alternativos ou se apenas poderão levar os usuários para seus sites. A conferir. Via O Globo, The Verge (em inglês)

O site recebe uma comissão quando você clica nos links abaixo antes de fazer suas compras. Você não paga nada a mais por isso.

Nossas indicações literárias »

Manual do Usuário