A ousadia, Quantum V, e a alegria, Sky, da startup de inovação da Positivo

Há mais ou menos dois anos surgia a Quantum, uma das únicas fabricantes de smartphones nacionais que desde o início disse que iria brigar com as grandes. Com um storytelling que lembrava um pouco aqueles contos de fadas dos Sucos do Bem e do picolé Diletto, a Quantum se apresentava como uma startup de ex-funcionários da Positivo, mas que passado o buzz deixou de lado esse papo e, de certa forma, se assumiu como uma unidade de inovação dentro da empresa brasileira de tecnologia.

Continue lendo “A ousadia, Quantum V, e a alegria, Sky, da startup de inovação da Positivo”

Post Livre #99

Em uma semana cheia de lançamentos, anúncios e rumores do mundo mobile — Android Oreo, Bixby, Galaxy Note 8, novos Moto G5S e Z2 Force no Brasil e iPhone 8 — será que o Post Livre consegue não debater tecnologia? Por aqui a semana foi de imersão no assunto mesmo: dois posts sobre o Note 8, um aqui no Manual do Usuário, mais reflexivo, e um hands-on para a Gazeta do Povo do nosso amigo Rodrigo Ghedin, além de uma análise em cima do evento da Motorola. Os comentários estão aí para continuarmos a conversa ou mudarmos de assunto. Vocês escolhem!

Motorola, a nova Samsung ou o efeito Lenovo

Em mais um evento de grandes proporções, desta vez no Ibirapuera, em São Paulo, a Motorola mostrou que segue firme e forte na sua estratégia de se tornar a Samsung. E não estou falando da busca pela liderança do mercado de smartphones — muito embora a Motorola repita com cada vez mais frequência que é a atual vice-líder e segundo ela própria tenha crescido 51% no primeiro semestre de 2017 — mas sim da quantidade de aparelhos que estão lançando neste ano. O nome Motorola voltou, mas só. Quem dita as regras agora é a Lenovo.

Continue lendo “Motorola, a nova Samsung ou o efeito Lenovo”

A volta dos que não foram: Galaxy Note 8

Em março deste ano, quando após o lançamento do Galaxy S8 e S8+ nesta mesma Nova York eu perguntei ao André Varga, diretor de produtos da Samsung, se a linha Galaxy Note ia morrer ou pelo menos mudar de nome, ele franziu a testa como quem duvida da pergunta e, ainda incrédulo, disse não. Aquela imagem ficou marcada na memória. Para mim, parecia que algo deveria mudar depois de tão grave erro.

Continue lendo “A volta dos que não foram: Galaxy Note 8”

O que tem na sua mochila, Bruno Capelas?

Foto de Bruno Capelas.Bruno Capelas tem 25 anos e é formado em Jornalismo pela USP. É repórter do Link, a editoria de tecnologia do O Estado de S. Paulo, e apresentador do Hyperlink, o recém-lançado podcast do Link. Nas horas vagas, escreve sobre música, hambúrgueres e programas de televisão infantis dos anos 90. Comprou um Switch, mas ainda não tem coragem de colocá-lo na mochila para jogar na CPTM.

    1. Mochila: acabei de substituir uma antiga, sem boas divisórias, por esta. Tem um espaço para notebook (que eu não uso normalmente em pautas, mas é útil quando preciso levar o aparelho do jornal ou até mesmo um livro) e áreas separadas que me ajudam bastante. É bem compacta – o que é ótimo para não me fazer carregar peso demais.
    2. Casaco: ferramenta básica de sobrevivência para quem mora em São Caetano e pega trem, metrô e ônibus todo dia. O casaco é um impermeável da Quechua e fica na mala até mesmo quando está sol, pois também serve como capa de chuva.
    3. Cachecol: foi feito por uma costureira aqui do bairro, e é meu companheiro de aventuras desde 2013.
    4. Caixinha de óculos: tenho hipermetropia, e levo a caixinha sempre comigo com lenços e aquele líquido para limpar lente. É útil também para limpar a lente da câmera do celular – hoje, uso um Asus Zenfone Selfie, que não esta na foto porque sempre está no meu bolso.
    5. Powerbank e adaptador de tomadas: parte importante do canivete suíço 2.0. Ambos foram ganhos em jabás.
    6. Fone de ouvido: é um Skullcandy Aviator. Um amigo ganhou de jabá e me deu, em 2014. Gosto muito dele porque é prático, dobrável e sempre cabe na mala, além de ter isolamento acústico que me ajuda a focar na leitura (no trem) ou nas matérias que escrevo no trabalho (às vezes, redações são ambientes deveras barulhentos). Já quebrei a ponta e os cabos várias vezes, e meu pai sempre remenda tudo.
    7. Bloquinho e estojo: ainda estou tentando me adaptar às notas no celular, mas na hora H, sempre o que me salva é essa dupla. Gosto desse modelo de moleskine maior, para ter mais espaço para anotações, tabelas e até rascunhos de infográficos.
    8. Guarda-chuva: ao lado do casaco e do cachecol, ajuda bem na rotina de quem anda de lá para cá em SP. Ainda que eu mais esqueça ele nos lugares do que exatamente use…
    9. Nécessaire: tem de tudo. De uma farmácia quase completa (Aspirina, Multigrip, Engov, e o onipresente Tandrilax) a escova de dente, pasta, cotonete e pastilha para a garganta. A gente nunca sabe quando vai chover e será impossível voltar pra São Caetano.
    10. Livro e sacola impermeável: já cansei de perder/estragar livros por conta de uma chuva na hora errada. A sacola da Livraria da Travessa, maltratada, foi a primeira que eu usei para guardar os livros — mantenho ela por estimação. Já o livro da vez é o As Upstarts, do Brad Stone. É um jornalista gringo que já escreveu sobre a Amazon (o ótimo A Loja de Tudo) e agora se debruça sobre Uber e Amazon. É uma leitura densa (estou na metade), mas ótima. Uma hora eu ainda me converto ao Kindle, mas a experiência do papel ainda me é muito satisfatória.
O que tem na mochila do Paulo Barba.
Clique para ampliar.

Nota da editora 1: “Na mochila” é uma seção semanal do Manual do Usuário que apresenta o interior das bolsas e mochilas de leitores, colegas e amigos. Veja as outras mochilas já publicadas e mande a sua.

Nota da editora 2: o Guia Prático #135 está nas mãos de Joel Nascimento Jr. para a edição e logo mais aparece por aqui.

Hands-on dos Zenfone 4: Pro, Max, Max Pro, Selfie e Selfie Pro

Nesta semana, a Asus anunciou sua quarta geração de Zenfone, o smartphone topo de linha da taiwanesa que desembarcou no Brasil com seus dispositivos móveis em 2014 e desde então vem fazendo barulho no mercado de tecnologia graças ao seu principal executivo, Marcel Campos — que já teve suas fotos postadas no The Verge e é muito ativo nas redes sociais, Twitter e Facebook –, a sua estratégia com influenciadores em eventos como o Asus on Board, ao marketing puramente digital desde o Zenfone 5 e, é claro, com seu produtos. Continue lendo “Hands-on dos Zenfone 4: Pro, Max, Max Pro, Selfie e Selfie Pro”

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!