Quem é você, leitor?

Multidão para o Global Day of Prayer, em West Ham, Inglaterra.
Foto: H/Flickr.

Quase todo site realiza pesquisas periódicas para conhecer melhor o público, com o Manual do Usuário não seria diferente. É uma necessidade para o braço comercial, aquele que permite às coisas continuarem funcionando de maneira sustentável, e de quebra acaba respingando no editorial também, dando apontamentos importantes para quem escreve (eu, no caso).

A primeira pesquisa do tipo no Manual do Usuário é rápida e praticamente indolor. Sete perguntas, todas as obrigatórias de múltipla escolha, e você não precisa se identificar. Responda ai, é importante:

A pesquisa terminou em 10 de abril, às 8h. Obrigado a todos que responderam!

Se tiver alguma dúvida, os comentários estão abertos.

O novo visual do Manual do Usuário

Deixei as outras novidades do Manual do Usuário para fevereiro a fim de colocar logo no ar o novo layout do blog. E aí, gostou?

Ele é responsivo, o que significa que se adapta automaticamente às telas menores de tablets e smartphones. É nas grandonas, porém, que o layout brilha — dê uma olhada no review do Moto X, já adaptado. Dá para colocar fotos enormes no meio do texto, vídeos, preencher as laterais com gráficos e imagens menores… Fica lindo.

Alguns detalhes precisam ser arrumados, como o “Responses”/”Comments” não traduzido, mas o grosso está pronto. Se flagrar alguma coisa fora do lugar, deixe um comentário aí embaixo.

E não ache que isso é tudo. Tem mais coisa boa a caminho. 2014 será divertido.

O que esperar da tecnologia (e do Manual do Usuário) em 2014

Embora não tenha colocado nenhum rótulo ou outro indicador aqui, o Manual do Usuário ainda está se encontrando. Achar esse norte não é fácil, acredite. O ano prestes a acabar poderá ser visto, no futuro, como o ponto de transição na forma com que encaramos a Internet e o oceano de informação que despejamos nela diariamente. O Manual é um pequeno exercício nesse sentido.

O stream de informações atingiu seu ápice em 2013. O agora, o eternamente em construção, o falar de tudo e o não querer perder nada. Na bela coluna em que observa e discute esse fenômeno, Alexis Madrigal diz acreditar que em breve as pessoas cairão na real e pedirão a volta de conteúdo estruturado, atemporal, duradouro.

Será? As manchetes forçadas do Upworthy e as infinitas listas de temas óbvios do Buzzfeed lotando linhas do tempo e feeds de notícias permeadas por reclamações e reclamações de reclamações colocam essa esperança contra a parede. O que a salva é que a Internet é um lugar bem grande. Da mesma forma que o conteúdo apagável começa a ser seriamente considerado, o duradouro também pode fazer seu retorno triunfal. Já vem fazendo, na realidade, com features, longform e o Slow Web em alta. Em 2014 haverá mais diversidade no que passa pelo stream — e mais vida fora dele.

Previsões, ou desejos para 2014

Em seu livro A Estrada do Futuro, Bill Gates resume a sinuca de bico que é fazer previsões:

“(…) Este livro pretende ser um livro sério, embora daqui a dez anos possa não parecê-lo. Tudo aquilo que eu tiver dito de certo será considerado óbvio. O que estiver errado será considerado cômico.”

Encare o que vem a seguir mais como desejos do que previsões — assim ganho o direito de errar sem ter dedos apontados lá na frente :-)

Nunca me agradou esse clima de torcida na tecnologia, ver o “seu” sistema ganhar dos outros, dar risada e se sentir genuinamente feliz com o tropeço de uma empresa. Menos disso ano que vem, por favor. Não dou bola para picuinhas do tipo aqui e fico feliz em ver que vocês, leitores, também não entram nessa pilha.

A passos incrementais, mas evoluindo sempre, a tecnologia segue firme como ditadora e distração da vida moderna. Se até ontem queríamos smartphones mais potentes e telas mais densas, o próximo passo é a computação contextual: sistemas que se antecipem às nossas vontades usando sinais secundários. Coisas que eram de ficção científica alguns anos atrás já fazem manchetes surpreendentes, como a do drone da Amazon, e o que era excitante até então se transforma em commodity. Nada de errado, porém, em ver o iPhone e o Galaxy S virarem lugar comum; os preços caem, o smartphone se populariza e mais gente ganha acesso a essas telinhas legais.

O afogamento na tecnologia me parece um caminho sem volta. A computação vestível e a Internet das coisas conectará tudo e todos. Não sei quando, mas acredito que em breve. Na mesma proporção virão as críticas sobre o excesso de tecnologia e sobre o excesso de produção de conteúdo. Encontrar o meio termo disso tudo será um dos grandes desafios nessa segunda metade da década.

Talvez um bom parâmetro para o momento seja o garotinho do comercial da Apple. Registrar bons momentos é legal, vê-los todos através de um celular, privando-se deles com a justificativa do relato, não. Já disse aqui que bom senso é relativo. Com as mudanças comportamentais que a tecnologia estimula, saber quando deixar o celular de lado será, mais do que um traço de bom senso (seja lá qual for a sua medida disso), uma habilidade valiosa e apreciável.

E quando estivermos com o celular na mão, vamos… pensar melhor no que publicar, no que opinar. Embora o Facebook nos pergunte incessantemente o que estamos pensando, não é preciso dizê-lo a todo momento, sobre todo e qualquer assunto. Lá, no Twitter, em qualquer lugar que nos incite a opinar usando um gadget, que pensemos (mesmo!) duas, três, várias vezes antes. Se vale a pena mesmo discutir e se a discussão é, no fim das contas, salutar.

Michel Laub clama por um guia que nos ensine como não falar sobre as amenidades da vida e as notícias do cotidiano:

“Algumas coisas são inegociáveis, claro, mas nem toda ponderação é sinônimo de relativismo covarde. Assim como nem toda omissão. Pierre Bayard escreveu um ensaio divertido chamado ‘Como Falar dos Livros que Não Lemos’ (Objetiva).

Gostaria que alguém escrevesse um com a tese oposta: como resistir em falar dos livros que lemos, dos filmes que vimos, do que aparece na TV ou do que comemos no almoço, e do trânsito e da poluição e da péssima qualidade dos serviços na cidade e assim por diante.”

Parece brincadeira. Se for, é uma amargamente verdadeira. Faz falta um guia desses.

Planos para o futuro

A premissa do Manual do Usuário, este pequeno espaço na Internet que gerencio, é abordar tecnologia e comportamento derivado dela com os dois pés no chão e uma boa dose de crítica. Não falar de tudo é parte do serviço que presto: a privação do ruído faz um bem enorme, permite que você se alimente mais com o que importa e deixe o banal de lado.

Essa curadoria às avessas será cada vez mais importante. Se antes o trabalho era garimpar conteúdo nas escassas pedreiras da Internet, hoje ele abunda de todos os lados e a maior dificuldade é peneirá-lo em busca do que faz a diferença. Daí a excepcional resposta de quem se aventura com newsletters: conteúdo com começo, meio e fim, ponto. As pessoas sentem falta disso e quando encontram essas pequenas pepitas de ouro em meio a tanto pedregulho, apreciam-nas.

Ainda estou em busca do ponto de equilíbrio para o Manual do Usuário. Fazendo uma análise de fim de ano, acho que nesses dois meses de vida do blog fui bastante rígido com a linha editorial do blog. Em 2014 devo publicar mais posts. Nem todos serão enormes como os que já foram ao ar, mas cada um deles será importante. Considere isso uma resolução de ano novo.

Encerro hoje os trabalhos no Manual do Usuário em 2013. Para o ano que vem, além desse refinamento na linha editorial o blog ganhará um novo layout (está ficando lindão!) e tentarei torná-lo sustentável de maneiras não muito… convencionais. Vocês participarão mais também, e acho que essa será a parte mais bacana.

Boas festas e nos vemos em 2014!

Imagem do topo: SpectralDesign/Flickr.

Manual do Usuário, o blog de tecnologia que será (quase) sempre o último a falar

Em uma das minhas últimas idas a São Paulo reuni alguns amigos em uma cafeteria da Alameda Santos e, sendo a maioria jornalistas que escrevem ou já escreveram sobre tecnologia, o papo acabou descambando para esse lado.

O Pedro levantou as sobrancelhas de alguns dos presentes quando disse que, hoje, se houver três notícias de tecnologia revelantes por dia é muito, e que todo o resto é basicamente dispensável.

Aquilo ficou martelando a minha cabeça.

Mais recentemente, Evan Williams, do Blogger, Twitter e Medium, disse ao TechCrunch algo na mesma linha:

“Notícias em geral não importam na maior parte do tempo e a maioria das pessoas estaria melhor se gastasse seu tempo consumindo menos delas e mais ideias com efeitos de longo prazo.”

Ele também disse que blogs de tecnologia são escritos por incompetentes e todos muito ruins, mas esse é outro papo :-)

A importância que a tecnologia de consumo ganhou na vida das pessoas, principalmente depois do “boom” dos smartphones em 2007~2008, fez crescer também a atenção dada a essa área. Mesmo com esse fator jogando contra as declarações do Pedro e do Ev, uma análise menos apressada revela que talvez não seja mesmo preciso gastar tanto teclado para manter os interessados por dentro do que rola e que, com certeza, há muito ruído no noticiário de tecnologia. Na Internet de modo geral, mas especialmente nessa área.

Existe uma série de culpados que força boa parte da imprensa a dar atenção a rumores, falar incessantemente de Apple, entrar nas briguinhas de fanboys e apelar para curiosidades que mereceriam no máximo um tuíte, mas o principal é a publicidade. Ainda calcada em métricas questionáveis como page views, ela coloca o bom jornalismo contra a parede. É um problema crônico e de longa data sobre o qual não me prolongarei muito aqui — aos interessados, e recomendo que todos estejamos, leiam isto.

Outras questões meio relacionadas merecem crédito também, como o tratamento que alguns veículos dão ao tema, como se tudo fosse super incrível e maravilhoso, e aos leitores, ignorando a bagagem e o conhecimento deles, mantendo aquele desnivelamento típico de professor-aluno de escolas antiquadas, como se a relação site-leitor fosse uma via de mão única.

Dá para fugir disso? Dá para fazer diferente? Acho que sim, e é isso o que tentarei neste Manual do Usuário.

Mas… quem é você?

Este sou eu.
Foto: Laura Mariane Cecílio/Arquivo pessoal.

Oi, meu nome é Rodrigo Ghedin — esse cara boa pinta aí em cima. Sou bacharel em Direito, estudo Comunicação e nunca trabalhei com outra coisa que não jornalismo de tecnologia. Comecei nisso, aos trancos e barrancos, em 2002, e desde então integrei equipes de alguns sites e blogs muito legais.

Tudo começou no WinAjuda, site próprio que criei quando ainda estava no Ensino Médio e, oito anos depois, vendi para uma editora. Em 2009 fui para o Meio Bit, onde fiquei por dois anos. Depois teve os meteóricos seis meses de Gemind, no final de 2011, minha segunda investida independente que fracassou por ser muito ambiciosa e, em certa medida, ingênua. Nesse meio tempo, colaborei timidamente com o TechTudo, da Globo.com, assinando uma coluna sobre a Microsoft. No começo de 2012 fui para o Gizmodo.

Lá, aprendi muito sob a batuta do Pedro e, depois, do Leo, ao lado do Felipe, Nina, Giovanni, Daniel, André e Ana, e com o apoio de todo o corpo de profissionais da F451 — é um punhado de gente! Mesmo remotamente, deu para sentir mais ou menos o clima de uma redação e apurar a visão que eu tinha desse universo. Ter mais cautela, mais paciência, ser mais curioso. No fim, acho que aprendi a ser mais profissional.

Esse caminho, com umas partes das quais me orgulho um bocado, algumas viagens fascinantes e uns encontros não muito legais da minha cara com o muro, culmina neste blog que você está lendo, no Manual do Usuário.

Mais um blog de tecnologia?

Sim, mas um diferente. E é nessa diferença que ele se justifica.

Se tudo correr bem, você ficará satisfeito ao fim de cada leitura que fizer aqui, terá compreendido e internalizado o tema proposto e, talvez, ficará com um gostinho de quero mais que poderá ser saciado na seção de comentários.

A ideia é levar aquele papo de três notícias por dia (no máximo!) ao pé da letra, apegar-se à filosofia slow web1 e oferecer conteúdo único e de alta qualidade. Você não lerá nada exatamente novo aqui. Não tenho e nem quero o compromisso de ser o primeiro a dar uma notícia, não é essa a ideia. O objetivo é dar a notícia que importa e de maneira completa. Contextualizada, questionada, esmiuçada.

Além das notícias, há outra parte importante nessa receita: os textos longos, bem trabalhados, demorados, como alguns que fiz nos últimos meses pelo Gizmodo — veja isto e isto para entender. Lá fora chamam esse estilo de “longform journalism”; aqui, já ouvi falar em “leitura de fôlego”, mas não tenho certeza se esse é o termo correto. E não importa. O que interessa é que serão textos fora da curva, lapidados, redigidos depois de muita leitura, pesquisa e reflexão. Note que até o visual do blog denota esse ar mais… artesanal. (Aliás, curtiram?) Os assuntos? O que for legal e/ou importante.

Quando Tim Stevens, ex-editor-chefe do Engadget, anunciou sua ida à CNET, ele escreveu em seu blog:

“Embora a cena de notícias de tecnologia esteja muito saturada, ainda há um monte de histórias não contadas apenas esperando atrás das cortinas. Quando o ritmo das notícias é intenso dessa forma, poucos escritores têm o luxo ou a paciência de se aprofundar, não só para responder o que determinado objeto é, mas por que ele é. Que fatores contribuíram para seu design, seu desempenho, seus recursos e seu custo? E então, depois que os reviews são publicados e a indústria se move em sua sua eterna obsessão para saber o que vem a seguir, como o que já está aqui se encaixa de fato em sua vida? Cada novo produto e avanço tecnológico tem uma história. Trabalharei para contar, de forma exaustiva e respeitosa, essas histórias.”

Longe de mim comparar-me ao Tim, mas ler esse parágrafo reforçou a ideia de que havia essa lacuna e que as condições eram favoráveis para tentar.

Legal! Por onde começo?

Foto de cima da Type Cover anexada a um Surface Pro.
Foto: Rodrigo Ghedin.

Pensei em explicar logo de cara a linha editorial do Manual do Usuário, mas talvez seja mais divertido se vocês verem essas coisas nascendo aqui e ali. O arquivo já conta com algumas notícias recentes. Novos estão a caminho, incluindo os especiais a que me referi acima. Os podcast serão trazidos para cá e, por ora, podem ser ouvidos direto da fonte (caso queira assiná-lo, este é o feed RSS e aqui ele na iTunes Store). Recomendo também dar uma lida no “Sobre”, especialmente o trecho onde explico como planejo manter isso funcionando — você pode ser parte importante para fechar os números no final do mês e é, sem dúvida, a mais importante no que condiz a termos de uso e privacidade.

Como é praxe hoje, acompanhe as novidades via TwitterFacebook, Google+, RSS ou assinando a newsletter gratuita do site. Você também pode se tornar assinante e ganhar acesso ao “lado B” do site, com alguns benefícios como a versão “premium” da newsletter. Nela, além do resumão semanal deste blog, compilo e comento links bacanas que encontro por aí. Quem assina, adora.

(Pretendo publicar apenas links dos posts, um “giro de notícias” diário e responder dúvidas no Twitter do Manual do Usuário. Para um papo mais descontraído e comentários rápidos sobre tecnologia, além de umas piadas ruins e tuítes sem nexo ocasionais, siga meu perfil pessoal por lá.)

Os comentários, como dito, estão abertos. Lerei todos, responderei quando convir. Puxe um banquinho, abra a geladeira, pegue uma cerveja e não se sinta intimidado para falar. Isso será legal!


1 Slow web é um movimento recente que chama a atenção para a celeridade da informação na web e de como isso nos faz mal. Como uma analogia ao Slow Food, Jack Cheng prega, em seu manifesto, que desaceleremos e saibamos aproveitar o que a web tem de melhor em vez do que ela oferece mais rápido. Escrevi sobre isso no PapodeHomem
Do NOT follow this link or you will be banned from the site!