Dois homens, em poses diferentes, usando cuecas pretas da Insider, um em cada canto da imagem. No centro, a frase: “A cueca mais confortável com 12% Off. Cupom MANUALDOUSUARIO12”

Achados e perdidos #41

Todo sábado, pego uns links que acumulei ao longo da semana e que, embora curiosos e/ou interessantes, não renderam nem notinhas, e os publico num compilado que chamo de “achados e perdidos”. É um conteúdo mais leve, curto, quase lúdico — a cara do fim de semana.

***

Teclado com base preta e três teclas brancas, lado a lado, conectado a um cabo USB.
Foto: Stack Overflow/Divulgação.

— O Stack Overflow anunciou o The Key (em inglês), um teclado com três teclas: uma que abre o Stack Overflow, outra para copiar e outra para colar. É um produto de verdade. A pré-venda de 9 mil unidades esgotou em seis horas.

Os dez piores gadgets (em inglês) em que o The Verge colocou as mãos em seus dez anos de vida.

— Uma representação visual das vantagens urbanísticas que os carros autônomos trazem. (Spoiler: nenhuma.)

— Ainda fascinado que existe um jogo baseado na série O gambito da rainha que não é um jogo de xadrez (em inglês).

— A Apple quebrou uma tradição de oito anos ao não incluir um papel de parede da natureza/Califórnia no macOS Monterey. Aqueles caras que recriavam as imagens todo ano decidiram suprir essa lacuna. Caso queira ver o processo, tem o making of no YouTube (em inglês).

— Este cara recriou o fenômeno esteira de turbulência (Wikipédia) no porão de casa usando aviõezinhos de papel e fumaça (em inglês).

— Os dez tuítes mais populares de políticos brasileiros de 2020 até agora.

— A intrigante história da imagem de Lenna (em inglês), a foto de uma mulher usada à exaustão em ambientes de programação e desenvolvimento durante décadas. A apresentação dos dados é excelente. Dica do Fabio Montarroios.

Uma ferramenta legal do NIC.br que te ajuda a estimar qual a velocidade de internet ideal para a sua casa.

— Um serviço que usa trechos de vídeos do YouTube para ensinar a pronúncia de termos e frases em inglês.

— O Telescope promete ser uma plataforma de publicação “feita do jeito certo” ou, nas palavras deles, “tipo o Medium, mas sem toda a bobajada”. Freemium.

— Nesta segunda (8), começa a 23ª Feira do Livro da USP. Mais uma vez ela será virtual, o que significa que gente de todo o Brasil poderá aproveitar os descontões em livros.

8 livros sobre tecnologia e autoritarismo.

— A MUBI está fazendo a “maior promoção do ano”: assinatura de 12 meses por R$ 120.

— Laurinha Lero, do podcast Respondendo em voz alta, fez um jogo — ou uma história interativa.

— Mais uma listona de aplicativos livres e de código aberto para Android, todos disponíveis na F-Droid.

— O LXQt, um ambiente gráfico para Linux baseado no QT, chegou à versão 1.0 (em inglês).

— O StartAllBack é um desses apps que modificam a barra de tarefas e o menu Iniciar do Windows 11. Tem muitas opções de personalização. Freemium (US$ 1,50 para liberar tudo).

Apresentações de slides no terminal — pior que ficam bonitinhas.

— Quando programadores engravidam, eles criam apps para escolher o nome da bebê. Este disponibilizou o seu para todo mundo — e parece bem feito. Gratuito, para Android e iOS.

— Debates legais que estão rolando no post livre:
– “Desviciar” de redes sociais.
– Upgrade em notebooks/ThinkPad.
– Monitores para quem escreve muito.
– Operadora com VPN para Netflix!?
– Existe banco que seja legal/do bem?
– Web no celular só piora.
– Pastas e documentos: faz sentido?

— No podcast Guia Prático desta semana (ouça!), Jacque indicou a série Colin em preto e branco [Netflix], de Ava DuVernay e Colin Kaepernick, e eu, o filme Cavadoras de ouro [Belas Artes À La Carte], de Mervyn LeRoy.

— Destaques literários:

  • Clareza & conexão [Amazon, Magalu, Americanas, editora]1, de Yung Pueblo, publicado pela Intrínseca: “O caminho para a transformação de toda a coletividade começa quando investimos no autoconhecimento, reviramos nossas experiências e condicionamentos, desatamos os nós que nos prendem a uma bagagem nociva para, por fim, sermos capazes de expandir o amor que sentimos por nós mesmos e pelas pessoas.”
  • Cuidar uns dos outros: Um novo contrato social [Amazon, Magalu, editora]1, de Minouche Shafik, publicado pela Intrínseca: “A partir de exemplos do mundo todo, a autora demonstra que os países podem oferecer a seus cidadãos o mínimo necessário para que tenham uma vida digna. Mas, acima de tudo, o que se evidencia é que precisamos passar a cuidar uns dos outros. Uma sociedade mais generosa e inclusiva compartilha os riscos coletivamente, de forma que todos contribuam ao máximo.”

Para fechar, uma foto do Fabio Montarroios no nosso grupo de fotografia no Flickr — veja as demais e mande a sua!

Ambiente pouco iluminado, com silhuetas de algumas pessoas e uma mesinha em primeiro plano. Ao fundo, um letreiro de neon verde onde se lê: “O velho mundo está morrendo. O novo demora a nascer. Nesse claro-escuro, surgem os monstros.”
Foto: Fabio Montarroios/Flickr.

Os Monstros. Exposição no Sesc Pompeia. Alfredo Jaar.

📅 2/11/2021
🗺 São Paulo (SP)

Este post saiu primeiro na newsletter do site. Cadastre-se gratuitamente para receber os próximos direto no seu e-mail.

  1. Ao comprar por estes links, o Manual do Usuário recebe uma pequena comissão das lojas. O preço final para você não muda.

Deixe um comentário para gabriel Cancelar resposta

Seu e-mail não será publicado. Dúvidas? Consulte a documentação dos comentários.

4 comentários

  1. Fui dar uma olhada no jogo baseado na série “O Gambito da Rainha” e pior que faz até muito sentido tematicamente a ideia que tiveram, pq implementaram a mecânica de “ação programada” (que é bem comum nos boardgames modernos) para personificar a vantagem da personagem de estar 3 jogadas a frente dos seus adversários.

  2. Mubi vale a pena ou apenas mais um streaming pra ficar esquecido, ao lado de HBO, Amazon Prime Star, Pluto, Disney, etc…
    Eu tenho todos esses, mas só assisto Netflix.

    1. tenho uma assinatura gratuita de quatro anos e tenho dúvidas se continuarei a assinar quando passar o período gratuito

      minha experiência é a seguinte: se você tiver tempo, vale muito assinar. Tanto pelos filmes clássicos quanto pela produção a que você não teria acesso de outra maneira. (inclusive por bons filmes sobre os quais você nunca ouviria falar não sendo um estudioso de cinema ou cinéfilo aficionado)

      mas se não tiver tempo para assistir, não vale mesmo — e digo isso porque como são, em geral, filmes mais pesados, eu particularmente não conseguiria assistir aos filmes do catálogo todo dia

  3. Dica para quem usa o DuckDuckGo como padrão no navegador, use o bang !so e pesquisar diretamente no Stack

Compre dos parceiros do Manual:

Manual do Usuário