[Aviso] Promoções na Americanas

3/9/14 1 comentário

De hoje (3) até sexta a Americanas está realizando um saldão de aniversário. Produtos do catálogo estão com até 70% de desconto e, se pagos por boleto, o preço cai mais 10%.

O Manual do Usuário, como você deve saber, veicula links comissionados das lojas da B2W. É uma das frentes que utilizou para manter o site no ar. Além dos preços mais camaradas, nesse mesmo período a loja está com um bônus para parceiros: as comissões são mais generosas.

Então se você estava de olho em um produto ou encontrar algum que valha a pena na lista de descontos, dê um clique aqui no Manual antes. O valor final não muda, eu ganho uns trocados para dar continuidade ao trabalho, todos ficamos felizes!

Para ajudar, algumas promoções legais:

O primeiro site brasileiro no Yo

12/8/14 2 comentários

Mande um Yo para “manualdousuario” (sem aspas) no Yo e seja notificado toda vez que um post for publicado aqui.

(Este post é, também, um teste. Já atualizo para dizer se funcionou.)

***

Atualizando. Eu tinha apenas adicionado manualdousuario, aí não fui notificado do post. É preciso mandar um Yo para manualdousuario para validar sua inscrição. Fiz isso posteriormente e disparei um Yo do dashboard para desenvolvedores, apenas para testar. Funciona:

Receba os posts do site via Yo.
É só adicionar manualdousuario e mandar um Yo para cá!

Enfim, manda um Yo aí e vamos ver se isso vinga.

O Yo ganhou uma atualização grandiosa para iPhone, com perfis, hashtags, uma “app store” (?) e a capacidade de carregar links. É com base nessa última que consegui integrar o Manual do Usuário ao app. Ao receber o Yo de post publicado ele já vai com o link, daí é só tocar na notificação e ler o post. Mais prático impossível, né?

Como funcionam as pastas do Windows Phone 8.1 Update

5/8/14 3 comentários

Donos de Windows Phone que aderiram ao Developer Preview já podem baixar a versão não finalizada do Windows Phone 8.1 Update. (Saiba como.)

Fiz o procedimento no meu Lumia 920 ontem e, como toda atualização para o sistema, ela foi rápida e sem traumas1. Das novidades anunciadas, a mais pragmática é a criação de pastas na tela inicial. Já existiam apps da Nokia e Samsung para isso, mas ambos eram desengonçados e de utilidade duvidosa.

A solução oficial do sistema, por outro lado, é bem elegante e funcional. Para criar uma pasta basta arrastar um bloco em cima do outro, como no Android. Abre-se, então, um espaço que é preenchido pelos blocos e esses podem ser reorganizados dentro da pasta. Quando fechada, ela exibe os blocos em rodízio, preservando as notificações dos dinâmicos. Confira aí:

O novo Internet Explorer que se disfarça de Safari já está ativo. Veja um comparativo do site móvel do Twitter com um Lumia 630 rodando Windows Phone 8.1:

Internet Explorer se disfarça de Safari para renderizar melhor as páginas web.
À esquerda, Lumia 630 com Windows Phone 8.1. À direita, Lumia 920 com WP 8.1 Update.
  1. Uma pequena porção de usuários deu de cara com o erro 8018830f. No Twitter, Joe Belfiore avisou que a Microsoft está ciente e já trabalha em uma solução, e que tentar repetir o processo não deve dar resultado. Aparentemente, é um problema relacionado a dispositivos com pouca memória interna.

Hey, este é o Manual do Usuário

1/8/14 17 comentários

Tenho que melhorar isso mesmo!!!

Fiquei bem contente com o comentário do leitor Igor e, ao mesmo tempo, um pouquinho preocupado. Como divulgar minha página? Como?, eu me pergunto.

Não manjo muito dessa área, na verdade, então o que posso fazer por ora é apresentar trabalho. Tomemos o dia de hoje. Foi um atípico por aqui, com muitos posts publicados. Apesar de ter mudado sensivelmente a linha editorial em relação ao início do blog, o compromisso de ser diferente se mantém. Acompanhe-me nesta sucinta reflexão:

Vários sites nacionais falaram do @brwikiedits, mas eu fui falar com o cara que fez a parada. O anúncio do armazém da DealExtreme em Curitiba tinha saído em um post bem de nicho, sobre RaspberryPI, e ganhou mais exposição ao ser pinçado aqui. O Bleep foi pauta no mundo inteiro ontem, mas hoje consegui testá-lo e escrever um hands-on — no Brasil, não vi ninguém fazer.

São exemplos que trago não para me gabar, mas sim demonstrar o valor do Manual do Usuário. Nas redações de sites maiores certas urgências impedem esse trabalho marginal e por vezes mais demorado. Como não tenho o mesmo compromisso deles, consigo ir atrás dessas histórias. Já temos Gizmodo, Tecnoblog, Olhar Digital e Tecmundo, sem falar nos sites de tecnologia em inglês, cobrindo hard news e produzindo conteúdo original de qualidade; não quero competir, quero somar.

O Manual é um blog atípico por um monte de motivos, do modelo de negócio ao visual, passando pela abordagem e seleção dos assuntos de que trata. Este post é só um lembrete disso e um pedido a você para:

  • Ajudar a divulgar o blog. Vale um post no Facebook, um tweet, até o boca a boca. Concordo com o Igor, acho que deixo a desejar na promoção disso aqui, então qualquer reforço nessa área é bastante útil!
  • Assinar. O plano mais básico custa US$ 1 por mês, menos que um cafezinho. Pagando um pouco a mais, o preço de um cafezinho e um pão de queijo, você recebe a newsletter que todo mundo adora (amanhã sai uma nova), acompanha as gravações do podcast ao vivo e, o mais importante, me ajuda continuar tocando isso aqui. Considere assinar o Manual do Usuário.
  • Se faz parte de alguma startup, agência ou empresa, entrar em contato para levar seu produto aos meus super leitores. Ideias não faltam, o que falta é pintar alguém afim de apostar nelas.

@brwikiedits monitora alterações anônimas feitas na Wikipédia a partir de IPs de órgãos públicos

1/8/14 1 comentário

O bot dedo duro do Twitter.

Segunda-feira, neste post, citei o @congressedits, bot que monitora alterações anônimas feitas na Wikipédia a partir de IPs do Congresso norte-americano e as divulga no Twitter, como uma solução elegante e esperta para o problema. Por que não uma versão brasileira?

Pois bem, eis o @brwikiedits. Ele faz a mesma coisa do original britânico (@parliamentedits) e da variante do hemisfério norte citada acima, só que monitorando as redes das seguintes instituições brasileiras: Senado, STF, Câmara, Serpro, Procuradoria Geral da República, Dataprev, Petrobras, BCB, BB e Caixa.

O bot foi criado por Pedro Felipe (@pedrofelipee), desenvolvedor de 18 anos. Por e-mail, ele revelou como a ideia surgiu:

Há algumas semanas, pesquisando na Wikipédia, acabei caindo nas alterações das páginas e percebi que todas as edições anônimas tinham seus IPs registrados. Me veio à mente que algum serviço poderia monitorar e reportar mudanças feitas a partir da rede do nosso Governo e suas estatais. Logo depois o @congressedits surgiu e a etapa de desenvolvimento já estava eliminada, uma vez que o script por trás dele tem código aberto e qualquer um pode contribuir.

Até comecei a coletar alguns endereços que editam páginas do Palácio do Planalto e Câmara dos Deputados para tentar descobrir o intervalo de IPs. Foi frustrado, não consegui muita coisa e não era o bastante para começar o monitoramento, então deixei a ideia de lado. No começo dessa semana o escândalo explodiu e eu não poderia perder o timing.

Em vez de fazer a coleta dos intervalos de IP manualmente, o Pedro usou outra abordagem. Ele mesmo explica:

Todos os IPs estão registrados em nome de algum provedor, certo? Não sei se vou explicar com os termos corretos, mas os AS [sistema autônomo de roteamento] controlam vários intervalos de IPs. Todo provedor tem um.

Não foi tão simples como no exterior, onde os IPs de vários órgãos do governo americano estão disponíveis no Wikipédia, por exemplo. O que eu fiz foi buscar alguma lista com todos os AS brasileiros e caçar nomes dos órgãos e estatais. Com o código AS em mãos (ex. AS28629 Senado Federal), foi mais simples descobrir quais IPs estão sob seu controle.

Com o script em mãos, fiz algumas modificações, adicionei os IPs coletados, criei um perfil no Twitter e subi uma nuvem para monitorar. Ele funciona monitorando o IRC do Wikimedia, que publica todas as alterações anônimas com seus respectivos IPs num canal.

Ele diz que criou o perfil para dar mais transparência à questão e, também, pela diversão. As várias alterações que o pessoal da Petrobras fez hoje cedo na página do Digimon (!) são um exemplo.

O mais importante, porém, é que o @brwikiedits passa a monitorar instituições públicas importantes para eventuais alterações de viés político na Wikipédia. Especialmente agora, no período eleitoral, soluções do tipo contribuem bastante para tentarmos manter o nível das campanhas.

Essencial Tech da Super Interessante

25/7/14 4 comentários

Estava passando o tempo em uma livraria no aeroporto de Cumbica, na última quarta-feira, quando encontrei esta revista:

Especial da Super Interessante.
Foto: Rodrigo Ghedin.

Por que você a esta vendo aqui? Porque a convite do Pedro (obrigado!), colaborei neste especial da Super Interessante.

Expediente da revista.
Olha eu ali! Foto: Rodrigo Ghedin.

Fiquei bem contente — por ter colaborado e pelo resultado. Sou suspeito a falar, mas curti muito o material. Com dicas, recomendações diretas e dados interessantes, a revista trata de jogos, imagem, smartphones, apps etc, e termina com alguns exercícios de futurologia, mas aquela futurologia do bem, que analisa sinais contemporâneos para antecipar o que provavelmente será lugar comum amanhã.

Custa R$ 14 e já deve estar nas melhores bancas do país. Quem preferir a versão digital, tem no iba pelo mesmo preço.

Assinatura

Assine o Manual do Usuário

17/7/14 2 comentários

Bill Murray fazendo propaganda para o exército.A partir de hoje o Manual do Usuário passa a ter planos de assinatura com valores flexíveis, começando em US$ 1 por mês.

Essa mudança foi possível graças ao Patreon, serviço que é similar ao Kickstarter, mas para projetos continuados. São seis planos que além de bancarem a existência do site, dão direito a benefícios variáveis, do mais básico (meu agradecimento e acesso ao grupo fechado do Facebook) ao mais avançado (com todos os benefícios, mais um canal direto comigo para tirar dúvidas).

Enfim, entre lá na página, veja o vídeo, leia as instruções e, se achar que o Manual do Usuário vale alguma coisa, torne-se um assinante.

Assinatura

Acompanhe ao vivo a gravação do podcast do Manual do Usuário

10/7/14 Comente

Duas boas notícias, pessoal. A primeira é que após um breve hiato o nosso podcast voltará! A outra, é que agora será possível acompanhar a gravação ao vivo, mandar perguntas, interagir durante o papo.

A gravação do primeiro podcast do nosso retorno será hoje (10/7), às 21h40. Para acompanhá-la, é preciso ser assinante o Manual do Usuário — e esse é apenas um dos benefícios, além de viabilizar o funcionamento disso tudo aqui.

Nos vemos lá!

A maldição das pessoas inteligentes

Da startup que cobrava US$ 15 por US$ 10 em moedas para a lavanderia ao Facebook e seu experimento que fazia as pessoas se sentirem miseráveis “pela ciência”, não são poucos os exemplos de desconexão da realidade saídos do Vale do Silício. Por que falta tanta sensibilidade em quem faz os gadgets, apps e a Internet que o mundo inteiro usa e adora?

Uma das culpadas é a obsessão por números, pela lógica. Para que computadores consigam entender seres humanos, precisamos ser reduzidos a números. No processo de “conversão”, claro, muitas nuances, particularidades, poréns e outros aspectos mais específicos são reformatados, simplificados. Esse assunto é fascinante e o melhor texto que já li a respeito foi este, de David Auerbach.

Mas não é só isso, afinal por mais que números e o reducionismo que aplicam existam, eles não brotam da terra. Alguém os criam, alguém semelhante a nós. Pessoas.

Recentemente Avery Pennarun, um engenheiro do Google, descreveu o que considera esse outro culpado: o excesso de confiança e de sucesso de quem atua nessa indústria. O argumento parece ilógico e é justamente por isso que chama a atenção e tem sentido. Segundo Pennarun, pessoas racionalmente inteligentes, capazes de argumentar e provar todas as suas teorias, acabam perdendo o tato, ignorando a intuição. Provas lógicas de inteligência nem sempre encerram discussões ou são a solução para um problema.